Lei de superfície: constituição, duração e extinção

Antes de comprar um imóvel, é bom verificar se ele foi construído em terra onde os direitos de superfície são sérios, em virtude de um determinado acordo.

Lei de superfície: constituição, duração e extinção

diritto di superficie

o direito de superfície é um direito menor de gozo, regido pelo Código Civil, nos artigos 952 e seguintes.
Especificamente, o Artigo 952 estabelece que o O proprietário pode conceder a outra pessoa o direito de construir um prédio em cima de seus pomares, atribuindo a ele a propriedade separada do prédio..
O proprietário também pode descartar a construção existente, mantendo a propriedade da terra.

Este direito permite aos cession√°rios, dispor e manter, acima e abaixo do solo dos outros, uma propriedade im√≥vel, entendida como constru√ß√£o ou casa, permanecendo os propriet√°rios exclusivamente do √ļltimo.
Pelo que foi dito, somos donos do bem, mas n√£o do solo em que o bem foi realizado.
Al√©m disso, conforme estabelecidoart. 956 da C.C.quando falamos de direitos de superf√≠cie, nos referimos exclusivamente ao setor imobili√°rio, excluindo assim outros ativos de natureza diferente, como planta√ß√Ķes.
Podemos, portanto, estabelecer que o direito de superfície, como definido pela lei, é um direito de gozo sobre a coisa da outra pessoa.
Além disso, o direito de propriedade representa, para a jurisprudência, um direito real perpétuo e destina-se a ser concedido por um período indefinido.
No √ļnico caso em que o bem era vendido por um prazo fixoconforme definido no Artigo 953, uma vez decorrido o prazo estabelecido, os direitos √† terra se extinguem e a propriedade do edif√≠cio √© devolvida ao propriet√°rio da terra.
Neste caso, falamos sobre elasticidade do domínio.

Constituição da lei de superfície

A lei de superf√≠cie √© um direito que pode ser estabelecido e definido de diferentes maneiras e em diferentes circunst√Ęncias.
Especificamente, o direito de superfície pode ser estabelecido de acordo com as seguintes atividades:
- Para contrato
‚ÄĘ para testamento
‚ÄĘ para usucapi√£o

Objeto da lei de superfície

Todos os edif√≠cios constru√≠dos acima ou abaixo do solo, conforme estabelecido pelo artigo 955 do C√≥digo Civil, podem estar sujeitos aos direitos de superf√≠cie, se as condi√ß√Ķes da lei forem verificadas.

Duração e extinção dos direitos de superfície

O direito de superfície, no momento de seu estabelecimento, pode ter uma expiração fixa, definindo-se tempo determinado e, portanto, com extinção automática na data do limite de tempo.
Isto significa que, como construído pela lei, no momento da expiração em si, consagrado no ato de incorporação, pode até mesmo ser demolido ou tornar-se de outra propriedade.
Se a lei de superfície não tiver sido exercida por vinte anos, ela poderá encontrar sua extinção natural.

Propriedade afetada pelo direito de superfície

O exerc√≠cio e o fornecimento de uma superf√≠cie direita s√£o amplamente utilizados edif√≠cios de edif√≠cios civis e edif√≠cios tempor√°rios, como pavilh√Ķes montados e constru√≠dos por per√≠odos limitados.
Pode-se falar de lei superficial tamb√©m em refer√™ncia a quiosques e quiosques, ou para a realiza√ß√£o de obras dedicadas √† utilidade p√ļblica, como no caso das linhas el√©tricas, telef√īnicas e telefericas.
Da mesma forma, os direitos de superfície podem ser exercidos no caso de construção de dutos necessários para a passagem de redes elétricas ou gasodutos, para passar temporariamente em terras pertencentes a outros.

Exemplos de direitos de superfície

Para entender melhor o escopo da lei de superfície, podemos usar alguns esquemas que, resumidamente, representam o seguinte.

schema diritto di superficie A

√Č poss√≠vel hipotetizar (esquema A) que o propriet√°rio concede a terceiros um direito de superf√≠cie em virtude do qual o cession√°rio pode construir um edif√≠cio, tendo a propriedade plena, enquanto a propriedade da terra permanece com o concedente.
Outro caso é representado pela hipótese em que o outorgante, uma vez feito o artefato, o transfere para o cessionário em propriedade separada, permanecendo assim o concedente, proprietário exclusivo e exclusivo da terra.
O √ļltimo exemplo contempla a condi√ß√£o em que o concessor, permite que o cession√°rio construa uma constru√ß√£o exclusivamente no subsolo e, para outro objeto, a constru√ß√£o de uma parte em eleva√ß√£o.

schema diritto di superficie B

Da mesma forma, se o concedente construiu um prédio, ele só pode vender o prédio para dois revendedores diferentes, mas ele continua sendo o proprietário exclusivo da terra.
Finalmente, deve-se notar que o propriedades de superfície, também pode afetar apenas um plano (esquema B).
O concedente, isto é, permite ao cessionário ou o suporte de superfície, para construir uma superelevação na porção produzida.

Superfície direita em convecção

Planos de constru√ß√£o econ√īmica e popular introduzidos pela Lei no. 167 de 1962, o recurso √† lei de superf√≠cie, como um instrumento e um meio legal, gra√ßas ao qual foi poss√≠vel construir umedif√≠cio convencionado, a pre√ßos controlados.
A referida lei, de fato, coloca o √≥rg√£o p√ļblico em uma condi√ß√£o e, neste caso, o Munic√≠pio, para expropriar terras para cidad√£os particulares, a fim de construir edif√≠cios a serem alocadosedif√≠cio facilitado.
As classes menos favorecidas, ou, em qualquer caso, os sujeitos com requisitos específicos, poderão acessar a compra de um imóvel sob contrato, aproveitando os preços subsidiados e acalmados.
Especificamente, as empresas selecionadas para a construção de moradias, graças aos contratos estipulados com o leiloeiro Município, constroem, nos lotes desapropriados, prédios a serem vendidos a terceiros, a preços acordados com os Municípios.
Em virtude destas conven√ß√Ķes, os pre√ßos s√£o significativamente inferiores aos cobrados pela venda de casas em propriedade total.

Concess√£o de terra municipal 99 anos

Conven√ß√Ķes geralmente duram 99 anos e s√£o renov√°veis ‚Äč‚Äčpor um per√≠odo igual.
No momento da estipula√ß√£o do contrato, s√£o estabelecidos os termos de quaisquer limita√ß√Ķes e restri√ß√Ķes para o uso do ativo e para a eventual revenda, entre outras atividades.
Por exemplo, se sob a lei n. 865 de 1971, a revenda ocorreu somente se passassem dez anos, hoje, para as casas construídas após a entrada em vigor da lei n. 179 de 1992, devemos esperar apenas cinco anos, tanto para venda como para arrendamento.
Tudo a um preço de mercado livre.
Somente se as condi√ß√Ķes mudarem, como o aumento de pelo menos duas unidades da unidade familiar, s√©rios problemas de sa√ļde ou o deslocamento do local de trabalho 50 km, as restri√ß√Ķes de tempo para a venda podem ficar com pouca anteced√™ncia.

Transformação do direito à superfície em plena propriedade

√Č poss√≠vel extinguir o acordo de conven√ß√£o e tornar-se o propriet√°rio da terra em que a constru√ß√£o foi constru√≠da.
Com a introdu√ß√£o da lei n. 549 de 1995 e adi√ß√Ķes subseq√ľentes, na verdade, voc√™ pode comprar, se as condi√ß√Ķes permitirem, os mil√©simos da terra em que o edif√≠cio insiste, cancelando assim todos os requisitos e ditames da conven√ß√£o p√ļblica.

Conselhos para a compra de propriedades em acordo

Se você está prestes a comprar uma casa construída em direitos de superfície, você deve, como uma primeira atividade, pedir ao proprietário, uma cópia do acordo com base na intervenção do edifício, e tê-lo visto pelo seu notário.
Isso é para evitar surpresas ruins em qualquer compra preliminar ou real.
Para este fim, é aconselhável, propedeuticamente, entrar em contato com o escritório técnico do Município em que o imóvel a ser vendido cai.

esempio di modulo, comune di Grottaferrata

Normalmente, de fato, os municípios promotores de atividades de construção na convenção, disponibilizam aos cidadãos os formulários necessários para solicitar a contabilização do valor a ser extinto, caso você queira alienar a restrição dos direitos de superfície.
Geralmente, os documentos a serem produzidos pelo requerente s√£o:
- mesa milésima do apartamento sujeita a venda;
- escritura de venda;
- visatura cadastral;
- cópia do contrato;
- Formul√°rio municipal preenchido em sua totalidade;
- documento de identificação do requerente;
- selo de receita.



V√≠deo: MACETES 17 SERVID√ēES NO DIREITO CIVIL