Revogação do administrador e defeitos da propriedade

O diretor é nomeado pela reunião e seu escritório tem um mandato anual. No entanto, o mesmo escritório pode fornecer a revogação do administrador a qualquer momento.

Revogação do administrador e defeitos da propriedade

Revoca amministratore

O administrador, Obrigatório dos condomínios em relação à gestão e conservação das partes comuns, ele é nomeado pela assembléia e seu escritório tem um mandato anual.
De acordo com o segundo parágrafo do art. 1129 c.cNo entanto, a mesma reunião, com as mesmas maiorias indicadas para a nomeação, pode prever a revogação do diretor a qualquer momento.

A suspensão injustificada do relacionamento fiduciário, pelo menos de acordo com o Tribunal de Cassação, pode dar origem a uma compensação por perda de rendimentos pela pessoa demitida (cf. Cass. SS.UU. 29 de outubro de 2004 n. 20957).
Além do escolhas puramente discricionárias a competência exclusiva da assembléia, o código civil prevê a possibilidade, para cada condomínio individual, de atuar pelo tribunal para obter a revogação do administrador que tenha cometido (ou não tenha executado) determinados atos.
De acordo com artigos 1129 e 1131 c.cDe fato, cada condomínio pode solicitar a intervenção da Autoridade Judicial, com a finalidade de obter a revogação quando o advogado:
a) não tem fez a conta da sua gestão por dois anos consecutivos;
b) ele não se comunicou com a assembléia medidas administrativas e causas não da sua competência;
c) sobrecarregam seu gerenciamento sérias suspeitas de irregularidades graves.
Entre as causas da revogação, este último é, sem dúvida, o mais difícil de ser enquadrado em um nível geral.
É claro que não deve ser tratado pela força testes reaiscaso contrário, o problema não surgiria, mas fundava suspeitas.
Um exemplo: receber uma série de ordens de pagamento injuntivas de fornecedores para pagamentos regulares por todos os membros da equipe é certamente uma indicação de uma administração que certamente é insalubre e transparente.

Revoca

Recentemente o Tribunal de Salerno Ele retornou ao assunto, especificando que as chamadas suspeitas bem fundamentadas de irregularidades graves em relação às ações judiciais a serem tomadas contra a empresa de construção não existiam.
Em particular, foi dito que em termos de condomínios em edificações, não há pré-condição para a bem fundamentada suspeita de irregularidades graves para fins de revogação do diretor, nos termos do art. 1129, parágrafo 3, do Código Civil italiano, onde o prejuízo ou impedimento para a possibilidade de tomar medidas legais contra o contratante para trabalhos de manutenção no edifício do condomínio é deduzido do requerente.(Trib. Salerno 25 de janeiro de 2011).
Isso é porque se os defeitos das obras contratadas se referirem a partes do prédio de propriedade do proprietário, a ação de indenização contra o contratante deverá ser proposta exclusivamente pelos proprietários das unidades danificadas, e não pelo administrador do condomínio, nem por todos os condomínios em litisconsorzio necessários.Quanto aos danos sofridos pelas partes comuns do edifício, cada condomínio, independentemente das ações do administrador, pode agir individualmente para compensação contra o contratado, em defesa de seus direitos de copropriedade "pró-quota", ou intervir no julgamento em que tal defesa já tenha sido legitimamente assumida pelo administrador, ou mesmo os meios de recurso necessários para evitar os efeitos desfavoráveis ​​da sentença proferida contra o condomínio.(Trib. Salerno 25 de janeiro de 2011).



Vídeo: Direito Civil - Lesão e Fraude Contra Credores - Dr. Clilton Guimarães - Neaf