Termorregulação e contabilidade autônoma

A gestão e manutenção da planta é de responsabilidade do condomínio. Basicamente o administrador do condomínio, terá que garantir para mantê-lo em boas condições.

Termorregulação e contabilidade autônoma

Termoregolazione e contabilizzazione impianto riscaldamento condominiale

Em condomínio você pode encontrar dois tipos de sistema de aquecimento:
a) um autônomo, então falaremos mais sobre sistemas de aquecimento e eles serão tantas quantas as unidades imobiliárias que estão equipadas com ele.
b) um centralizadaisto é, um planta comum a todos os condomínios (ou melhor, aqueles que podem usá-lo, por exemplo, quem possui apenas uma caixa, geralmente, nunca é co-proprietário do aquecimento).


No primeiro caso
é uma questão de propriedade exclusiva do proprietário do apartamento ao qual serve.
O condomínio não terá poder no mesmo, exceto para a instalação das partes comuns.
Para entender um ao outro, o condomínio individual terá que respeitar os tempos de comutação (estabelecido pelo Decreto presidencial n. 412/93 de maneira diferente no território nacional de acordo com as faixas climáticas) e o condomínio não terá poderes e / ou responsabilidades a esse respeito.
No segundo caso, em vez disso, o gestão e manutenção da planta é de responsabilidade do condomínio.
Em essência o administrador, como representante legal dos condomínios em relação às partes comuns do edifício, ele terá que mantê-lo em boas condições.
Será sobre tê-los executado bom funcionamento verifica (para fumos, etc.) e se é uma planta a diesel, garantir (com base nas decisões da assembléia) a continuidade de fornecimento.
Será com ele, na ausência de indicações da assembléia ou disposição do regulamento do condomínio, a tarefa de identificar dentro do horário permitido a hora de ligar.
Isto é, sem dúvida, juntamente com os custos, o problema que gera mais reclamações para o administrador, ou contrastes entre condomínios.

Termoregolazione e contabilizzazione impianto riscaldamento condominiale


Quem diz que otempo é muito longo, quem prefere um fracionamento de ignição, que acredita que a temporada permite um economia.
Então, novamente, le reclamações sobre custos, subdividido de maneira injusta, sempre demais alto e quase nunca certo.
Na perspectiva de um contenção do consumo de energia e maior autonomia dos indivíduos em relação ao uso concreto desistema de aquecimento central, o lei n. 10 de 1990 previu a possibilidade, para a assembleia de deliberar, com maiorias simplificadas, ainstalação de sistemas autônomos de medição e termorregulação.
O primeiro serve para quantificar, em termos econômicos, a consumo da unidade imobiliária referência.
O segundofinalmente, é útil regular o duração da ignição e a temperatura desejada.
É sobre equipamento precisando de um planta comum com características específicas teniche, bem como totalmente funcional, para ser concretamente utilizável.
Para promover sua disseminação o legislador, como mencionado acima, previu quorum concessional.
Recite o quinto parágrafo do art. 26 l. 10/91:
Para as inovações relacionadas à adoção de sistemas de aquecimento e controle de calor e para conseqüente distribuição de custos de aquecimento com base no consumo real, a assembléia de condomínio decide por maioria, em derrogação dos artigos 1120 e 1136 do Código. civil.
Na prática, de acordo com o que é relatado no artigo, a decisão de adotar tais sistemas será válido se a resolução for aprovada por maioria dos participantes da assembléia.



Vídeo: