Tempos de ligação do aquecimento central

Aquecimento centralizado em um condomínio: quais são as regras relativas ao estabelecimento de horários e requisitos em relação à contabilidade de calor.

Tempos de ligação do aquecimento central

Conflitos para aquecimento de condomínios

Aquecimento do condomínio

Com o começo do período frio chegar, pontual como as estações para marcar o nosso tempo, os problemas relacionados tempos de comutação de aquecimento em condomínios.
Quem quer mais, quem por menos tempo; quem está em casa de manhã, quem acorda cedo, quem é velho, quem está sem sono, quem veste um suéter pesado e bebe chá quente de ervas, que fica exposto ao norte, que trocou as instalações, que no inverno se move em Santo Domingo, que é ambientalista e alguém que é namorado.
Há algo para todos!
O único denominador comum é que todos nós não gostamos de estar sujeitos a decisões majoritárias, especialmente neste assunto.
Basta dizer que apenas duas pessoas colocam na mesma sala, mesmo que marido e mulher, discutam o aquecimento no quarto, mesmo no quarto.
Também discutimos quantos cobertores usar, quanto mais o que acontece em um condomínio inteiro, entre pessoas que nem sempre se amam!
O tema é muitas vezes uma questão de debate, por isso deve ser tratado em detalhe.
Em seguida, fazemos a situação situação, também mencionando as regras em matéria de contabilidade de calor.

Aquecimento independente em condomínio

o reforma do edifício tem evitado em parte o problema das brigas por aquecimento favorecendo o aquecimento autônomo.
De fato, seguindo a Lei n. 220/2012 agora a arte. 1118, parágrafo 4 c.c. prevê que: «O condomínio pode renunciar ao uso do sistema centralizado de aquecimento ou ar condicionado, se não houver desequilíbrios operacionais significativos ou aumento de despesas para os demais condomínios.

Horas de economia de energia, aquecimento independente


Neste caso, o árbitro continua obrigado a contribuir apenas com os custos da manutenção extraordinária da usina e pela sua conservação e cumprimento da lei »
.
A lei incorpora o landfall já alcançado pela jurisprudência.
A regra aplica-se caso contrário, não é estabelecido pelo regulamento condomínio contrato: se o regulamento prevê uma proibição de afastamento do ponto, o condómino que deseja separar deve obter da assembléia uma modificação do mesmo regulamento votado unanimemente por condomínios.

Aquecimento central em condomínio

Calendário de aquecimento, condominio

Em vez disso, em casos de aquecimento centralizada o conflito em tempos de comutação Resta.
Então vamos ver quais são os limites lei dentro da qual os condomínios podem tomar decisões sobre o assunto.
Necessidades de economia de energia ter certeza de que na matéria foram introduzidos limites reais.
Isso, como todos os assuntos ligados a serviços comuns em condomínios, está sujeito à regulamentação, bem como às decisões da assembleia de acionistas e, em última instância, em caso de falhas, à decisão do administrador.

Tempo de ignição de aquecimento, a lei

Vejamos, em primeiro lugar, o que o texto normativo de referência diz, essencialmente a Decreto presidencial n. 412/1993, prestando especial atenção ao aquecimento do condomínio.
Em particular, o art. 2 divide o território nacional em seis zonas climáticas e o art. 9 do referido DPR estabelece, para as seis zonas, o período do ano e o número de horas por dia em que o aquecimento pode ser ativado.
A todos. A do referido D.P.R. inclui em cada uma das categorias mencionadas cada um dos municípios do Talian.
Também é especificado que o duração de ativação das plantas deve estar entre as 5 e as 23 horas (com excepção da zona F, para a qual não há limites nem para o período nem para horas); a duração também pode ser dividida em duas ou mais seções.

Aquecimento de acessão Milan exemplo de condomínio


Os limites de tempo e período podem ser excedido apenas na presença de condições climáticas que justifiquem o exercício e, em qualquer caso, com uma vida diária não superior à metade da permitida em plena capacidade (ver Artigo 9, parágrafo 2).
Para alguns usinas térmicas (indicado no artigo 9º) as regras relativas aos limites da duração anual e à limitação diária não aplicar: por exemplo na presença de «Um sistema de contabilidade do calor e um sistema de termorregulação da temperatura ambiente da própria unidade imobiliária equipada com um programador que permite a regulação pelo menos em dois níveis da referida temperatura dentro de 24 horas » (ver parágrafo 9, seção 6, letra f).
O D.P.R. também estabelece i graus que pode alcançar o edifício quando é aquecido; em particular, com referência aos condomínios, a média aritmética das temperaturas do ar nas diferentes salas de cada unidade de construção individual... não deve exceder 20° C + 2° C de tolerância.
Isto pode ser visto a partir da leitura dos artigos 4, que indica as temperaturas máximas permitidas, e 3, que divide os tipos de edifícios de acordo com o uso pretendido.
Por favor, note que aqui mencionamos os elementos que parecem mais relevantes para o nosso tópico, mas o D.P.R. contém uma quantidade significativa de provisões, as quais só podemos adiar.

Ignição de aquecimento Roma


Então, querendo dar um exemplo, uma casa localizada em Milan (zona E), será capaz de ativar o aquecimento no período de 15 de outubro a 15 de abril para um máximo de 14 horas por dia.
Em vez disso, uma casa localizada em Roma (zona D) ligará o aquecimento no máximo 12 horas por dia de 1 de novembro a 15 de abril.
Finalmente, uma casa localizada em Nápoles (zona C) ligará o aquecimento por um máximo de 10 diárias, de 15 de novembro a 31 de março.
Todos não poderão exceder a média aritmética de 20 + 2 graus de tolerância.
O mesmo D.P.R. n. 412/1993 permite aos revisores oficiais de contas a possibilidade de derrogar o prazo e os prazos em caso de necessidades comprovadas (ver artigo 10.º).

Horários de aquecimento, as escolhas do condomínio

Dentro dos limites estabelecidos pela lei, o condomínio pode adotar suas decisões nos horários em que ativar o aquecimento.
Esses limites não podem ser superados, tanto que a mesma arte. 9, citou, para o co. 7, prevê que «No caso de condomínios, cada condomínio ou inquilino pode solicitar que, pelas autoridades competentes» (ou seja, municípios com mais de quarenta mil habitantes e províncias para a parte restante do território) "E às suas próprias custas, venha verificado cumprimento das disposições » do regulamento.
A mesma regra fornece então que «Em todos os edifícios... o administrador e, quando isso estiver faltando, o proprietário ou os proprietários são obrigados a expor, em cada sistema de aquecimento centralizado que serve uma pluralidade de usuários, uma tabela sobre:

Horas de aquecimento condominio

a) indicação do período de funcionamento anual do sistema de aquecimento e do tempo de ativação diária escolhido, dentro dos limites do disposto neste artigo;
b) os dados pessoais e o domicílio do responsável pelo funcionamento e manutenção do sistema de aquecimento » (Artigo 9, parágrafo 10).
As regras do condomínio podem ser estabelecidas em primeiro lugar com o regulação condomínio.
Nos termos do art. 1138 c.c., de fato, o regulamento deve conter regras sobre o uso de coisas comuns.
Na ausência de disposições regulamentares, a questão pode então ser regulada pelomontagem.
Na ausência de previsões (regulamentos ou assembleia de accionistas ou, mesmo se estas estão previstas, se por razões excepcionais é necessário derrogar) as decisões serão tomadas poradministrador.
De fato, entre os poderes do administrador indicado pelo art. 1130 c.c. há também o de "Regular o uso de coisas comuns e o uso de serviços de interesse comum, para garantir o melhor aproveitamento de cada um dos condomínios".

Horário de aquecimento no condomínio, as mudanças

Sim pode mudança quanto foi previamente estabelecido?
Sim, pedindo um chamada da Assembleia Geral, com a ordem do dia da alteração do regulamento ou da deliberação da Assembleia Geral (no caso de normas já existentes) ou a previsão de uma nova norma.

Condominial agenda as mudanças


A convocação poderá ser dirigida ao administrador (de pelo menos 2 condôminos representando pelo menos um sexto do prédio) ou, se este for inerte (após dez dias do pedido) ou inexistente, realizado diretamente pelos condôminos (conforme o disposto no art. Artigo 66 da escritura do Código Civil).
o maiorias para a prestação do regulamento serão as indicadas pelos artigos 1138, co.3 e 1136, co.2 c.c. na opinião do escritor, as mesmas maiorias terão de ser observadas no caso de uma mudança na resolução dos acionistas.

Aquecimento central e contabilidade

As notícias recentes sobre o assunto são dadas pelas regras sobre contabilidade energia referida no D. L. N. 102/2014, que transpõe a Diretiva 2012/27 / UE.
Este decreto passou por mudanças significativas em 2016 (pelo Decreto Legislativo nº 141/2016 e pelo Decreto Legislativo nº 244/2016 - c.d. «Milleproroghe 2017»); em particular, aqui nós levamos em consideração as provisões do art. 9, co 5, let. a, b e c em relação aos condomínios.

Milan ignição de aquecimento, contabilidade


O referido parágrafo, até 27 de julho de 2016, previa:
a) sem referência explícita aos condomínios, para os casos de edifícios aquecidos, refrigerados ou com abastecimento de água quente através de uma rede de aquecimento urbano ou de um sistema de abastecimento centralizado que forneça uma pluralidade de edifícios, oobrigação - até 31 de dezembro de 2016 - peloempresa de fornecer o serviço, para instalar «Um contador de alimentação de calor no permutador de calor ligado à rede de alimentação ou ao ponto de abastecimento» (veja a letra a);
b) "em condomínios e em edifícios multiusos fornecidos a partir de uma fonte central de aquecimento ou arrefecimento ou de uma rede de aquecimento urbano ou de um sistema de abastecimento centralizado que forneça uma pluralidade de edifícios », a obrigação - até 31 de dezembro de 2016 - pela empresas fornecimento do serviço, para instalar medidores individuais, a fim de medir o consumo real de calor, resfriamento ou água quente pela unidade habitacional individual - "Na medida em que é tecnicamente possível, eficiente em termos de custos e proporcional à potencial economia de energia"; os casos de impossibilidade técnica devem (e devem) ser relatados no relatório técnico do projetista ou do técnico qualificado (ver letra b).
O edifício multiuso é «O edifício destinado a finalidades diferentes e ocupado por pelo menos duas partes que devem compartilhar a fatura da energia comprada uns com os outros» (ver artigo 2.º, n.º 2, alínea p).
c) nos casos em que «O uso de medidores individuais não é tecnicamente possível ou não é rentável» foi (e é) esperado para instalar «Regulação individual de calor e sistemas de medição para medir o consumo de calor em relação a cada radiador colocado no interior das unidades imobiliárias de condomínios ou edifícios multiusos» com a exclusão dos espaços comuns dos edifícios; "A menos que a instalação de tais sistemas acabe por ser ineficiente em termos de custos...". Em tais casos, a consideração de 'Métodos alternativos com boa relação custo-benefício para medir o consumo de calor'.

Aquecimento e contabilidade

O cliente poderia então confiar «A gestão da regulação do calor e do serviço de medição de calor para outro operador que não seja a empresa fornecedora» (veja a letra c).
Agora, como resultado das alterações, espera-se que o prazo de 31 de dezembro de 2016 seja movido para 30 de junho de 2017 (pelo decreto «Milleproroghe 2017») e ainda que:
a) a menção expressa do condomínios, ao lado da expressão mais genérica "Edifícios" para o qual as empresas de medição (e não mais chamadas de di «Prestação de serviços») se ocorrer aquecimento, arrefecimento e fornecimento de água quente com «Ligação a uma rede de aquecimento ou arrefecimento urbano, ou através de uma fonte centralizada de aquecimento ou refrigeração», deve instalar um contador de fornecimento de calor (ver nova letra a);
b) acima de tudo, no que nos diz respeito, a obrigação de instalar - de "Sub-meter" (e não mais que «Contadores individuais») é transferido da empresa para proprietário unidade imobiliária (ver nova letra b);
c) a instalação de sistemas individuais de regulação e medição de calor para medir o consumo de calor, pelo proprietários (e não mais do que empresas) é admitido não apenas nos casos em que o uso do sub-contador (e não mais contador individual) não é tecnicamente possível ou não é eficiente em termos de custo, mas mesmo que não seja proporcional ao economias potenciais de energia, a menos que a instalação de tais sistemas resulte ineficiente em termos de custos; a referência é al «Corpo de aquecimento» (em geral) e não "Radiator".
Então a possibilidade de considerar desaparece «Métodos alternativos eficazes em termos de custos para medir o consumo de calor», bem como a possibilidade de o consumidor contactar «outro operador que não seja a empresa de abastecimento».

