Propriedades do subsolo e acima do solo

O propriet√°rio do subsolo e do solo pode impedi-los de serem usados ‚Äč‚Äčpor terceiros, a menos que o uso seja totalmente indiferente a ele.

Propriedades do subsolo e acima do solo

Tizio compra o propriedade do fundo Beta de Caio.

Casa

Na hora de venda da propriedadese não for estabelecido de outra forma, o que também é vendido na linha vertical se estende acima e abaixo, junto com o predio em seu sentido material.

Isto é seguido por vantagens e, como sempre, do limites precisos.

Est√° claroart. 840 c.c. em mente de que:

A propriedade do solo se estende ao subsolo, com tudo o que est√° contido ali, e o propriet√°rio pode fazer qualquer escava√ß√£o ou trabalho que n√£o cause danos ao vizinho. Esta disposi√ß√£o n√£o se aplica ao assunto das leis sobre minas, pedreiras e turfeiras. As limita√ß√Ķes decorrentes das leis sobre antiguidades e artes pl√°sticas, sobre a √°gua, sobre obras hidr√°ulicas e outras leis especiais s√£o igualmente v√°lidas.

O proprietário não pode se opor a atividades de terceiros que ocorrem em tal profundidade no subsolo ou em tal altura no espaço acima, que ele não tem interesse em excluí-las.

Metro e terra de um prédio em condomínio

Se a propriedade estiver em propriedade exclusiva ou em comunhão não há problemas: o dono ou co-proprietários do edifício é também o dono do subsolo e do espaço acima dele.

E em caso de prédio em condomínio?

Como avaliar quem é o proprietário mas, acima de tudo, quem pode decidir sobre o uso dessa parte do edifício?

De acordo com o agora orienta√ß√£o jurisprudencial consolidada, nos termos do art. 1117 do C√≥digo Civil, par√°grafo 1, n. 3, s√£o o objeto de propriedade comum dos propriet√°rios dos diferentes andares ou partes de um piso de constru√ß√£o, se o oposto n√£o √© o t√≠tulo, todas as obras, instala√ß√Ķes e artefatos de qualquer tipo que servem o uso e gozo comum.

Acrescente-se que, de acordo com a jurisprudência desta Suprema Corte, o subsolo constituído pela área existente em profundidade abaixo da área de superfície que está na base do prédio do condomínio deve ser considerado de propriedade comum, na ausência de um título que atribua a propriedade. propriedade exclusiva de um dos condomínios.

E, de fato, um edif√≠cio, que consiste na constru√ß√£o que vai da funda√ß√£o at√© o telhado, inclui, al√©m das salas existentes no solo, tamb√©m o que foi constru√≠do no n√≠vel das funda√ß√Ķes.

Isso explica as raz√Ķes pelas quais o subsolo, mesmo que n√£o explicitamente mencionado no art. 1117 do C√≥digo Civil, devido √† combina√ß√£o com o art. 840 cc, deve, portanto, tamb√©m ser considerado propriedade comum na aus√™ncia de t√≠tulo, que atribui a propriedade exclusiva a um dos condom√≠nios, tanto em rela√ß√£o √† disposi√ß√£o reguladora da extens√£o da propriedade da terra ao subsolo, com tudo o que cont√©m e ambos no que diz respeito √† fun√ß√£o de suporte que contribui para a estabilidade do edif√≠cio. (ver caixa 22835/06, caixa n¬ļ 17141/06, caixa n¬ļ 5085/06, caixa n¬ļ 8119/04, caixa n¬ļ 2114/99, Cass n¬ļ 2295/96) (Cass. 13 de julho de 2011 n. 15383).

Isso significa que cabe à assembléia disciplinar usar esses espaços e que, se os condomínios quiserem utilizá-los para fins personalistas, eles devem respeitar o estabelecido porart. 1102 c.c.

Uso da propriedade e danos no subsolo e no solo

Finestra

Identificou o propriet√°rio e consequentemente o legitima√ß√£o para intervir no subsolo e no solo √Č natural se perguntar: o que acontece se a atividade de escava√ß√£o (bem como o uso da parte sobrejacente) causar danos?

De acordo com a jurisprud√™ncia o propriet√°rio que executa trabalhos de escava√ß√£o em seu pr√≥prio fundo √© diretamente respons√°vel pelos danos resultantes das propriedades vizinhas, mesmo que ele tenha contratado a execu√ß√£o das obras (ver Cass., 20/3/2006, n¬ļ 6104;., 10/2/2003, n ¬ļ 1954, Cass., 20/12/1978, n ¬ļ 6119. E j√° Cass., 19/4/1974, n ¬ļ 1091).

A este respeito, foi esclarecido que a exist√™ncia da rela√ß√£o de concurso pode ser aplicada para permitir que o cliente fa√ßa uma reclama√ß√£o contra o contratante inadimplente ou culpado ou, quando apropriado, d√™ origem √† responsabilidade do contratado em rela√ß√£o ao terceiro ferido que pode adicionar ao do propriet√°rio, mas n√£o substitu√≠-lo ou exclu√≠-lo (ver Cass., 15/7/1997, n ¬ļ 6473) (Cass. 17 de janeiro de 2012 n. 538).

Uso do solo por terceiros

O que acontece, no entanto, se é um terceiro para usar o subsolo ou uma parte da área acima do solo em si?

em um caso recente resolvido pelo Supremo Tribunal, a disputa girou em torno da instalação, pelo proprietário de um apartamento, de duas venezianas.

De acordo com o vizinho do andar inferior, dono de um nível de terraço, essa instalação levou à sua propriedade e, consequentemente, foi necessário remover as persianas acima mencionadas.

Não, foi a resposta do Tribunal de recurso primeiro (que anulou a decisão do Tribunal) ea Cassação então.

A razão está escrita no segundo parágrafo doart. 840 c.c. mencionado em princípio.

Nós lemos na sentença que nos termos do art. 840 bacalhau civ., a entrada do espaço aéreo sobre o fundo vizinho, é permitida quando este não tem interesse em excluí-lo, ou seja, quando o mesmo intervém a uma altura acima do solo, de modo a não prejudicar qualquer interesse legítimo do proprietário do fundo em relação às possibilidades concretas de uso deste espaço aéreo (anteriormente multis Cassation No. 1484 de 1996, bem como Cassation No. 9047 de 2012).

Palazzo

No caso concreto, como, ali√°s, observou o Tribunal de m√©rito, a coloca√ß√£o dos artigos manufaturados de que eles dizem que n√£o afetam qualquer interesse de (...) propriet√°rio do terra√ßo subjacente, considerando que a fixa√ß√£o na parede de portas que se abrem para fora, a tipologia do produto (arma√ß√Ķes de metal) e o sistema de ancoragem dos pr√≥prios equipamentos n√£o criavam situa√ß√Ķes perigosas para si pr√≥prios, nem a abertura e o fechamento dos quadros, √† espera da altura significativa da superf√≠cie de caminhada, limitavam a uso do terra√ßo subjacente (Cass. 16 de outubro de 2012, n. 17680).



Vídeo: Aprenda mais sobre Solos