Referendo sobre √°gua e energia nuclear

Nos dias 12 e 13 de junho, os cidad√£os italianos ser√£o chamados a pronunciar-se sobre tr√™s quest√Ķes referentes ao referendo sobre √°gua e energia nuclear.

Referendo sobre √°gua e energia nuclear

Nos dias 12 e 13 de junho, os cidad√£os italianos ser√£o chamados a votar em quatro quest√Ķes de referendo, tr√™s das quais dizem respeito √†ambiente e oenergia.
√Č oportuno saber j√° a partir de agora as normas de que a revoga√ß√£o √© solicitada, de modo a poder refletir sobre o assunto e ter tempo para formar cada um o seu pr√≥prio julgamento cr√≠tico e votar de acordo com a consci√™ncia.

Privatização da água

Uma lei est√° em vigor h√° cerca de um ano, permitindo que pessoas f√≠sicas gerenciar a maioria dos servi√ßos de √°gua. De facto, esta lei estabelece que a gest√£o dos servi√ßos de √°gua √© confiada atrav√©s de um concurso a empresas privadas, ou a empresas com capital misto p√ļblico-privado, onde no entanto o sector privado det√©m pelo menos 40%.
Os promotores do referendo prop√Ķem abolir este sistema, em favor de um retorno completo √† gest√£o p√ļblica do recurso.
A primeira pergunta √© intitulada M√©todos de atribui√ß√£o e gest√£o de servi√ßos p√ļblicos locais de import√Ęncia econ√≥mica. revoga√ß√£o e pede a revoga√ß√£o da arte. 23 bis (doze par√°grafos) do Lei n. 133/2008, relativo √† privatiza√ß√£o de alguns servi√ßos, incluindo servi√ßos de √°gua.

Privatização da água

A segunda pergunta √© intitulada em vez disso Determina√ß√£o da tarifa integrada do servi√ßo de √°gua com base no retorno adequado do capital investido. Revoga√ß√£o parcial de norma e tem o objetivo de revogar uma parte do par√°grafo 1¬ļ do art. 154 do Decreto Legislativo n. 152/2006 (o chamado C√≥digo Ambiental).
Em suma, a lei atual permite que o gerente de completar uma conta de 7% na cidade pagar apenas o capital investido, sem garantir qualquer reinvestimento em troca ou melhorar a qualidade do servi√ßo. √Č essa oportunidade que √© solicitada a ser eliminada.
A quest√£o nuclear, por outro lado, visa a revoga√ß√£o da arte. 7, par√°grafo 1, letra d, do Decreto-Lei de 25 de junho de 2008, n. 112, Disposi√ß√Ķes urgentes em mat√©ria de desenvolvimento econ√≥mico, simplifica√ß√£o, competitividade, estabiliza√ß√£o das finan√ßas p√ļblicas e equaliza√ß√£o fiscal, que prev√™ a constru√ß√£o de novas usinas nucleares na It√°lia.
Como se sabe, em 1987, na onda emocional do que aconteceu com Chernobyl no ano anterior, os italianos já votaram o seu não à energia nuclear, graças à qual foi decretado parar a produção de energia produzida pelo átomo em nosso país, mas não a compra do mesmo a partir do exterior.

Usina nuclear

Com o decreto mencionado, um programa foi iniciado retornar à energia nuclear através da construção de novas plantas que devem ser implementadas em colaboração com empresas francesas.
Nestes dias, o pesadelo nuclear voltou a se enfrentar novamente, por causa da Incidentes de Fukushima Seguido pelo terremoto do Japão, tanto que isso convenceu o governo a sancionar um moratória de um ano prolongará o início da execução do programa.
A grave trag√©dia japonesa, no entanto, permitiu trazer √† tona o debate sobre o problema da energia at√īmica e evitar ofuscar o referendo, que, dada a data de ver√£o em que foi planejado, est√° em grande risco. de falha para alcan√ßar o quorum necess√°rio ser v√°lido.



Vídeo: Referendo triplo