Sistema de aquecimento do condomínio, comissionamento, verificação e alocação de despesas

O sistema de aquecimento do condomínio, como todos os sistemas de aquecimento, deve estar em conformidade com os regulamentos precisos relativos ao comissionamento e manutenção.

Sistema de aquecimento do condomínio, comissionamento, verificação e alocação de despesas

Comissionamento e operação do sistema de aquecimento

Sistema de aquecimento

Dependendo das √°reas geogr√°ficas, a necessidade de ser repetida em breve iniciar o sistema de aquecimento.
Muitos cond√≤mini ainda mant√™m um sistema centralizado que, nos termos do art. 1117 do C√≥digo Civil, deve ser considerado um bem comum. O comissionamento da f√°brica requer uma s√©rie de precau√ß√Ķes e traz consigo um conjunto de problemas que valem a pena investigar.
Tudo pode ser resumido em quatro perguntas simples:
a) quem é o responsável a planta?
b) para qual controles O implante deve ser submetido?
c) quando é possível interruptor o sistema de aquecimento?
d) como dividir le despesa manutenção e operação do sistema de aquecimento?
A identifica√ß√£o do assunto sobre o qual a responsabilidade pela condu√ß√£o dosistema de aquecimento √© de import√Ęncia fundamental n√£o s√≥ para efeitos de imputa√ß√£o de responsabilidades, mas tamb√©m para compreender quem √© obrigado a agir para cumprir as obriga√ß√Ķes impostas pelas regras.
A legislação pertinente sobre este assunto está quase inteiramente Decreto presidencial n. 412/93 e no próximo Decreto presidencial n. 74/2013.
A lei identifica a figura do respons√°vel pelo sistema em quem √© propriet√°rio, no todo ou em parte, do sistema de aquecimento; No caso de edif√≠cios com sistemas de aquecimento centralizado administrados num condom√≠nio e no caso de outros sujeitos que n√£o sejam pessoas singulares, as obriga√ß√Ķes e responsabilidades impostas ao titular deste regulamento devem ser entendidas como referindo os Administradores. (art. 1, lett. j, d.p.r. 412/93).
Isso significa que oadministrador do condomínio deve garantir que o sistema de aquecimento centralizado esteja sempre funcionando bem, garantindo o funcionamento adequado e a manutenção adequada.
Para osistema de aquecimento do condom√≠nio, como tamb√©m para outros sistemas de aquecimento (com algumas exce√ß√Ķes, ver Decreto Presidencial No. 74/2013) a opera√ß√£o, a gest√£o, o controle, a manuten√ß√£o do sistema de aquecimento e o cumprimento da lei podem ser delegados a um terceiro que deve atender aos requisitos da lei. (Cfr. art. 6 d.p.r. n. 74/2013).
O que eles consistem opera√ß√Ķes de manuten√ß√£o?
A mesma arte 1 do d.p.r. 412/93, ao p√© da letra n, ele diz com os termos exerc√≠cio e manuten√ß√£o, pretendemos nos referir a um complexo de opera√ß√Ķes que envolve Assumir a responsabilidade pela gest√£o das instala√ß√Ķes, incluindo: gest√£o, manuten√ß√£o e controlo ordin√°rio e extraordin√°rio, em conformidade com os regulamentos de seguran√ßa, a conten√ß√£o do consumo de energia e a protec√ß√£o do ambiente..

Aquecimento do condomínio

Para recapitular:
na área do condomínio o gerente da planta deve ser identificado no administrador do condomínio; este assunto pode delegar a tarefa de exercer e manter este bem comum a um terceiro responsável por assegurar seu funcionamento adequado.
Periodicamente, ser√° necess√°rio sujeitar a planta ao chamado revis√£o. A frequ√™ncia desta opera√ß√£o varia de acordo com o tipo de sistema e as instru√ß√Ķes do sistema (ver DP n¬ļ 74/2013).
Diferente das revis√Ķes peri√≥dicas √© o controle da efici√™ncia energ√©tica da planta, que deve ser executado de acordo com o prescrito pelo inv√≥lucro A para o d.p.r. n. 74 de 2013 e, portanto, dependendo da pot√™ncia da planta com uma frequ√™ncia vari√°vel entre um e quatro anos.
O resultado dos controlos e toda a documentação relativa aos mesmos devem ser anexados ao livreto de plantas. A verificação da exatidão dos controlos cabe às autoridades locais (municípios ou províncias) também através de organismos externos com competência técnica específica.

Período de ignição do sistema de aquecimento do condomínio

o período de ignição do sistema de aquecimento não é o mesmo em todo o território nacional.
A conformação geográfica particular do nosso país sugeriu ao legislador calibrar este período e a duração diária da ignição em relação à várias áreas geográficas, que são chamadas as zonas climáticas a que pertencem (ver Lei 10/91 e p. 412/93).
Quem decide quanto tempo deve ser deixado no sistema?
A escolha pode ser ditada, em ordem:
a) de regulação condomínio;
b) demontagem;
c) deadministrador.
um exemplo esclarecer o conceito: assumir que em uma área do nosso país é permitido manter a usina operando durante oito horas por dia.
Neste ponto, a decisão sobre como explorar esse intervalo de tempo pode estar contida no regulamento do condomínio; na ausência de tais regras, pode ser decidido pela assembléia e, no caso de silêncio dessas duas fontes, caberá ao administrador decidir, como é antigo art. 1130 c.c. a disciplina do uso de coisas comuns.
Uma vez que a usina seja colocada em operação, envolverá a assunção de despesas que deverão ser enfrentadas pelos condomínios.
Como eles devem ser restart essas despesas?

Repartição das despesas do sistema de aquecimento

Novamente, neste caso, devemos primeiro nos referir ao regulamento do condom√≠nio, que, se de origem contratual, podem conter disposi√ß√Ķes derrogat√≥rias do quadro legal.
Qual é a disciplina legal?
O método de alocação de custos de aquecimento, na ausência de acordo entre todos os condomínios, é aquele previsto pelo art. 1123, primeiro parágrafo, c.c.
Muitas vezes, no entanto, no consultório formação das tabelas millesimais são elaboradas as tabelas de aquecimento que permitem a parametrização das despesas para os indicadores de consumo.
Em suma, a tabela expressa um valor que permite avaliar o impacto de certas características da unidade imobiliária (tamanho, radiadores, etc.) no consumo de combustível em relação à unidade habitacional.
Mente: em vigor a partir de janeiro de 2017 Todos os condom√≠nios em que um sistema de aquecimento central est√° presente devem ser equipados com um sistema de contabilidade de calor que, atrav√©s da aposi√ß√£o de especifica√ß√Ķes v√°lvulas termost√°ticas, permite uma reparti√ß√£o dos custos operacionais da planta com base no uso real do mesmo pelo cond√≤mini individual.



Vídeo: