Mesas Millesimal em condomínio

As mesas milésimas são uma ferramenta indispensável para o correto gerenciamento do condomínio. Como eles aprovam? Como eles mudam? O que acontece se eles estão faltando?

Mesas Millesimal em condomínio

Conceito e função das tabelas millesimais

Tabelas milésimas

O que são e para que servem mesas milésimas?
As tabelas milésimas são as documento anexo ao regulamento do condomínio em que o valor da unidade imobiliária é representado em comparação com as partes comuns que é expresso em milésimos e que serve para a alocação de despesas e o funcionamento da assembleia.
Durante muito tempo foi duvidoso se a mesa deveria ser considerada loja de avaliação do valor da unidade imobiliária ou informação numérica simples de um valor já existente e, em qualquer caso, não um acidente sobre a lei dominicana, mas apenas sobre os aspectos gerenciais da estrutura.
o Seções unidas do Supremo Tribunal de Cassação, com o sentença n. 18477 de 9 de agosto de 2010, pôs fim à disputa, optando por esta segunda hipótese. Veremos mais adiante que essa escolha, em substância implementada pela reforma do condomínio, tem algumas reflexões em relação às maiorias necessárias para aaprovação e revisão das tabelas milésimas.

Taxas de condomínio e milésimas tabelas

Com respeito à comunhão, instituto no qual é lei (artigo 1101 c.c.) prever uma igualdade de presunção das cotas de propriedade de todos os comunistas com a consequência de que as despesas a serem sustentadas devem ser igualmente divididas, no condomínio i custos de gestão e conservação das partes comuns deve ser subdividida proporcionalmente ao valor das unidades imobiliárias (artigo 1123 do Código Civil).

Aprovação das tabelas millesimais

Foi dito que dentro da doutrina e jurisprudência, há muito tempo tem havido debate sobre a natureza das mesas milésimas: loja para apurar o valor da unidade imobiliária ou simples resultado de uma operação de cálculo técnico não incidente sobre o direito real?
Por muitos anos a primeira hipótese foi a dominante com o seguinte resultado: as tabelas milésimas devem ser aprovado e pode ser alterado, seja qual for a causa que leva à revisão, com o consentimento de todos os condomínios ou no máximo com Julgamento da Autoridade Judicial no tribunal que viu o envolvimento de todos os condòmini; até hoje, veremos mais adiante, o envolvimento de todos os condôminos parece necessário apenas para aprovação.
O contraste, como já aconteceu com relação aos condomínios, foi resolvido pelas Seções Unidas do Supremo Tribunal de Cassação. Estes, correu o ano de 2010, com a sentença n. 18477 aceitou a orientação até então minoritária e afirmou que as tabelas milésimas poderiam ser aprovadas (e revisadas) pela assembléia majoritária e especificamente com o voto favorável da maioria das intervenções na reunião e pelo menos metade do valor milésimo do edifício. As razões dadas foram quase o seguinte:
a) as tabelas são Anexo ao regulamento;
b) eles eles não afetam o direito de propriedade mas apenas sobre a participação no condomínio em uma medida que não é identificada pelo editor técnico a pedido das partes (nesse caso a tabela seria contratual e como tal exigindo o consentimento de todos os condomínios) mas já existente desde o estabelecimento da estrutura;
c) ao editor do mesmo não há tarefa criativa mas apenas o de tornar um dado existente inteligível.
Um sublinhado parece ser necessário: que milésimos usar para contar os necessários para sua aprovação? Parece um cão mordendo o próprio rabo, porque não há milésimos e pelo menos 500 milésimos são necessários para sua aprovação. Resposta: de acordo com o escritor, os mesmos milésimos a serem aprovados são tomados como ponto de partida, uma vez que nada é criado com eles, mas simplesmente a validade de uma operação de cálculo é reconhecida.

Aprovação de tabelas milésimas

Para o formação das tabelas millesimais não é obrigatório entrar em contato técnico como a lei não reserva esta atividade para uma figura profissional específica. Em qualquer caso, considerando as operações necessárias para um elaboração correta é útil fazê-lo.
Com relação à aprovação das tabelas, o legislador da reforma não estabeleceu nada para que o raciocínio das Seções Unidas deva ser considerado válido e efetivo com uma exceção: tabelas que não refletem os critérios legais (isto é, aqueles que podem ser considerados como comumente assumidos como indicadores computacionais) devem ser considerados convenção diferente nos termos do art. 1123, primeiro parágrafo, c. e como tal aprovado com o consentimento de todos os condòmini.
o custo para a elaboração das milésimas tabelas deve ser distribuído entre todos os condomínios de acordo com os milésimos de propriedade, salvo acordo em contrário.
A lei, ao contrário do caso de revisão, não diz nada sobre a participação no julgamento ativado para a aprovação das tabelas: devem participar todos os condomínios ou é suficiente mencionar o administrador? Se as mesas forem consideradas ato que tenha relevância para a mera gestão do condomínio sem afetar o direito de propriedade (indicação decrescente da sentença nº 18477 das Seções Unidas) mesmo para a aprovação deverá bastar a intimação no julgamento do único administrador. Finalmente, dentro da jurisprudência, não faltam julgamentos sobre a possibilidade de revisão facta conclusentia, as tabelas milésimas.

Revisão das tabelas milésimas

O discurso não é muito diferente no que diz respeito à mudança dos milésimos: o trabalho do legislador da reforma enfocou particularmente este tópico.
L 'art. 69 avail. att. código comercial. especifica que o revisão mesas podem ser feitas por maioria e também no interesse de um único condomínio:
a) quando se verifica que são uma consequência de um erro (por exemplo, o técnico fez erros de cálculo);
b) quando, para o condições alteradas de uma parte do edifícioComo resultado da superelevação, aumento de áreas ou aumento ou diminuição de unidades imobiliárias, o valor proporcional da unidade imobiliária, mesmo de um único condomínio, é alterado para mais de um quinto.
Mente: neste último caso a votação por maioria nem sempre é possível, em vez disso, considerada legítima se o desvio do valor milésimo da unidade imobiliária após as condições alteradas do edifício se desvia mais de um quinto do original. exemplo: Tizio possui uma unidade imobiliária que representa 100 milésimos. Ele fecha uma parte do terraço no nível: se essa mudança levar a um aumento em milésimos que não exceda o valor total de 120, a revisão da maioria não é possível, caso contrário, sim.
Em casos como esses, especifique o art. 69 avail. att. cc, o custo relativo é suportado por quem deu origem à variação.
Nos casos diferentes dos acima mencionados, a revisão das tabelas milésimas só pode ocorrer com o consentimento de todos os condomínios.
A intenção do legislador é clara: a revisão de milésimos substancialmente corretos só pode ser considerada uma modificação dos critérios para a alocação de despesas legais, que, como tal, requer o consentimento de todos os participantes do condomínio.
o causa para revisão judicial das tabelas, comparado ao passado, pode acontecer simplesmente por questionar o administrador do condomínio, que, sob pena de possível revogação judicial, deve informar imediatamente a assembléia do evento (vide art. 69, segundo parágrafo, art..

Falta de tabelas

O que acontece se um condomínio é faltando mesas milésimas?
como puxar para frente até quando a assembléia ou em qualquer caso a Autoridade Judicial não aprova?
De acordo com o jurisprudência, a montagem pode deliberado por maioria (claramente apenas as pessoas e não as quotas são contadas) uma distribuição provisória dos encargos contributivos (por exemplo, em partes iguais) que é válida até a aprovação das tabelas milésimas, com indicação explícita de que, uma vez presentes, as quotas até então pagas estará sujeito a revisão e, portanto, ajuste (ver neste sentido Cassação No. 8505 de 22/4/05 e Cass. 24670/06)
Esta possibilidade - afirma o Tribunal de Roma - encontra sua justificativa na necessidade de que, mesmo na ausência de tabelas formais, o Condomínio possa prever a gestão normal dos bens comuns por meio de pagamentos cujo porte, para cada condomínio, é provisório (Trib. Roma 22 de junho de 2009 n. 13834)

Mesas milésimas incorretas e reembolso de taxas de condomínio

O que acontece com os compartilhamentos já pagos se as tabelas millesimal estiverem erradas?
De acordo com o Tribunal de Cassação (cf. enviado. 10 de março de 2011 n. 5690), embora a revisão das tabelas não tem efeito retroativo, não pode impedir o condomínio de agir contra o condomínio que pagou menos com uma ação de enriquecimento indevido.
É claro que esta declaração do stoats também deve ser considerado válido pela hipótese contrária (ou seja, ação do condomínio contra a equipe). De fato um reembolso das ações pago.

Mesas Supercondomínio e milésimo

no Super condomínio, jurisprudência disse, agora é a reforma do condomínio que a estabeleceu (ver artigo 1117-bis c.c.), na medida compatível, as regras estabelecidas para o condomínio são aplicáveis.
Daí resulta que mesmo os supercondominianos aplicam as regras (e os princípios da jurisprudência até agora expressos) sobre a aprovação e revisão das tabelas milésimas.



Vídeo: