Concess√Ķes fiscais para pessoas com defici√™ncia e a casa

A lei prevê incentivos fiscais para o benefício das pessoas com deficiência; vamos ver o que planejamos para facilitar a vida em casa.

Concess√Ķes fiscais para pessoas com defici√™ncia e a casa

Alívio Fiscal e Incapacidade

Ajuda com deficiência

A lei prevê uma série de benefícios fiscais em apoio aos portadores de deficiência.
Entre estes apenas alguns s√£o dedicados √† vida em casa; outros, em vez disso, visam incentivar a sa√≠da de casa, como incentivos fiscais para a ind√ļstria automobil√≠stica e c√£es-guia para cegos.
Depois, há outras facilidades que não estão intrinsecamente ligadas à vida em casa, mas cujos benefícios podem melhorar a qualidade de vida dentro e fora de casa, como despesas médicas e gastos com próteses.
Como sempre, vamos considerar o ponto de vista da habitação, por isso vamos mencionar apenas aqueles diretamente ou (incidentalmente), indiretamente relacionados à vida em casa.
Vamos falar sobre isen√ß√Ķes, dedu√ß√Ķes, dedu√ß√Ķes e contribui√ß√Ķes; portanto, para uma melhor compreens√£o do texto, esclarecemos, no que nos diz respeito, que dedu√ß√Ķes reduzir o rendimento sobre o qual o imposto ser√° calculado; as dedu√ß√Ķes reduzir o imposto j√° calculado; contribui√ß√Ķes eles s√£o a provis√£o de ajuda financeira.
Como sempre, nos referimos à leitura completa dos textos referidos e ao conselho de especialistas.

Descontos para deficientes: dedu√ß√Ķes da casa principal

O Artigo 10, co-3-bis, TUIR essencialmente prevê a deduçãoaté o montante do rendimento cadastral do casa principal e pertences relacionados, se a renda que eles produzem contribui para a formação da renda total.
√Č poss√≠vel usar a dedu√ß√£o tamb√©m em caso de transfer√™ncia para um instituto de hospitaliza√ß√£o ou sanit√°rio, desde que a propriedade n√£o seja arrendada; Esta facilita√ß√£o aplica-se a qualquer pessoa que esteja na situa√ß√£o prevista pela lei (a regra n√£o √© eslcusivamente dirigida a pessoas que se encontrem em estado de defici√™ncia).

Isenção de IMU e TASI

Como se sabe, oIMU e o TASI n√£o se aplicam a habita√ß√Ķes principais (exceto para as exce√ß√Ķes das classes A / 1, A / 8 e A / 9); a norma (art.13, D.L. 201/2011 para a IMU e para refer√™ncia ao TASI, art.1, co.669, 147/2013, como atualmente em vigor) tamb√©m

Os munic√≠pios poder√£o considerar diretamente como resid√™ncia principal a unidade im√≥vel de propriedade ou usufruto pelos idosos ou deficientes que adquiram resid√™ncia em institui√ß√Ķes de interna√ß√£o ou sa√ļde em decorr√™ncia de interna√ß√£o permanente, desde que n√£o seja alugado (Artigo 13, Decreto-Lei 201/2011).

.

Dedu√ß√Ķes para assist√™ncia espec√≠fica

Deficiente

eles são deduzível despesas incorridas para o despesas médicas e assistência específica

necessário em casos de incapacidade grave e permanente ou deficiência, respaldados pelos assuntos indicados no art. 3 da lei de 5 de fevereiro de 1992, n. 104 (Artigo 10, Decreto Presidencial 917/1986)

portanto, devem ser sujeitos que se enquadram na definição dos deficientes pelo

Lei-quadro de assistência, integração social e direitos das pessoas com deficiência (Lei 104/1992)

de acordo com o qual

√Č uma pessoa com defici√™ncia, que tem uma defici√™ncia f√≠sica, psicol√≥gica ou sensorial, estabilizada ou progressiva, que causa dificuldades na aprendizagem, relacionamentos ou integra√ß√£o no trabalho e que pode resultar em um processo de desvantagem social ou marginaliza√ß√£o (ver Artigo 3)., Lei 104/1992)

