Instalações para a eliminação de barreiras arquitectónicas

Redução da taxa de IVA de 4%, contribuições do IRPEF e deduções (50% e 19%) para apoiar pessoas com deficiência ou membros da sua família que trabalham em suas casas.

Instalações para a eliminação de barreiras arquitectónicas

Trabalhar em casa para pessoas com deficiência e estrutura de benefícios

barriere architettoniche

Como a legislação atende às pessoas com deficiência forçadas a trabalhar em casa para a eliminação de barreiras arquitetônicas?
Intervenções de construção, como a restauração da casa de banho, a ampliação das portas para deixar passar a cadeira de rodas, a instalação de escadas rolantes e muitas outras, podem desfrutar de vantagens.
Existem benefícios de diferentes tipos: a redução da taxa do IVA, a prestação de contribuições e a possibilidade de efetuar deduções no IRPEF.

4% de IVA para eliminação de barreiras arquitectónicas

A realização de obras voltadas diretamente à superação ou eliminação de barreiras arquitetônicas prevê a aplicação de4% de taxa de IVA. É possível aplicá-lo para intervenções relativas a edifícios existentes e também para a compra de meios necessários para caminhar e levantar pessoas com deficiência (por exemplo, elevador de escadas) e também para ajudas técnicas e informativas destinadas a facilitar a auto-suficiência.
O IVA subsidiado de 4% é permitido apenas se o comprador for a pessoa com deficiência ou no máximo um membro da sua família. Para obtê-lo, o seguinte deve ser apresentado à empresa que deve faturar as obras. papers:
- certificado, emitido pela ASL competente, certificando a existência de uma invalidez funcional entre os 4 formulários admitidos (motor, visual, auditivo ou de linguagem);
- no caso de intervenções de construção, uma cópia do título de licença de construção emitido pelo Município, obviamente apenas se o tipo de intervenção exigir a apresentação de uma prática de construção municipal;
- no caso de ajudas técnicas e informáticas, prescrição específica emitida pelo médico especialista da ASL de afiliação, que mostra a relação funcional entre a deficiência e a subvenção.
Se você não quiser mostrar informações confidenciais para a empresa, você pode alternativamente sempre dar à empresa umAuto-declaração assinado pelo deficiente ou pelo membro da família em que o direito de beneficiar do IVA facilitado é estabelecido. Um exemplo de autodeclaração poderia ser o seguinte:
O abaixo assinado... nascido em... o.... C.F.... declara, sob a sua responsabilidade pessoal, que as obras destinadas diretamente à superação ou eliminação de barreiras arquitetônicas no edifício localizado em... via... realizada em conformidade com a lei de 9 de janeiro de 1989, n. 13 e do d. 14 de junho de 1989, n. 236 apresentam as características objetivas para poderem se beneficiar da aplicação da alíquota do IVA de 4% nas ofertas (ou subcontratos) faturadas, nos termos do n. 41-ter da Tabela A, Parte II, anexa à d.P.R. 26 de outubro de 1972, n. 633. Por conseguinte, o abaixo-assinado solicita a aplicação da taxa de IVA de 4% dentro dos limites aí especificados..
A autodeclaração é geralmente também ligada à autodeclaração cópia do título de permissão de construção, desde que o tipo de intervenção exija a apresentação de uma prática de construção municipal. No entanto, é aconselhável estar na posse de todos os outros documentos listados acima, que não serão entregues à empresa, mas que serão exibidos em caso de cheques.

Contribuições para a eliminação de barreiras arquitetônicas

o Lei 13/1989 introduziu a possibilidade de pedir contribuições para a eliminação de barreiras arquitectónicas em edifícios privados. A contribuição é uma quantia paga com base nas despesas efetuadas. Os próprios deficientes, os membros da família ou o condomínio onde reside a pessoa com deficiência têm direito a apresentar uma candidatura.

eliminazione barriere architettoniche: servoscala

O requerimento deve ser dirigido ao Prefeito do Município até 1 de março de cada ano e deve incluir a descrição das obras a serem realizadas, o atestado médico atestando o tipo de dificuldade motora e autocertificação em que a pessoa com deficiência declara que normalmente reside no prédio em que as obras serão realizadas. Para obter uma cópia do formulário a ser preenchido e qualquer esclarecimento sobre a prática, é aconselhável entrar em contato com os escritórios municipais.
O valor da contribuição será determinado pelos intervalos de gastos. Até € 2.582,28, a contribuição cobrirá a totalidade do montante, enquanto que, para montantes mais elevados, cobrirá apenas uma parte das despesas realmente incorridas.

50% dedução IRPEF para a eliminação de barreiras arquitectónicas

Para a renovação de edifícios em edifícios residenciais, é possível beneficiar de um dedução de irpef de 50% para ser calculado sobre um montante máximo de 96.000 €.
A categoria de intervenções facilitadas inclui a eliminação de barreiras arquitectónicas (por exemplo, a instalação de um elevador ou mesmo a substituição de degraus por rampas, desde que estas estejam tecnicamente em conformidade com as disposições relativas à eliminação de barreiras arquitectónicas) e também aquelas realizadas para a realização de ferramentas que, por meio da comunicação, robótica e quaisquer outros meios tecnológicos, sejam adequadas para favorecer a mobilidade interna e externa de pessoas com deficiências graves, conforme o art.3, § 3º, da lei n.104. de 1992.

detrazione 50% per eliminazione barriere architettoniche

É especificado que a dedução é fornecida apenas para facilitar a mobilidade da pessoa com deficiência dentro e fora do edifício. Não se aplica para a compra de instrumentos ou bens móveis (mesmo que visam favorecer a comunicação e mobilidade da pessoa com deficiência), tais como telefones de mãos livres, telas sensíveis ao toque, computadores ou teclados expandidos. Para estes ativos, no entanto, está prevista a dedução de 19% da Irpef, o que veremos no próximo parágrafo.
Os beneficiários da dedução de 50% são todos sujeitos passivos do IRPEF, proprietários ou proprietários do edifício (locatários, mutuários, etc.) ou membros da família coabitantes que apoiam os custos da intervenção. As modalidades e características da dedução são as mesmas que as aplicadas ao dedução relativa à recuperação do parque imobiliário existente.

Dedução IRPEF 19% para a eliminação de barreiras arquitetônicas

Existe também outro tipo de dedução, a que já referimos anteriormente, ou seja, o Dedução de 19% da IRPEF, que é permitido para despesas incorridas para a compra de:
- meios necessários para acompanhamento, locomoção, locomoção, elevação (por exemplo, elevador de escadas);
- Suporte técnico e de TI para auto-suficiência e integração (por exemplo, telefone viva-voz, tela de toque, teclado expandido).
A dedução IRPEF de 19% também é fornecida para outras intervenções, como a construção de rampas ou a adaptação do elevador para torná-lo adequado para acomodar a cadeira de rodas. No entanto, essas últimas intervenções também estão dentro da dedução de 50% descrita acima. Nestes casos, a dedução de 19% aplica-se apenas ao possível excesso da parte da despesa para a qual a dedução na renovação do edifício foi solicitada. As deduções de 50% e 19% não podem, portanto, ser combinadas nas mesmas despesas.

Contribuições concedidas pelas Regiões para a eliminação de barreiras arquitetônicas

Para além dos benefícios esperados a nível nacional, vale a pena mencionar contribuições fornecidas pelas regiões. Os regulamentos nesta área são diferentes e estão sujeitos a alterações. Portanto, antes de realizar o trabalho, será aconselhável perguntar sobre as últimas notícias em um centro de impostos, uma associação ou diretamente na região de referência.

Cumulabilidade das instalações

Como vimos, existem várias possibilidades de obter facilitações em intervenções destinadas a eliminar as barreiras arquitetônicas. Se a nossa situação pode cair sob as condições previstas por mais benefícios, é sempre bom verificar se é permitido coletá-los. Se não for concedido, teremos que escolher o mais adequado para o caso específico.



Vídeo: Elevador Domuslift: teste após instalação | Porteleva