Controle de consumo e alocação de despesas

A contabilidade de calor permitirá a todos medir o consumo e controlá-lo.
Todos serão mais livres para escolher quanto consumir e quanto gastar.
O decreto supracitado n. A 141/2016 também alterou as regras sobre a alocação de despesas anteriormente prevista pelo Decreto Legislativo 102/2014.

Economia de energia

Antes das mudanças, o referido decreto no art. 9, co.5, lett.d estabeleceu que, no caso de condomínios «Fornecidos por aquecimento ou arrefecimento urbano ou por sistemas comuns de aquecimento ou arrefecimento, para a divisão correta das despesas relacionadas com o calor para aquecimento dos apartamentos e áreas comuns, em que as escadas e corredores estão equipados com radiadores e para utilização de água quente para necessidades domésticas, se produzida centralmente ») os custos teriam sido atribuídos com base em consumo real, enquanto os critérios para a atribuição de custos fixos, devido à manutenção da instalação comum (de acordo com a norma técnica UNI 10200 e atualizações subsequentes), permaneceriam inalterados; com "A possibilidade, para a primeira estação térmica após a instalação dos dispositivos referidos neste parágrafo," fazer a subdivisão «Baseado em apenas milésimos de propriedade».
Hoje, no entanto, o art. 9, co.5, lett.d prevê que quando os condomínios (e edifícios multifuncionais são adicionados) são alimentados por aquecimento ou resfriamento urbano ou por sistemas comuns de aquecimento ou resfriamento, para a divisão correta das despesas relacionadas ao consumo de calor para aquecimento, refrigeração de apartamentos e áreas comuns, bem como para o uso de água quente para as necessidades domésticas, se produzidos centralmente «O montante total é dividido entre os usuários finais, de acordo com o padrão técnico UNI 10200 e alterações e atualizações subsequentes.
Se esta regra não for aplicável ou comprovada, por meio de laudo técnico especial juramentado, diferenças nos requisitos térmicos por metro quadrado entre as unidades construtivas que compõem o condomínio ou prédio multiuso superior a 50%, é possível dividir o valor total entre os usuários finais, atribuindo uma cota de pelo menos 70% às amostras reais de calor voluntário. Neste caso, os montantes restantes podem ser divididos, a título de exemplo e não exaustivamente, de acordo com milésimos, metros quadrados ou metros cúbicos, ou de acordo com os poderes instalados ».
A possibilidade permanece, para a primeira estação térmica após a instalação dos dispositivos, determinar a subdivisão é determinada com base nos sóis milésimos de propriedade.
As disposições da alínea d) são opcionais em condomínios onde, na data de entrada em vigor do decreto (n.141 / 2016), os dispositivos já foram instalados e a respectiva subdivisão das despesas já foi efetuada.

Contabilidade de calor, penalidades

As previsões também estão equipadas com uma multa em caso de violação; nós mencionamos aqueles que afetam diretamente os proprietários e os condomínios.
Artigo. 16, co.6 pune o proprietário a unidade imobiliária que não instala, dentro do prazo, o sub-contador (conforme a letra b) supracitada, com sanção administrativa pecuniária entre 500 e 2.500 euros por unidade imobiliária; a menos que um relatório técnico de um projetista ou de um técnico licenciado indique que a instalação do medidor individual não é tecnicamente possível ou não é eficiente em termos de custo ou não é proporcional à economia potencial de energia.
Artigo. 16, co.7 sanciona o proprietário a unidade imobiliária, que (nos casos referidos no artigo 9.º, n.º 5, alínea c), não instala sistemas individuais de regulação e contabilidade do calor, com uma sanção administrativa pecuniária entre 500 e 2500 euros por unidade de construção.
A menos que um relatório técnico de um projetista ou técnico qualificado prove que a instalação não é econômica.
Finalmente, está sujeito a uma sanção administrativa de 500 a 2500 euros a condomínio alimentados por aquecimento ou arrefecimento urbano ou por sistemas comuns de aquecimento ou arrefecimento que não partilham as despesas em conformidade com o disposto no artigo 9, parágrafo 5, alínea d).
Os parágrafos foram todos substituídos pelo Decreto Legislativo no. 141/2016; em prioridade sancionadoempresa de fornecimento para co.6, o condomínio e os usuários finais (no caso de um edifício multiuso) aos 7 e 8, e os condomínio para o co.8.



Vídeo: Como instalar rede de aquecimento central