De acordo com o ajudar do Inland Revenue dedicado às despesas específicas de assistência para:

- assistência de enfermagem e reabilitação - os serviços prestados pelo pessoal com a qualificação profissional de um trabalhador de cuidados básicos ou um operador de assistência técnica (se eles são exclusivamente dedicados à assistência direta da pessoa) - os serviços prestados pelo pessoal de coordenação de atividades de atenção básica, daquelas com qualificação de educador profissional, de pessoal qualificado envolvido em animação e terapia ocupacional. (Guia 2017 renda de inaptidão de imposto quebra Agência)

Os custos incorridos como resultado de at√© ‚ā¨ 3.000 tamb√©m s√£o dedut√≠veis contribui√ß√Ķes

para os encarregados de serviços domésticos e de assistência pessoal ou familiar (ver Artigo 10, Decreto Presidencial 917/1986)

Dedu√ß√Ķes para despesas de sa√ļde, meios de assist√™ncia

Artigo. 15 do TUIR prev√™ que eles s√£o deduz√≠vel para uma percentagem de 19% le despesas de sa√ļde, para a parte que excede ‚ā¨ 127,11.
Estas são as despesas médicas e assistência específica, diferentes daquelas dedutíveis (mas também são

despesas cir√ļrgicas, para servi√ßos especializados e para pr√≥teses dent√°rias e de sa√ļde em geral (ver Artigo 15, Decreto Presidencial 917/1986)

Assistência para pessoas com deficiência


Eles são ao invés deduzível por 19% doscompleto quantidade suportada

Despesas relativas aos meios necess√°rios para acompanhamento, caminhada, locomo√ß√£o e eleva√ß√£o, e para auxiliares t√©cnicos e de inform√°tica visando facilitar a auto-sufici√™ncia e a possibilidade de integra√ß√£o dos assuntos referidos no art. 3 da lei de 5 de fevereiro de 1992, n. 104 (ver artigo 15.¬ļ do Decreto Presidencial 917/1986)

(por exemplo, compra de poltronas, construção de rampa, adaptação de elevador, mas também fax, computador, tela sensível ao toque, etc.).
Uma previsão separada é dedicada aos serviços de intérprete para pessoas surdas (ver Artigo 15 cit.).

Auxílio ambulante


Eles também são deduzível

as despesas, por um valor n√£o superior a 2.100 euros, incorridas para assist√™ncia de pessoal em caso de n√£o auto-sufici√™ncia na realiza√ß√£o das a√ß√Ķes da vida quotidiana, se o rendimento total n√£o exceder 40.000 euros (ver Artigo 15, Decreto Presidencial 917 / 1986)

Eles também são deduzível

Prêmios de seguro para o risco de morte ou invalidez permanente de não menos de 5% de qualquer causa resultante, ou não-auto-suficiência na realização de atos cotidianos, se a companhia de seguros não tem o direito de rescindir o contrato (ver Artigo 15, Decreto Presidencial 917/1986)

Atualmente, os limites são 530 euros e 1.291,14 euros (líquidos de prêmios de seguros para o objeto do risco de morte ou invalidez permanente) para aqueles que cobrem o risco de não auto-suficiência no desempenho de atos cotidianos.
A partir de 2016 é de 750 euros o montante dedutível para prémios pagos por apólices de seguro, para proteger pessoas com deficiências graves que cobrem o risco de morte (ver artigo 15 cit.).
Para estes fins, a deficiência é definida sério quando a minoria da qual a pessoa com deficiência é afetada

singular ou m√ļltipla, reduziu a autonomia pessoal, relacionada com a idade, de modo a tornar necess√°ria uma interven√ß√£o de assist√™ncia permanente, permanente e global na esfera individual ou na esfera de relacionamento, a situa√ß√£o assume uma conota√ß√£o de gravidade (ver Artigo 3, co.3, L. 104/1992)

Concess√Ķes de IVA

Eles est√£o sujeitos aIVA facilitado o 4% (em vez de 22%):

aparelhos ortop√©dicos (incluindo cintos m√©dico-cir√ļrgicos); objetos e aparelhos para fraturas (chuveiros, ripas e semelhantes); objetos e aparelhos para pr√≥tese dent√°ria, oftalmol√≥gica e outras; dispositivos para facilitar a audi√ß√£o dos surdos e de outros dispositivos a segurar na m√£o, para serem usados ‚Äč‚Äčna pessoa ou para serem inseridos no corpo, para compensar uma defici√™ncia ou uma enfermidade (ver DPR 633/1972)

portanto, também a compra de meios de assistência e assistência técnica e de informática, como fax, computador, telefone de voz, etc.; mas também aparelhos de caminhada, como poltronas também com motor e elevadores e

atos semelhantes para superar as barreiras arquitet√īnicas para indiv√≠duos com habilidades motoras reduzidas ou prejudicadas (ver DPR 633/1972)

Eles também se beneficiam deIVA facilitado o

Presta√ß√£o de servi√ßos dependentes de contratos para a constru√ß√£o de obras destinadas diretamente √† supera√ß√£o ou elimina√ß√£o de barreiras arquitet√īnicas (ver DPR 633/1972)

e o

servi√ßos sociais e de sa√ļde, educacionais, incluindo os de cuidados domiciliares ou ambulatoriais ou comunit√°rios e similares ou onde quer que sejam prestados, em favor de idosos e adultos com defici√™ncia (ver DPR 633/1972)

Mesma taxa para a compra de produtos de publicação pelos cegos.

Elimina√ß√£o de barreiras arquitet√īnicas

As interven√ß√Ķes para a elimina√ß√£o do barreiras arquitet√īnicas √© uma das interven√ß√Ķes para as quais os chamados s√£o planejados dedu√ß√Ķes para renova√ß√Ķes IRPEF (ver artigo 16-bis, Decreto Presidencial 917/1986).

Eliminação da barreira arquitectónica


A dedu√ß√£o √© normalmente fixada em 36% e at√© um montante total de 48.000 euros, salvo disposi√ß√Ķes especiais e limitadas no tempo: L. Or√ßamento 2017 a dedu√ß√£o √© (tamb√©m para este ano, isto √©, at√© 31 de dezembro de 2017, exceto para casos especiais relacionados √†s obras para o ajuste s√≠smico) do 50% at√© um montante total de despesas em euros 96.000.
Deve ser sobre interven√ß√Ķes

visando a elimina√ß√£o de barreiras arquitet√īnicas, relativas a elevadores e elevadores de carga, √† realiza√ß√£o de qualquer instrumento que, atrav√©s de comunica√ß√£o, rob√≥tica e qualquer outro meio de tecnologia avan√ßada, seja adequado para favorecer a mobilidade interna e pessoas com defici√™ncia em situa√ß√£o de gravidade... (ver artigo 16-bis do Decreto Presidencial 917/1986)

A dedução é dividida em dez compartilhamentos contas anuais do mesmo montante.
O escopo n√£o inclui a simples compra de ferramentas - como telefones ou computadores, que, no entanto, j√° se beneficiam da dedu√ß√£o de 19% -, mas devem ser interven√ß√Ķes reais.
Em qualquer caso, as duas dedu√ß√Ķes n√£o podem ser usadas simultaneamente com refer√™ncia √†s mesmas despesas.

Facilitação em sucessão e doação de imposto

Outro benefício é aquele relacionado aimposto sobre herança ou doação.
Imposto - atualmente governado pelo Decreto Legislativo 346/1990 - se o beneficiário for uma pessoa com deficiência grave, ele / ela deve ser pago somente se o valor de 1.500.000 euros for excedido (de acordo com o artigo 2, co.49-bis, DL 262/2006) da ação ou doação.. Basicamente, portanto, a maioria das pessoas gravemente incapacitadas não é obrigada a pagar o imposto.
L 'desvantagem consiste em:

uma minoria, que é causa de dificuldades de aprendizagem, de relação ou de integração no trabalho, e para determinar um processo de desvantagem ou marginalização social (ver Lei 104/1992)

O handicap √© ent√£o reconhecido s√©rio nos termos da lei de 5 de fevereiro de 1992, n. 104 pelas autoridades locais de sa√ļde quando a minoria marginalizada

reduziu a autonomia pessoal, relacionada à idade, de modo a tornar necessária uma intervenção permanente, contínua e global de assistência na esfera individual ou na esfera do relacionamento, a situação assume uma conotação de gravidade (ver Lei 104/1992).

o L. 112 de 2016tamb√©m conhecido como Lei dopodinoi, na ocorr√™ncia de uma s√©rie de condi√ß√Ķes, ele ent√£o providenciou aisen√ß√£o do imposto sobre heran√ßa e doa√ß√Ķes de bens e direitos conferidos em confian√ßa ou onerados por restri√ß√Ķes de destino nos termos do art. 2645-bis c.c. o destinado a fundos especiais em favor de pessoas com defici√™ncias graves de acordo com a mesma Lei 112.
Isen√ß√Ķes e facilita√ß√Ķes s√£o permitidas condi√ß√£o que essas institui√ß√Ķes buscam

como propósito exclusivo a inclusão social, o cuidado e a assistência de pessoas com deficiências graves, a favor das quais são estabelecidas (ver Lei 112/2016)

e aquele dito propósito é indicado no ato de confiança (para fundos especiais, no regulamento).
No caso de transfer√™ncias de propriedade e direitos em favor de fundos fiduci√°rios, fundos especiais ou restri√ß√Ķes de destino, os impostos de registro, hipoteca e registro de im√≥veis s√£o aplicados em uma extens√£o fixa.
Para cada detalhe, as regras s√£o numerosas, por favor, consulte o texto completo da lei 112.

Contribui√ß√Ķes para a elimina√ß√£o de barreiras arquitet√īnicas

Sem considerar os benef√≠cios previdenci√°rios e previdenci√°rios e as contribui√ß√Ķes feitas pelos √≥rg√£os dedicados (entre eles, o atendimento domiciliar premium, a contribui√ß√£o do INPS para quem cuida do familiar deficiente), mencionamos os previstos Lei 13 de 1989

Disposi√ß√Ķes para facilitar a supera√ß√£o e elimina√ß√£o de barreiras arquitect√≥nicas em edif√≠cios privados (Lei 13/1989)

estas s√£o subven√ß√Ķes para despesas incorridas

Para a realiza√ß√£o de obras diretamente destinadas a superar e eliminar barreiras arquitet√īnicas em edif√≠cios existentes, mesmo se eles foram constru√≠dos em centros residenciais ou institutos de assist√™ncia (ver Lei 13/1989)

Estas contribui√ß√Ķes variam de acordo com o montante das despesas e s√£o distribu√≠das anualmente entre as regi√Ķes requerentes.
A candidatura deve ser apresentada em nome do deficiente dentro do 31 de março de cada ano anexa a descrição das obras e as despesas esperadas, o atestado médico atestando a deficiência e a declaração substitutiva da escritura de notoriedade da qual deve resultar a colocação da habitação e a dificuldade de acesso.
Lembre-se que de acordo com o Decreto Presidencial 503/1996 eles s√£o barreiras arquitet√īnicas:

a) obstáculos físicos que são uma fonte de desconforto para a mobilidade de qualquer pessoa e, em particular, aqueles que, por qualquer motivo, têm uma capacidade física reduzida ou impedida de forma permanente ou temporária; b) obstáculos que limitam ou impedem qualquer pessoa do uso conveniente e seguro de espaços, equipamentos ou componentes; c) a falta de truques e advertências que permitam a orientação e o reconhecimento de lugares e fontes de perigo para qualquer pessoa e, em particular, para os cegos, para os deficientes visuais e para os surdos. (ver Decreto Presidencial 503/1996).



V√≠deo: BenefiŐĀcio LOAS pode ser restabelecido para pessoa com deficieŐāncia que eŐĀ demitida