Aluguer: despejo para arrendamento finito e despejo por atraso

Despejo por arrendamento finito e despejo por atraso: dois processos para proteger o locador que permitem a liberação do imóvel em casos estabelecidos por lei

Aluguer: despejo para arrendamento finito e despejo por atraso

Aluguel: quando é possível despejar o inquilino

Para o nosso pedido despejados é o procedimento especial com o qual a autoridade judiciária impõe ao inquilino deixar o apartamento tirado arrendamento, quando certas situações ocorrem.
O procedimento para a validação do despejo é previsto pelos artigos 657 e seguintes do Código Civil. A lei regula o despejo para arrendamento terminado e despejo por inadimplência, dois processos judiciais separados com a mesma finalidade. Vamos analisá-los separadamente a partir do aviso de despejo para o contrato final.

O despejo para o contrato final

Se após a conclusão de um contrato de arrendamento bens imóveis isso vem para prazo de entrega, o edifício deve ser libertado inquilino. Se este não quiser sair do apartamento, apesar do prazo contratual, o proprietário terá o direito de entrar em contato com a autoridade judicial e obter o despejados.
De acordo com a lei, no final do contrato, é dever do locatário providenciar a devolução do imóvel.

Despejo por arrendamento finito


O que o senhorio pode fazer se o inquilino não pretende deixar o alojamento?
Neste caso, o proprietário terá que enviar ao locatário inadimplente uma carta registrada com aviso de recebimento para convidá-lo a claro propriedade. Se o convite não tiver qualquer efeito, entre em contato com a autoridade judicial. Nos termos do artigo 657 do Código Civil, o proprietário tem o direito de despejados para arrendamento terminado, somente quando o contrato chegou a prazo de entrega e se a renovação tácita não tiver sido fornecida no próprio contrato.
Como o procedimento é realizado? É ativado com o ato de intimação liberação da propriedade, apresentada pelo locador, e contextual citação para o validação o despejados.
A convocação deve conter, além do convite ao maestro para comparecer na audiência perante o juiz, o aviso, que em caso de não comparência ou não oposição, o juiz providenciará a validação.
O tribunal competente é o tribunal do local onde o imóvel está localizado.
O inquilino, recebeu o aviso, terá duas opções:
- não aparece ou aparecer sem se opor, neste caso o juiz validação o despejo pela aplicação da fórmula executiva ao final da cotação, com efeito após trinta dias. Tudo isso a menos que a ordem tenha aparecido não ter conhecimento da intimação ou como resultado de circunstâncias imprevisíveis ou força maior. Nesse caso, o juiz ordena que a citação seja renovada;
- aparecer e opor no momento da convocação, aparecendo em tribunal pelo aparecimento de uma resposta a ser apresentada perante o juiz, que neste momento, na presença de uma prova escrita e por motivos sérios, pode abrir um procedimento ordinário de cognição. Caso contrário, pronuncie o lançamento dell 'imóvel com ordem não contestável e imediatamente executivo. Neste ponto, o inquilino é obrigado a liberar a propriedade.
O que acontece se o inquilino de qualquer maneira não ele quer deixar o apartamento?
Embora o despejo seja um procedimento bastante rápido, às vezes pode ser difícil enviar um inquilino. Quais são as ferramentas de proteção disponível para o senhorio?
Se o inquilino não cumprir espontaneamente, ele deve ativar o processo de execução forçado que envolve a intervenção do oficial de justiça. Este último tem o direito de ser acompanhado pela polícia para convencer o inquilino, no caso de sua resistência.

O despejo devido a atrasos

Além disso, o despejo devido a atrasos é um procedimento especial mais rápido que o ritual comum, que permite ao dono recuperação e a disponibilidade deapartamento em caso de persistência atraso inquilino.
o inquilino não paga o taxa? O risco é que seja despejado. Vamos ver como o procedimento funciona e quais são as conseqüências.

