Imobiliário: dedução fiscal de 65% para intervenções globais de redesenvolvimento

Aqui está um mini guia sobre a dedução fiscal para aqueles que realizam o redesenvolvimento energético global do imóvel, estendido até 31 de dezembro de 2019.

Imobiliário: dedução fiscal de 65% para intervenções globais de redesenvolvimento

Dedução de impostos para intervenções globais de redesenvolvimento

Tenha uma casa energeticamente eficiente significa sim economizar no consumo e gastar menos, mas também proteger o meio ambiente que nos cerca, contribuindo assim para a redução da poluição atmosférica.
E é por esses objetivos que o legislador previu uma série de benefícios fiscais Direto para aqueles que decidem empreender trabalho de eficiência energética em sua propriedade.

Dedução fiscal de 65% para o trabalho de economia de energia

Dedução de 65%

o Lei de Estabilidade 2016 estendeu até 31 de dezembro de 2016 a dedução fiscal para a renovação de edifícios e os respectivos bônus móveis e também para o trabalho de economia de energia, respectivamente 50% e 65%.
No que diz respeito à poupança de energia, a redução fiscal consiste deduções do IIRPEF para ser baixado na declaração de imposto e é concedido ao realizar intervenções que aumentam o nível de eficiência energética dos edifícios existentes.
Em particular, as deduções são reconhecidas se as despesas tiverem sido incorridas para:
• o redesenvolvimento energético do edifício global
• a melhoria térmica do edifício como isolamento, pisos, janelas, incluindo caixilhos de janelas
• a instalação de painéis solares
• a substituição de sistemas de ar condicionado de inverno.
o dedução fiscal deve ser dividido em 10 parcelas anuais do mesmo montante e tem as seguintes medidas:
• 55% das despesas incorridas até 5 de junho de 2013
• 65% das despesas incorridas de 6 de junho de 2013 a 31 de dezembro de 2016, tanto para intervenções em unidades de propriedade individuais quanto quando a intervenção é realizada nas partes comuns dos condomínios ou se afeta todas as unidades imobiliárias das quais o condomínio único é composto.
A partir de 1 de janeiro de 2017, a menos que seja prorrogado, a instalação será substituída pela dedução fiscal para os custos de reformas do edifício.

Reconstrução global do edifício: aqui estão o que são

Redução de reciclagem

No que diz respeito ao trabalho de reciclagem global do edifício, para este tipo de intervenção o valor máximo da dedução fiscal é de 100.000 euros.
Mas quais são os empregos que se enquadram neste categoria?
The Revenue Agency em sua guia online dedicado precisamente à dedução fiscal para economia de energia, especifica que esse tipo de trabalho inclui a obtenção de índice de desempenho energético para ar condicionado de inverno não superior aos valores definidos pelo decreto do Ministro do Desenvolvimento Econômico de 11 de março de 2008 - Anexo A.
Portanto, ele não foi estabelecido com precisão exata, que os trabalhos ou plantas precisam ser realizados para atingir os desempenhos energéticos necessários.
Como tal, a intervenção admitiu desfrutar dovantagem fiscal é definido de acordo com o resultado que alcança em termos de redução da necessidade anual de energia primária para o ar condicionado de inverno de todo o edifício.
Para definir o necessidades de energia anual é o Anexo A do decreto legislativo n. 192 de 2005, que se refere à quantidade de energia primária globalmente requerida, no decorrer de um ano, para manter a temperatura de projeto nas salas aquecidas, sob ativação contínua.
Como também especificado pela ENEA, a Agência Nacional para Novas Tecnologias, Energia e Desenvolvimento Econômico Sustentável, a categoria de intervenções de redesenvolvimento de energia inclui: qualquer intervenção conjunto sistemático de intervenções que afetam o desempenho energético do edifício, realizando o maior eficiência energia requerida pela norma.
Portanto, puramente a título de exemplo, mas não exaustivo, eles são considerados agevolabili:
• intervenções para substituir os sistemas de ar condicionado de inverno também por geradores de calor sem condensação;
• cogeração, trigeração, etc.
Foi dito acima que a intervenção, para que possa dar o direito a Dedução fiscal de 65%, deve garantir um índice de desempenho energético para o ar condicionado de inverno que não exceda os valores-limite definidos no anexo A da D.M. 11.03.08. Os índices que medem a economia de energia são geralmente processados ​​de acordo com a categoria em que o edifício é classificado (residencial ou outros edifícios), a zona climática em que está localizado e a relação de forma que ele apresenta.
O índice de poupança necessário para usar a dedução deve ser calculado referindo-se às necessidades energéticas doprédio inteiro e não àquele das parcelas individuais da propriedade que o compõem.

Redenvolvimento de propriedade de dedução de 65%: os requisitos

Para poder usufruir da dedução fiscal de 65% até 31 de dezembro de 2016, a propriedade sujeita à intervenção deve possuir os seguintes requisitos:
• na data do pedido de dedução, deve estar existente, isto é, empilhado ou com pedido de registro em andamento;
• deve estar equipado com um sistema de aquecimento.
Além disso, o contribuinte deve estar em dia com o pagamento de quaisquer impostos.

A documentação a ser produzida para ter a dedução de 65%

o documentação para manter pelo cliente é a seguinte:
declaração escrito por um técnico qualificado, ou seja, um engenheiro, arquiteto, topógrafo ou especialista registrado em seu registro profissional, que declara que a intervenção garante um índice de desempenho energético para ar condicionado de inverno não excedendo os valores limites indicados no Anexo A da D.M. 11.03.08.
A assertiva também pode ser substituída pela declaração feita pelo diretor de obras sobre o cumprimento dos trabalhos realizados com o projeto, o que é explicado no relatório atestando o cumprimento dos requisitos para a contenção do consumo de energia de edificações e termelétricas relacionadas
faturas relativas a despesas incorridas
- recibo da transferência bancária bancário ou postal
recebimento do envio feitas para ENEA (código CPID), que é uma garantia de que a documentação foi transmitida. No caso de entrega postal, recibo de carta registrada
folhas técnicas
original dos Anexos enviado para a ENEA assinado pelo técnico e / ou cliente.

Dedução de 65%: como pagar os custos e quais documentos enviar

Requalificação de energia

Para obter a dedução, é necessário que o contribuinte esteja em dia com as autorizações técnicas e administrativas para a execução das obras e que prevê as seguintes obrigações:
pagamento das obras com transferência bancária bancário ou correios que contenha os seguintes elementos: motivo do pagamento, com as palavras Dedução nos termos da Lei 296/2006, art. 1, co. 344-349, o código fiscal do beneficiário da dedução e aquele ou o número do IVA da pessoa que efectua a obra.
Deve-se notar que, na transferência bancária, a agência postal ou o banco, em seguida, faz um imposto retido na fonte por conta do imposto de renda devido pela empresa que realiza a obra, igual a 8%.
• enviando para ENEA dentro de 90 dias dos trabalhos finais de documentos específicos.
Em primeiro lugar, é necessário salientar que a data de fim dos trabalhos coincide com o dia do chamado teste e não com aquele em que os pagamentos são feitos.
Se, com base no tipo de intervenção efetuada, não forem exigidos testes, o contribuinte pode comprovar a data final do trabalho com outra documentação emitida pela pessoa que executou o trabalho ou pelo técnico que preencheu a ficha de informações.
Dito isto, eu papers que deve ser enviado ENEA Para obter a dedução fiscal para projetos de redesenvolvimento global de imóveis, eles são:
• cópia do certificado de certificação ou da qualificação de energia
• a ficha informativa relativa às intervenções realizadas.
Esta documentação deve ser enviada para a ENEA exclusivamente através do site apropriado relativo ao ano em que as obras são concluídas, dentro de 90 dias após o término dos trabalhos.
Por fim, vale lembrar que, com o Decreto 175/2014, em vigor desde 13 de dezembro de 2014, foi suprimida a obrigação de enviar uma comunicação eletrônica. para a agência de receita, apenas para trabalhos que continuem além do período de tributação.



Vídeo: