O que você quer dizer com condomínio amigável para animais de estimação?

O regulamento do condomínio amigável é favorável aos animais de estimação. Regulamentos não-amigáveis ​​para animais de estimação também podem existir? Nós vemos isso aqui

O que você quer dizer com condomínio amigável para animais de estimação?

Vivendo em um condomínio amigável pet

Animais de estimação em condomínio

O que entendemos por condomínio pet friendly?
Em italiano, a expressão significa literalmente um condomínio amigável para o pets.
Por que - você pode perguntar - há condomínios impróprios para animais de estimação?
A lei, portanto, permite preservativos a possibilidade de uma escolha entre ser ou não favorável aos animais de estimação, para que possamos identificar uma categoria de condomínios pet friendly em comparação com uma categoria de condomínios não pet friendly?

Animais de estimação em condomínio: quais são as regras?

O que as regras contêm no ponto?
Antes de 2012, entre os regulamentos do condomínio, não havia nenhuma disposição especificamente dedicada a manter animais dentro de condomínios.
Vamos ver o que mudou depois.

Proibição de animais em um condomínio: a jurisprudência antes da reforma

Gato no condomínio

Assim, alguns regulamentos do condomínio continham proibição de manter animais em um condomínio e essa proibição era frequentemente objeto de disputas.
O acórdão do Tribunal de Justiça Cassação n. 3705/2011 excluídos que um regulamento do tipo acionistasportanto, com a aprovação da maioria, nada poderia conter a cláusula reguladora que proíbe animais em condomínios.
Foi explicado que, como eram as limitações das faculdades que se enquadravam no direito de propriedade de cada condóminò em sua unidade imobiliária, era necessário aprovarunanimidade; portanto, apenas o regulamento contratual, aprovado por unanimidade, poderia conter a referida proibição.
princípio similar tinha sido afirmado, sempre pelo Tribunal de Justiça Supremo Tribunal, na frase mais recente n. 12028/1993segundo a qual, além do mais, o que foi decidido pela maioria não poderia ser aplicado àqueles que aprovaram a decisão, já que eles estão votando demonstrações que não se fundiram na constituição de um ato coletivo válido e efetivo. atos atípicos unilaterais, per se, portanto, não são impróprios para vincular seus autores na ausência de uma disposição legal específica (Quadro 12028/1993).
na verdade, de acordo comart. 1987 c.c. a promessa unilateral de um benefício produz efeitos obrigatórios apenas nos casos permitidos por lei.

Proibição de animais em condomínio após a reforma

Esta foi essencialmente a posição da lei de jurisprudência até 2013, quando, com a entrada em vigor do reforma do condomínio (L. No. 220/2010), sobre o assunto entrou em nossa lei um novo padrão.
É sobre arte. 1138, co.5, c.c., que dispõe que as regras do regulamento do condomínio não podem de maneira alguma proibir a posse ou a manutenção de animais de estimação (artigo 1138, parágrafo 5 c.c.).

Animais de estimação no condomínio, o que mudou com a reforma?

Problemas de animais de estimação em condomínio

O que mudou com o reforma em comparação com o período anterior à sua entrada em vigor?
Em essência, talvez nada, já que até hoje um regulamento de contrato, portanto aprovado por unanimidade, deve ser capaz de estabelecer o contrário.
Em primeiro lugar, o co.5 do mesmo artigo 1138 não está entre as regras que se referem às co.4 anteriores. obrigatório pelo regulamento.
Se transcrito nos registros públicos de imóveis, como anteriormente, o regulamento que contém essa proibição também é oponíveis para quem compra o apartamento localizado no condomínio.
Sem transcrição do regulamento (com indicação específica das cláusulas de limitação), o terceiro comprador estará sujeito somente após aceitação expressa.
Portanto, não deve ser uma regra inevitável, pelo menos de acordo com o art. 1138 c.c., portanto, de uma regra de condomínio. Mas, poderia ser uma regra imperativa sob nossa própria sistema legal como um todo?
Isto é o que o Tribunal de Cagliari com a decisão de 22 de julho de 2016.

Nulidade absoluta da proibição de manter animais?

