Propriedade indivisível: despesas condominiais que cada coproprietário responde

A propriedade indivisa de um apartamento condomínio permite agir contra todos os co-proprietários para as despesas do condomínio.

Propriedade indivisível: despesas condominiais que cada coproprietário responde

Proprietà

Se um apartamento está em propriedade indivisa o administrador pode pedir o pagamento do despesas de condomínio até para um dos co-proprietários.
Este, em substância, a conclusão alcançada pelo Corte de Gênova com uma frase apresentada na chancelaria em 26 de abril.
Nós tentamos entender mais de perto uma afirmação de que, longe de ser uma novidade, confirma um princípio bem estabelecido na jurisprudência.

Você supõe que Tizio é o proprietário da propriedade Alfa localizado no condomínio Beta.
Na sua morte o apartamento cai em uma herança e acaba na disponibilidade de Caio e Semprônio, seus filhos.
Todos, como por lei, aceitaram a herança, tornam-se proprietários de um meio desseunidade imobiliária.
Este é um caso clássico de propriedade indivisa.
o proprietáriosde fato, aceitando a herança e não dividindo a propriedade, eles se tornaram portadores em comunhão.
Aqui está o discurso relacionado ao despesas de condomínio e a possibilidade de o administrador do edifício perguntar a todos os comunistas sem distinção.
O caso resolvido pelo Tribunal de Génova é quase o seguinte: condomínio X pede e obter liminar contra o condomínio Y para o não pagamento de taxas de condomínio.
Este último se opõe ao decreto, deduzindo, entre outras coisas, que ele não todas as ações poderiam ser solicitadas mas, no máximo, apenas aqueles diretamente relacionados à sua parte da propriedade recebida como herança.
o Juiz da Ligúria ele rejeitou essa exceção.
Ele lê no julgamento que:

Proprietà2


a) não é de modo algum provado que as dívidas em questão, ou mesmo apenas uma parte delas, são herdadas, uma vez que se acumularam ao de cuius, e estão, como tal, sujeitas à aplicação do art. 754 c.c.
b) a obrigação em questão é indivisível, se e até (como neste caso) a propriedade à qual pertence é indivisível; como tal, está sujeita à aplicação das disposições combinadas dos artigos 1317 e 1294 do Código Civil, em virtude do qual os co-proprietários acima mencionados cumprem integralmente as dívidas em questão.
Essas conclusões são corroboradas pela recente decisão do Supremo Tribunal Federal, que é absolutamente pertinente ao presente caso, segundo o qual os coproprietários de uma unidade imobiliária localizada em um condomínio são detidos conjuntamente, em relação ao próprio condomínio, para pagar as despesas do condomínio. porque esta obrigação de contribuição é assumida pelos co-proprietários do plano ou parte do plano como uma única coisa e os próprios comunistas representam um conjunto, em relação ao condomínio, tanto em virtude do princípio geral ditado pelo art. 1294 bacalhau civ. (segundo a qual, no caso de vários devedores, a solidariedade é presumida), cuja aplicabilidade não é um obstáculo ao fato de que as ações da unidade imobiliária foram recebidas pelos coproprietários em virtude de diferentes valores mobiliários. Uma vez que é um princípio que informa o assunto, o cumprimento dele é assegurado pelo juiz de paz, mesmo quando ele decide de acordo com a equidade, de acordo com o art. 113, segundo parágrafo, bacalhau. proc. civ. (Cassação 21907 de 21.10.2011) (Trib. Gênova 26 de abril de 2012).
Em essência apenas para as dívidas deixadas pelo de cuius, os herdeiros respondem à proporção de sua parte de herança, mas para aqueles acumulados posteriormente, em vigor, como para qualquer comunhão, o princípio da responsabilidade solidária.



Vídeo: