Atividade fiscal do administrador do condomínio

O administrador do condomínio, como representante legal dos condomínios, deve realizar a atividade tributária referente à gestão do prédio em um condomínio.

Atividade fiscal do administrador do condomínio

Relação entre administrador e condomínio

O administrador do condom√≠nio representa um escrit√≥rio de direito privado semelhante ao mandato com representa√ß√£o: com a conseq√ľente aplica√ß√£o, nas rela√ß√Ķes entre o administrador e cada um dos condom√≠nios, das disposi√ß√Ķes sobre o mandato (assim, entre os muitos, Cass. SS.UU. n. 9148/08).

Attività fiscale

Esta é a definição do relação jurídica que se estabelece entre administrador e condomínio no momento da aceitação da nomeação (ou no momento da nomeação como consequência da aceitação da estimativa).
A aplicabilidade das regras relativas ao mandato foi confirmada pelo reforma do condomínio que modificando a arte. 1129 c.c. ele inseriu uma referência específica (ver artigo 1129, décimo quinto parágrafo, c.c.).
Então o agente dos condomínios é o administrador, ou o pessoa agindo com a finalidade de gerenciar as partes comuns do edifício, em nome e em nome do primeiro e com a possibilidade de passar o seu nome.
Gastar do nome, ou seja, a possibilidade de o administrador escrever dizendo em nome e em nome do condomínio Alfa, localizado em Gamma, etc. etc.

Atribui√ß√Ķes do administrador

√Č nesse contexto jur√≠dico, portanto, que as regras contidas no art. 1130 c.c. sobre as atribui√ß√Ķes do administrador, ie i poderes e deveres colocados no mandato diretamente da lei.
Em algumas ocasi√Ķes em que o Supremo Tribunal ela foi convidada a comentar sobre a fun√ß√£o do administrador (e, portanto, sobre suas atribui√ß√Ķes) afirmou que a ess√™ncia das fun√ß√Ķes do diretor est√° intrinsecamente ligada ao poder de decis√£o da reuni√£o: √© a assembl√©ia o √≥rg√£o decis√≥rio do condom√≠nio e o √≥rg√£o respons√°vel por tomar decis√Ķes sobre a administra√ß√£o do mesmo, enquanto o administrador desempenha um papel de mero executor material das delibera√ß√Ķes adotadas na assembl√©ia.

Attività fiscale amministratore

Nenhum poder de decisão ou gestão pertence ao administrador do condomínio como tal (ao contrário do que acontece nas empresas, tanto em termos de pessoas como de capital, onde o gestor possui poderes administrativos adequados) (Cass. 7 de março de 2013, n. 5761).
√Č um 'afirma√ß√£o que s√≥ pode ser compartilhada em parte: o administrador, na realidade, tem o poder / dever de agir ex officio, ou seja, sem entrada para a assembl√©ia.
Pense nos poderes de disciplina do uso e operação de coisas comuns (por exemplo, regulamentos de estacionamento, tempo de ignição de aquecimento, uso de contas correntes, etc.).
Entre os atribui√ß√Ķes reconhecidas por lei, que est√° entre as tarefas que o administrador deve cumprir sem esperar pelas indica√ß√Ķes da assembl√©ia (que em alguns casos, de que falaremos a seguir, n√£o pode proibir o cumprimento sob pena de nulidade da resolu√ß√£o conexa) existe a atividade fiscal.

Deveres fiscais do administrador

Alguns exemplos de atividade fiscal que o administrador é obrigado a cumprir.
Recite oart. 25 ter do d.p.r. n. 600/73:
O condomínio como um imposto substituto atua no momento do pagamento de um imposto retido na fonte de 4% por conta do imposto de renda devido pelo recebedor, com a obrigação de recurso, sobre os honorários devidos por serviços relacionados a contratos de obras ou serviços, mesmo se feita a terceiros ou no interesse de terceiros, realizada no exercício de um negócio.
A retenção na fonte a que se refere o parágrafo 1 também será aplicada se os honorários forem classificados como renda diferente de acordo com o Artigo 67, parágrafo 1, letra i) da Lei Consolidada do Imposto de Renda, conforme o Decreto Presidencial de 22 de dezembro 1986, n. 917.
Este é o chamado imposto retido na fonte que o administrador é obrigado a pagar o mais tardar no dia 15 do mês seguinte àquele em que o pagamento foi feito.
E novamente o modelo 770 (vide artigo 4 ¬ļ do Decreto Legislativo n ¬ļ 435 de 2001), ou seja, que a comunica√ß√£o que cont√©m informa√ß√Ķes sobre as opera√ß√Ķes sujeitas √† reten√ß√£o que os substitutos fiscais (com os diretores em nome e em nome do condom√≠nio) deve realizar.
E novamente o Quadro AC (Artigo 7¬ļ, nono par√°grafo, do Decreto Legislativo n¬ļ 605/73) e as actividades necess√°rias para obter o benef√≠cios fiscais relacionando, por exemplo, com a reestrutura√ß√£o das partes comuns.
Lembre-se, ent√£o, da transfer√™ncia do c√≥digo fiscal do condom√≠nio apenas sob gest√£o (veja o decreto n√ļmero 605/73).
em resumo o ativo fiscal do administrador do condom√≠nio Refere-se a todas as atividades com relev√Ęncia fiscal e tribut√°ria que o conselheiro √© obrigado a implementar porque √© imposta por lei ou pela assembl√©ia geral.
Finalmente, a atividade fiscal pode ser objeto de um item de compensação específico, cuja lista detalhada deve ser apresentada sob pena de nulidade, no momento da nomeação e renovação (cf. art. 1129, décimo quarto parágrafo, c.).



Vídeo: Qual é o papel da administradora de condomínios?