Prazos para apelar das resoluções do condomínio e propor o pedido de mediação

A lei estabelece prazos precisos para o recurso de resoluções de condomínios revogáveis; Como os termos se correlacionam com a tentativa obrigatória de mediação?

Prazos para apelar das resoluções do condomínio e propor o pedido de mediação

Tentativa de mediação

Mediação Condominial

Quem pretende exercer umação judicial no caso de condomínios, deve primeiramente realizar procedimento de mediação com um organismo qualificado inscrito nas listas mantidas pelo Ministério da Justiça.
O procedimento de mediação em questões de condomínio representa uma condição do procedimento de aplicação; Portanto, é um procedimento que deve ser ativado.
Caso contrário, o tribunal demandado ou a outra parte pode, respectivamente, aceitá-lo ou opor-se a ele, a fim de permitir o início deste procedimento.
O comportamento das partes em relação ao procedimento de mediação pode ser avaliado no final do caso subseqüente, com a finalidade de condenar despesas legais; o procedimento não pode durar mais de três meses e um certificado deve ser emitido para sua conclusão, a fim de provar a sua experiência, também para o propósito do correto estabelecimento do contencioso judicial.
L 'vinculação do procedimento de mediação, declarada inconstitucional em 2012, foi reintroduzida em setembro de 2013.
A partir desses poucos conceitos, retirados das disposições do Decreto Legislativo n. 28/2010segue-se que a mediação representa um momento importante para evitar o início de uma disputa judicial; houve críticas às escolhas legislativas, mas este não é o lugar para lidar com elas.
Voltemos ao princípio, isto é, às correlações entre o procedimento de mediação e o litígio do condomínio:
a) quando um procedimento de mediação deve ser ativado material do condomínio?
b) como o procedimento de mediação afeta o tempo processual?

Mediação em condomínio

L 'art. 71-quater disp. att. código comercial. especifica que para disputa de condomínio nos termos e para os fins do art. 5 Decreto Legislativo n. 28/2010 deve ser entendido como tendo como objeto a violação ou aplicação incorreta de artigos 1117-1139 c.c. e 61-72 avail. att. cc
Um condomínio pretende desafiar um provisão do administrador (Artigo 1133 do Código Civil)? Antes de entrar com uma ação judicial, você deve entrar em contato com um órgão de mediação.
Um condomino pretende desafiar uma resolução (Artigo 1137 do Código Civil)? Idem.
o disposições coordenadas das regras ditada pelo decreto legislativo n. 28 e do art. 71-quater disp. att. cc fornecer para alguns exceções, ou algumas ações contra as quais não é necessário promover o procedimento de mediação.
Eles são:

Tempos de mediação

a) ação de recuperação de crédito para liminar;
b) os procedimentos na câmara do conselho, ou seja, os procedimentos de nomeação judicial e despedimento do administrador do condomínio (na direção oposta, um caso isolado, ver Trib. Pádua, 24 de fevereiro de 2015);
c) i processo cautelar (por exemplo, avaliação técnica preventiva) e urgente.
Vamos voltar paraapelo da resolução do condomínio: como se sabe, nos termos do art. 1137 do Código Civil, as resoluções do condomínio podem ser impugnadas no prazo de trinta dias dos presentes na reunião a partir da data da deliberação, enquanto para a ausente a data começa a partir do dia do recebimento da ata.
Exceções a este momento são as resoluções consideradas nulas, conforme estabelecido especificamente pela lei (ver artigos 1117 ter e 1129, décimo quarto parágrafo, cc) e como elas foram catalogadas pela jurisprudência com base nos princípios gerais inferidos do código civil ( ver Cassation U.S. 4806/05).
um sentença proferida pelo Tribunal de Palermo concentrou-se na correlação entre o termo do termo de decadência e os efeitos sobre ele da instância de mediação. O resultado parece surpreendente e, no entanto, poderia representar uma razão para a incerteza em um assunto tão delicado: vamos ver o porquê.

Expiração do período de apelação e procedimento de mediação

ele supor que um condomínio que pretenda contestar uma ata anulável (por exemplo, por não atingir o quórum das resoluções exigidas por lei) recebe um relatório em 1º de novembro de 2015; ele terá trinta dias para apelar que, de acordo com as regras ordinárias de procedimento, expirará em 1º de dezembro de 2015.
Dentro deste prazose ele deseja contestar as atas, ele deve arquivar (com a assistência de um advogado) um pedido de mediação com um órgão localizado no distrito do escritório judicial competente.
L 'art. 5, sexto parágrafo, Decreto Legislativo n. 28/2010 afirma que o pedido de mediação impede o confisco de uma só vez; no entanto, especifique o padrão, se a tentativa fracassar, a solicitação judicial deve ser apresentada no mesmo prazo, a partir da apresentação do relatório referido no artigo 11 no secretariado da organização..
Suponha que o condomino depositar a instância nos termos acima mencionados: uma vez concluído o processo de mediação, se ele deseja continuar com a ação judicial ele deve propor no prazo residual ou nos trinta dias referidos no art. 1137 c.c. eles começam a correr inteiramente?
Em termos técnicos, portanto, alguém se pergunta se o termo é interrompido e, como tal, recomeça a funcionar ex novo a partir da data de arquivamento da ata, ou suspenso e, portanto, a partir desta data, apenas os dias restantes devem ser considerados.
Para o Corte de Palermo que se expressou no assunto com sentença n. 4951 de 18 de setembro de 2015, o termo do prazo deve ser considerado suspenso e não interrompido, uma vez que o sexto parágrafo, referido anteriormente, não contém qualquer referência aos efeitos da interrupção.
Até hoje, no entanto, a leitura da norma levara a uma solução diametralmente oposta, isto é, havia sido concluída a interrupção com um novo curso completo do termo, embora não tivesse deixado de apontar a formulação infeliz.
Como se costuma dizer nesses casos: veremos que outras respostas fornecerão jurisprudência, mas a esperança é a de uma solução compartilhada, se não uma intervenção esclarecedora do legislador.



Vídeo: