Obrigação de renovação

A partir de 31 de maio de 2019, está em vigor a obrigatoriedade das usinas movidas por fontes renováveis ​​em novos edifícios e naquelas sujeitas a grandes reformas.

Obrigação de renovação

Obrigação de instalações de fontes renováveis

Desde a última 31 de maio de 2012 a obrigação de instalar usinas de energia renovável (RES) em novos edifícios e naquelas que estão passando por grandes reformas está em vigor na Itália, caso contrário, a licença de construção não será emitida.

fonti rinnovabili

Esta obrigação surge em conformidade com o disposto no artigo 11.º e no anexo 3 do Decreto Legislativo n. 28/2011, o chamado Decreto Renovável, Implementação da Diretiva 2009/28 / CE relativa à promoção da utilização de energia proveniente de fontes renováveis, que altera e subsequentemente revoga as Diretivas 2001/77 / CE e 2003/30 / CE, que visa promover as energias renováveis.
Portanto, os edifícios sujeitos a esta obrigação devem estar equipados com instalações para a produção de calor, eletricidade e refrigeração alimentado por fontes renováveis.
A lei tem um caráter nacional, mas as Regiões e Municípios podem aumentar os valores mínimos estabelecidos por ela para cima.
Além disso, deve ser lembrado que estas novas fábricas terão acesso às várias formas de incentivos em vigor, como deduções fiscais e conta de energia, apenas para a parte que excede as obrigações estabelecidas por esta nova norma.
No caso de não ser possível cumprir as obrigações legais previstas, e após constatar a não viabilidade de todas as diferentes opções tecnológicas disponíveis, o engenheiro de projeto deve destacar essa ocorrência no relatório técnico referido no Artigo 4, parágrafo 25, do Decreto do Presidente da República, 2 de abril de 2009, n. 59 (Regulamento para a implementação do artigo 4, parágrafo 1, letras a) eb) do decreto legislativo de 19 de agosto de 2005, n. 192, relativa à aplicação da Directiva 2002/91 / CE relativa ao desempenho energético dos edifícios).
Este pode ser o caso com edifícios encadernados, onde o uso de tais plantas poderia levar a uma alteração incompatível com suas características históricas e artísticas.
O objetivo é chegar ao 50% de produção de energia a partir de fontes verde totalmente operacional para 2017. Entretanto, espera-se que um regulamento específico seja emitido.

Energia térmica de fontes renováveis

No que diz respeito às centrais de produção de energia térmica, estava já em vigor uma obrigação regulamentar que previa que seriam capazes de assegurar a cobertura de pelo menos 50% da procura de energia. água quente esperado, e essa cobertura deve continuar a ser garantida juntamente com uma porcentagem da produção de energia para aquecimento e resfriamento.

solare termico

A nova lei estabelece que a incidência da produção de energia a partir de fontes renováveis ​​terá que ser uma porcentagem progressivamente crescente do total.
As etapas fornecidas são as seguintes:
- para as licenças de construção apresentadas a partir de 31 de maio de 2012 e até 31 de dezembro de 2013, pelo menos 20%;
- para licenças de construção apresentadas entre 1 de janeiro de 2014 e 31 de dezembro de 2016, pelo menos 35%;
- para as licenças de construção apresentadas após 1 de janeiro de 2017, pelo menos 50%.
Valores de integração para edifícios públicos no entanto, eles são aumentados em 10% em comparação com esses valores.
A obrigação de integrar as usinas com aquelas movidas por fontes renováveis, como mencionado, irá abranger não apenas novos edifícios, mas também volume superior a 1.000 metros cúbicos, sujeito a renovações radicais e edifícios sujeitos a demolição e reconstrução.
As obrigações regulamentares relativas aos sistemas de ar condicionado não podem ser isentadas pelas instalações de produção de fontes renováveis ​​para a produção exclusiva de electricidade (por exemplo, energia fotovoltaica e eólica), mesmo que esta energia vá para dispositivos de energia para a produção de água quente, aquecimento e resfriamento.
A obrigação não se aplica a edifícios conectados a uma rede de aquecimento urbano que abrange todo o requisito para a produção de calor para aquecimento de ambientes e a produção de água quente sanitária.
A lei também estabelece que projetos particularmente virtuosos se beneficiarão Bônus volumétrico de 5%. São projetos que garantirão uma cobertura 30% superior ao mínimo exigido por lei.

Eletricidade de fontes renováveis

fotovoltaico

No que diz respeito à instalação de plantas para produção de eletricidade, a lei prevê que se garanta poder proporcional à superfície, com parâmetros proporcionais e progressivamente variáveis, também neste caso, com base em intervalos de tempo predeterminados.
Portanto, a potência mínima necessária será igual:
- um 1 kW por cada 80 metros quadrados para títulos imobiliários apresentados a partir de 31 de maio de 2012 e até 31 de dezembro de 2013;
- um 1 kW por cada 65 metros quadrados para os títulos imobiliários apresentados a partir de 1 de janeiro de 2014 e até 31 de dezembro de 2016;
- um 1 kW a cada 50 metros quadrados para criação de títulos enviados após 1º de janeiro de 2017.



Vídeo: Renovação política: OBRIGAÇÃO MORAL!