Novos métodos de cálculo e padrões mínimos de desempenho energético

Mudança regulatória importante na eficiência energética: novos métodos de cálculo em vigor, novos padrões mínimos de desempenho e novo modelo APE

Novos métodos de cálculo e padrões mínimos de desempenho energético

Notícias a nível nacional sobre a eficiência energética dos edifícios

Três decretos interministeriais sobre a eficiência energética dos edifícios entraram em vigor 1º de outubro no ano passado.

Método de cálculo de eficiência energética

Publicado no Diário Oficial em 15 de julho, os decretos implementam o directiva sobre edifícios de energia quase zero (2010/31 / EU - também conhecida como EPBD reformulada) e siga as chamadas Decreto do Making (o decreto-lei 4 de junho de 2013 No. 63, em seguida, convertido com alterações pela lei 03 de agosto de 2013 No. 90).
Estes são três decretos assinados no mesmo dia pelos ministros competentes (Ministro do Desenvolvimento Económico em concertação com os Ministros do Ambiente e da Protecção da Terra e do Mar, Infra-estruturas e Transportes, Saúde e Defesa), têm o mesmo nomeação, mas regulando três áreas distintas relacionadas com a eficiência energética dos edifícios:
- Decreto de 26 de junho de 2015 Aplicação de métodos de cálculo para desempenho energético e definição de requisitos e requisitos mínimos de construção;
- Decreto de 26 de junho de 2015 Esquemas e métodos de referência para a elaboração do relatório do projecto técnico para a aplicação dos requisitos e requisitos mínimos para o desempenho energético dos edifícios;
- Decreto de 26 de junho de 2015 Adaptação ao Decreto do Ministério do Desenvolvimento Econômico 26 de junho de 2009 - Diretrizes nacionais para a certificação energética de edifícios.

Aplicação dos novos regulamentos nacionais nas regiões e províncias autónomas

As novas disposições aplicam-se às regiões e às províncias autónomas que ainda não adoptaram medidas de transposição do Diretiva 2010/31 / UE.
As regiões que já introduziram a directiva antes da sua transposição a nível nacional devem adaptar-se às novas disposições por 1º de outubro de 2017.
No momento, as regiões da Lombardia, Emília Romanha e Piemonte já se adaptaram aos três decretos nacionais.
O ajuste visa resolver a situação desigual atualmente presente na Itália gerada pela autonomia regional concedida nos últimos anos no campo da eficiência energética.

Notícias sobre a metodologia de cálculo e requisitos mínimos de desempenho energético

O novo cálculo previsto pelo decreto Aplicação de métodos de cálculo para desempenho energético e definição de requisitos e requisitos mínimos de construção usa o seguinte padrões de referência principal:
- recomendação 14/2013 do Comitê Italiano de Termotécnica CTI;
- UNI / TS 11300 partes 1, 2, 3 e 4;
- UNI EN 15193.

Eficiência energética

Não são introduzidas obrigações de reestruturação ou requalificação de energia para os edifícios existentes, mas os requisitos mínimos obrigatórios de desempenho energético só são estabelecidos em caso de construção de novos edifícios, renovações importantes e upgrades de energia ativados voluntariamente dos cidadãos.
Dependendo do tipo de intervenção, diferentes requisitos são estabelecidos.
Os valores mais restritivos referem-se à categoria de novos edifícios, que incluem também os edifícios sujeitos a demolição e reconstrução e a expansão dos edifícios existentes.
Neste último caso, a regra aplica-se apenas à parte estendida.

Notícias para o relatório do projeto técnico

O decreto Esquemas e métodos de referência para a elaboração do relatório do projecto técnico para a aplicação dos requisitos e requisitos mínimos para o desempenho energético dos edifícios predispõe esquemas diferentes de acordo com o tipo de intervenção.
Os regimes referem-se, em especial:
- novos edifícios;
- importantes reformas;
- redesenvolvimento de energia.

Notícias para Certificados de Desempenho Energético

APE 2015

O novo APE (Certificado de Desempenho Energético) foi finalmente padronizado em todo o território nacional, superando as diferenças surgidas nos últimos anos entre as Regiões.
Outra novidade importante é a qualidade das informações fornecidas, que serão mais completas. Por exemplo, vamos encontrar a contribuição do novo cálculo todas as plantas presente no edifício: ar condicionado de inverno, ar condicionado de verão, água quente para uso doméstico, iluminação e ventilação.
o classes de energia além disso, sete a dez passam. Do A4, considerado o melhor, para o G, o pior.
O Decreto relativo às Diretrizes Nacionais para Certificação Energética também contém um regulamento do anúncios de venda ou arrendamento.

Anúncios imobiliários da APE

Em todo o território nacional o índice de desempenho energético da envolvente, o índice de desempenho energético global, tanto renovável como não renovável, e a classe de energia relativa deve ser comunicada.
Com exceção dos anúncios via Internet e na imprensa, você terá que usar o diagrama que vemos ao lado, referido no Apêndice C do decreto.

Nova versão do software ENEA DOCET

ENEA disponibilizou em seu site a nova versão do DOCET, o software para a preparação de APE para edifícios residenciais existentes, com uma superfície de menos de 3000 metros quadrados.
Por enquanto, é uma versão beta. A função de edição APE não está disponível atualmente, mas será ativada assim que o software for considerado estável.



Vídeo: QUALIDADE DA ENERGIA - RESOLUÇÃO 414 - DEC E FEC INDICADORES COLETIVO