Nesta disposição, o Tribunal de Cagliari afirma nulidade da cláusula de proibição por violação do disposto no art. 1138, co.5, independentemente da natureza do regulamento (seja montagem ou contrato) e do momento da aprovação, ou seja, antes e depois da reforma do condomínio.

Em um condomínio os animais de estimação: os melhores amigos do homem


O tribunal diz que a regra do regulamento é diferente da disposição do art. 1138 co.5 c.c. porque contrário aos princípios de ordem pública, encontrado, por um lado

por ter consolidado indirectamente, no direito da vida e ao nível da legislação nacional, a necessidade de reforçar a relação entre o homem e o animal, por outro, na afirmação deste último princípio também a nível europeu (Trib. Cagliari 22.07.2016).

O Tribunal de Cagliari recorda o posição jurisprudencial antes da reforma (acórdãos citados em 3705/2011 e 13164/1993), aquadro regulamentar e jurisprudenciais que dão conta, no contexto interno e europeu, do nível de sensibilidade agora adquirido na sociedade atual em relação aos animais.
Na jurisprudência, a sensibilidade moderna em relação aos animais foi expressa no reconhecimento do direito de visitar o detido na prisão pelo cão reconhecido como membro da família. O mesmo se aplica a um paciente hospitalizado, constituindo a relação homem-animal um elemento importante para a realização da personalidade humana.
Internamente, a sentença refere-se às seguintes regras: L. n. 281/1991, que em seus princípios gerais condena:

atos de crueldade, maus-tratos e abandono de animais, a fim de promover a correta convivência entre homem e animal (Lei nº 281/1991).

o L. n. 189/2004, que introduziu artigos sobre crimes de abuso de animais e abuso de animais no código penal (artigos 544 bis e seguintes do código civil),'Art. 31 L. n. 120/2010 (alterações no Código da Estrada) e D.M. n. 217/2012 que ordenou a obrigação de parar para resgatar o animal ferido em caso de acidente.
Na área europeu, o tribunal lembra:

a Convenção Europeia para a Protecção dos Animais de Companhia, assinada em Estrasburgo em 13.11.1987 e ratificada e implementada em Itália pela Lei 201/2010, que estabelece a obrigação moral do homem de respeitar todos os seres vivos e a importância dos animais de estimação e o seu valor para a sociedade pela sua contribuição para a qualidade de vida, e o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, ratificado pela Lei 130/2008, que, no artigo 13.º, estabelece Considerando que a União e os Estados-Membros "têm plenamente em conta as necessidades de bem-estar dos animais como seres sensíveis (Trib. Cagliari 22.07.2016)

Condomínio amigável para animais de estimação

Portanto, continua o tribunal, a orientação que exclui a legitimidade da proibição não deve ser compartilhada somente se isso tiver sido decidido após a reforma ou por meio de um regulamento de assembléia, portanto substancialmente pela maioria e não por unanimidade.
Isso porque a nova lei codificou substancialmente também nos princípios do campo de condomínios já atuantes na legislação vigente e na legislação nacional e internacional, fruto de uma nova consciência da relação entre homem e animal.
Segundo o tribunal, a proibição do último parágrafo do art. 1138 c.c. é, portanto, uma expressão dos princípios da ordem pública, com a conseqüente nulidade de qualquer disposição contrária. Tampouco se pode inferir o contrário da colocação da disposição (artigo 1138, parágrafo 5, c, c) em um artigo também dedicado aos regulamentos da Assembléia de Acionistas (artigo 1138 do Código Civil).

Proteção para outros condóminos

Naturalmente, a possibilidade de obter a ordem judicial de interrupção de comportamento (proteção inibitória através da aplicação do artigo 844 do Código Civil) e possivelmente condenado a compensação de qualquer indenização por danos, por meio da aplicação do art. 2043 c.c.
A conduta também pode ser sancionada no lugar criminal (por exemplo, nos termos do artigo 659 do Código Civil).
Além do que o regulamento do condomínio prevê, se um animal de estimação traz problemas para outros condomínios, é sempre possível, assim como para o administrador, regular o uso de áreas comuns, para cada condómino resort (também) ao juiz solicitar a aplicação destas regras.



Vídeo: Pesquisa americana coloca os pit bulls na lista de cães amigáveis