Notícias sobre o registro público de oposições

As regras que regulam o registro público de oposições, a lista que permite parar as chamadas do call center, agora oferecem proteções mais incisivas.

Notícias sobre o registro público de oposições

Registro público de oposições e referências normativas

Usuário de telefonia fixa

esperado D.Lgs 196/2003, conhecido como o Código relativo à proteção de dados pessoais ou mesmo o Código de Privacidade (doravante o Código), em particular nos Artigos. 7 e 130, o registro público de oposições foi então estabelecido com o D.P.R. 178/2010 que a partir de agora chamamos de Regulamento.
Hoje o novas regras foram, em vez disso, feitas na Lei 5/2018 que veremos agora em detalhes, enquanto nos referimos a informações adicionais sobre os sites do Registro Público de Oposições e o Garante para a proteção de dados pessoais.
O seguinte será emitido nos próximos meses regras de execução da Lei 5/2018.

Registro público de oposições: o que é e como funciona

O Registro Público de Oposições é a lista que permite ao usuário que não deseja, evitar receber comunicações telefônicas destinadas ao envio de material publicitário ou de venda direta ou para a realização de pesquisa de mercado ou comunicação comercial (ver Artigo 7, parágrafo 2, letra b, do Código) operadores, isto é, aqueles sujeitos que, como controladores de dados pessoais (ver Artigo 4, parágrafo 1, letra f do Código), desejam usar os dados nos diretórios públicos para enviar material publicidade ou o venda direta ou para o desempenho de pesquisa de mercado ou de comunicação comercial usando o telefone.
Embora a definição geral se refira às comunicações por telefone e papel impresso (nos termos do artigo 130.º do Código), o Registo em questão apenas permite evitar contactos telefónicos; Como veremos mais adiante, de acordo com a definição atual, só falamos sobre dados nas listas públicas, mas com a Lei 5/2018 a proteção é estendida a todos os usuários.
O operador que, portanto, deseja usar dados pessoais para contatos telefônicos para os fins mencionados acima - de acordo com os Regulamentos - é obrigado a apresentar instância para o Operador de registro (uma instância que deve incluir, inter alia, a lista ou listas a partir das quais os dados serão extraídos).
Em essência, o usuário registrado no registro público de oposições não deve ser contatado para fins publicitários etc.
Na realidade, essas são previsões que nem sempre deram os resultados desejados e, portanto, exigiram correções.
alguns correção foram introduzidas recentemente e veremos com a aplicação prática se são suficientemente eficazes.

Notícias mais significativas da Lei 5/2018

Linha telefônica fixa

As referidas medidas corretivas estão na Lei 5 de 2018. Vamos ver em resumo o que é.
Em primeiro lugar, a proteção do Registro também é estendida aos telefones celulares e telefones fixos que não estão incluídos nos diretórios públicos: portanto, aplica-se a todos os utilitários telefone.
A oposição é assim mesmo revogável, mesmo para momentos específicos ou apenas para alguns dos números registrados.
O registro no Registro envolve o retirada do consentimento para ser contatado para pesquisa comercial ou de mercado, etc. previamente fornecido (exceto aqueles previstos em contratos específicos ou cessados ​​por não mais de trinta dias, relativos ao fornecimento de bens ou serviços, para os quais uma revogação específica é assegurada mediante procedimentos simplificados ver Artigo 1, Lei 5/2018).
S
Eles também pretendem revogar o consentimento previamente dado sobre a transferência para terceiros dos dados. você válido consentimento para o uso de dados (sempre para fins comerciais, etc.) fornecidos pelo usuário subseqüentemente para se registrar no Registro.
o proibição, com a entrada em vigor da lei (ou seja, a partir do dia da sua publicação em 3 de Fevereiro de 2018), comunicar a terceiros, transferir e divulgar dados pessoais Pessoas cadastradas para fins de propaganda ou vendas ou pesquisa de mercado ou comunicações comerciais que não estejam relacionadas às atividades, produtos ou serviços oferecidos pelo controlador de dados, se não comunicar à parte os detalhes do terceiro a quem eles são transferiu os dados.

Penas de aperto para call centers

Eles estão apertados sanções: além do que já previa para o caso de processamento ilegal de dados (Artigo 167, Código), no caso de violação das proibições esperado no campo da comunicação para terceiros, transferência e o propagação dos dados (conforme artigo 1, seção 7, Lei 5/2018), está prevista uma multa de 10.000 euros a 120.000 euros (conforme artigo 162, parágrafo 2º-bis) e, caso reiteração das infrações acima mencionadas, a possibilidade de desfazer a suspensão ou, nos casos mais graves, a revogação da autorização para o exercício da atividade também está prevista.
Além disso, em caso de violação do direito de oposição (nos termos previstos na Lei 5/2018) está prevista uma multa de 10.000 euros a 120.000 euros (nos termos do artigo 162, parágrafo 2, parágrafo) e em caso de violação da lei. a possibilidade de organizar a suspensão ou, nos casos mais graves, a revogação da autorização para realizar a atividade.
Além disso, o titular do tratamento dados, isto é

A pessoa que toma as decisões relativas aos fins, aos métodos de tratamento de dados pessoais e às ferramentas utilizadas, incluindo o perfil de segurança; art. 4, código)

é responsável em sólido com o call center que executa as violações da lei (mesmo quando atribui a terceiros a atividade do call center para fazer chamadas telefônicas).

Obrigações dos operadores

L 'obrigação, para os operadores que executam as atividades acima mencionadas, de consultar o registro com cadência mensal e, em qualquer caso, primeiro para iniciar cada campanha e atualizarconseqüentemente, suas próprias listas.
A fim de facilitar a consulta e reduzir os custos para os operadores, a lei prevê a emissão de um decreto ministerial, no prazo de seis meses a contar da entrada em vigor da lei, que diz respeito aos critérios de actualização taxas (de acordo com os procedimentos já estabelecidos pelo Regulamento 178/2010).

Call center pede vendas comerciais, pesquisa de mercado


Este decreto deve obedecer aos seguintes critérios:
- promover a adoção de formulários técnicos para conter o custo das tarifas;
- prever formulários tarifários preferenciais também com formas de assinatura temporária para operadores que não tenham sido punidos nos últimos cinco anos por violação do direito de oposição na forma de registro no Registro (ex-Artigo 130, co.3- bis, D.Lgs, 196/2003);
- em qualquer caso, as tarifas devem cobrir os custos de manter o registro.
Proibição de uso de compositores automáticos para procurar números (mesmo aqueles não incluídos nas listas públicas referidas no Artigo 129, Código).

Oposição para chamar as chamadas do centro


A violação do preceito prevê uma multa igual a 10.000 a 120.000 euros (de acordo com o artigo 162, parágrafo 2-bis, do Código).
Por último, deve ser feita referência a um decreto ministerial para a introdução do mudanças um regulação em vigor no que diz respeito às normas que regulam o registo e funcionamento do Registo de Oposições e para a revogação de quaisquer disposições regulamentares que sejam incompatíveis com as previstas na nova lei. Este decreto deve ser emitido no prazo de noventa dias após a entrada em vigor da Lei 5/2018.
Os operadores devem também garantir o cumprimento da obrigação de apresentaridentificação da linha de chamada e cumprimento do direito de opor processamento (de acordo com o Artigo 7, Código).
Para este fim, oautoridade para o garantias nas comunicações deve, no prazo de noventa dias a partir da entrada em vigor da lei, identificar dois códigos ou prefixos específicos que permitam identificar e distinguir imediatamente as chamadas feitas para atividades estatísticas daqueles destinados a pesquisa de mercado, publicidade, vendas e comunicação comercial.
Os operadores que realizam atividades de call center terão que adaptar os números ou eles terão que apresentar o número para o qual eu posso ser contactado do consumidor.
O não cumprimento destes preceitos será sancionado pela Autoridade de Garantia das Comunicações.



Vídeo: Custo para registrar uma arma no Brasil pode chegar até R$ 8 mil | SBT Brasil (22/01/19)