Nocivo do condutor


De acordo com as disposições contidas no artigo 658 do código civil, o proprietário, com os mesmos procedimentos descritos para o contrato de arrendamento convocar o despejados para falta de pagamento de rendas devido a prazos. O proprietário recorre à autoridade judiciária para obter uma provisão que permita, de maneira formal, obter a resolução do contrato arrendamento para l'violação do condutor.
Além disso, será capaz de perguntar ao locatário o pagamento das taxas não pagas.
Vamos ver quais são as condições para ativar o procedimento de despejo para atrasos:
- o arrendamento bens imóveis escritos por escrito e devidamente registrados na Receita Federal, não podendo tomar ação de despejo com base em um acordo verbal entre as partes.
- determinação, por acordo entre as partes, doquantidade o taxa mensal e da data para o pagamento do mesmo.
- o falta de pagamento da renda, na medida em que, para edifícios residenciais, igual a um mês de pagamento, após 20 dias da expiração do contrato, ou por falta de pagamento de encargos adicionais, se o montante não pago for superior a dois meses da renda.
O que fazer então na frente de um inquilino que não paga?
Primeiro, o proprietário deve enviar uma carta formal por carta registada com aviso de recepção aviso para cumprir, com o qual solicitar o pagamento de taxas expiradas.
O locador também deve convidar o inquilino a deixar a propriedade vaga e, caso contrário, pode tomar medidas legais.
O proprietário, simultaneamente com oato de intimação, apresentará um ensaio ato de citação, dirigida ao inquilino, para comparecer em tribunal perante o Tribunal onde o imóvel está localizado.
O senhorio também pode solicitar o pagamento das taxas de volta e em caso de aceitação do pedido, o juiz emitirá liminar imediatamente executivo.
Esta é a provisão pela qual o juiz ordena o pagamento das taxas em atraso e as que serão devidas, até o dia da liberação da propriedade. A quantia devida é aumentada por interesses legais e custos judiciais. Se, apesar da liminar, as importâncias devidas não forem pagas, procederemos com a distraint de propriedade de propriedade do inquilino.

Despejo por padrão do condutor


O inquilino tem as seguintes opções:
- vai aparecer e fazer oposição. Nesse caso, o juiz devolverá o exame da oposição ao julgamento ordinário;
- vai aparecer e solda a dívida ou pedir ao juiz o termo de graça;
- vai não aparece e neste caso o juiz validar o despejo.
Se o despejo for alcançado, este último está sujeito a prova, pelo locador, da persistência do atraso. O juiz fixará a data em que o lançamento do edifício, se necessário, devido à intervenção dooficial judiciário.
Este é o chamado monitor de apuramento, com a qual, na data e hora comunicadas ao inquilino, o oficial judicial executará pessoalmente o despejo, permitindo que o proprietário volte à posse do imóvel.
Liberar o apartamento de um inquilino pode revelar-se um negócio muito difícil e nem sempre rápido. Se o inquilino não cooperar e decidir não deixar a propriedade espontaneamente, o oficial de justiça terá que estabelecer uma segunda data dentro de alguns dias, desta vez usando o apoio do agências de aplicação da lei.

O termo da graça: quando é concedido

o termo de graça é o termo solicitado pelo juiz de maestro moroso para pagar sua dívida. O juiz dá ao inquilino uma quantia maior de tempo para pagar e pode, assim, evitar deixar a propriedade. O inquilino está autorizado a permanecer no apartamento soldagem sua atraso, em caso de condições difíceis verificadas.
Para este fim, o juiz define um prazo, geralmente não mais do que 90 dias adia a audiência para, no máximo, 10 dias após a expiração do prazo concedido.
No caso de pessoas desempregadas, pessoas com deficiência ou pessoas com mais de 65 anos de idade ou com problemas comprovados de cumprimentos, os tempos também podem ser prolongados (até 120 dias).
O prazo é peremptório e se o inquilino não reparar a dívida, o juiz irá validar o despejo, estabelecendo a data de liberação da propriedade.



Vídeo: My Todoist Workflow | July 2018