Plano nacional de eficiência energética: no Diário Oficial da União, o decreto

Publicou no Diário Oficial o decreto do Ministério do Desenvolvimento Econômico contendo o plano nacional de eficiência energética, dados e objetivos.

Plano nacional de eficiência energética: no Diário Oficial da União, o decreto

Enea desenvolve o 2017 Paee

Caminho livre para Paee 2017 desenvolvido por Enéias e assinado por ministério o Desenvolvimento econômico.
Com base nos dados que emergem, a economia de energia na Itália está crescendo. Esta parece ser a tendência até 2020. Os resultados alcançados, os objetivos e as previsões para a melhoria da eficiência energética são relatados. Vamos tentar entender o que é.
o decreto 11 de dezembro de 2017 do Ministério do Desenvolvimento Econômico (em conjunto com o Ministro do Meio Ambiente, Mef e Mit), com a aprovação do piano plano de acção nacional paraeficiência energia - EEAP 2017 é publicado no Diário Oficial n. 45 de 23 de fevereiro de 2018.
Planejou a transmissão do plano para Comissão Europeia, em conformidade com o disposto no art. 17, parágrafo 1 do Decreto Legislativo 4 de julho de 2014, n. 102. Os anexos ao decreto podem ser baixados, acessando o site do Ministério do Desenvolvimento Econômico no seguinte endereço:
//mise.gov.it/index.php/it/energia/efficienza-energetica.

Plano de eficiência energética


O decreto em questão inclui o medidas metas nacionais para o melhoria eficiência energética, dados sobre poupança de energia alcançados e os esperados, bem como os estimativas em relação ao consumo geral de energia até 2020.
Para essa data, a duplicação do economia de energia. O programa propõe uma redução para 2020 de 20 milhões de toneladas equivalentes de petróleo (TEP), equivalentes a 15,5 Mtep / ano de energia final.
O Plano Nacional de Eficiência Energética, com base nas disposições da Diretiva 2012/27 / UE, deve ser aprovado e apresentado à Comissão Europeia pelos Estados-Membros numa base regular. de três anos. O aprovado hoje substitui, portanto, o Plano 2014.
Relevantes para implementar programas são também as várias formas de incentivo, tanto para os indivíduos como para as PME, que contribuíram fortemente para alcançar os objectivos. De fato, evidências foram dadas ao deduções fiscais para a requalificação energética do património edificado.
A atualização da legislação relativa às deduções fiscais permitiu melhorar o rácio entre as despesas a incorrer e a poupança de energia alcançável.
Os certificados brancos e o mecanismo da conta de aquecimento contribuirão significativamente para atingir o objetivo.
Também significativas são as reformas no setor da construção que permitiram uma redução no consumo graças à instalação de caldeiras de condensação e à substituição de luminárias. A maior parte das economias será encontrada no setor residencial, menos evidente até agora nos transportes e na indústria.



Vídeo: Governo publica decreto que autoriza uso das forças Armadas em penitenciárias