Martino Gamper em Londres 2019

Nos Jogos Olímpicos de Londres 2019 também uma série de mobiliário artístico ao ar livre, criado como uma rota para os visitantes do parque Olímpico.

Martino Gamper em Londres 2019

bench to bench, Martino Gamper

Pouco está faltando Olimpíadas de Londres.

E h√° muitos deles previews sobre o que acontecer√° em agosto na cidade brit√Ęnica. Design tamb√©m tem seus argumentos. N√£o apenas para a Vila Ol√≠mpica, os parques e acomoda√ß√Ķes da acomoda√ß√Ķes & Co., mas tamb√©m um projeto interessante que diz respeito mobili√°rio urbano, que tamb√©m ter√° a fun√ß√£o de marcar o caminho para o Parque Ol√≠mpico.

O projeto fala italiano e foi confiado a um design eclético Martino Gamper, que estudou uma série de acessórios, declinou entre bancos e banquetas, com um design muito particular.

Banco para banco, isso √© chamado de projeto, √© composto de alguns sess√Ķes art√≠sticas que embelezar√° o tecido urbano da capital, acima e acima de tudo nas √°reas pr√≥ximas √†s instala√ß√Ķes esportivas, organizando assim √°reas de tecido urbano menos curadas. S√£o m√≥veis art√≠sticos e evocativos, encomendados diretamente pela London Thames Gateway Development Corporation.

bench to bench, martino Gamper 2

Feitos de concreto cortado a laser, laminados em aço galvanizado revestido a pó e madeira composta, os assentos são um caminho ideal para seguir em uma área que de outra forma seria difícil atravessar nitidamente, para chegar ao Parque Olímpico. A escolha do melhor é interessante materiais: todos reciclados. Essa é uma maneira de testemunhar o espírito verde desta edição de 2012 das Olimpíadas.

Colocado ao longo do caminho que leva √† maioria das instala√ß√Ķes desportivas, estes m√≥veis s√£o pe√ßas reais de mob√≠lia de rua, que vai testemunhar ainda mais por ocasi√£o de um evento t√£o importante, como arte e design pode ter um papel de lideran√ßa no desenvolvimento social e econ√īmico de uma metr√≥pole como Londres.

martino gamper

Turma 1971nasceu e criou um MeranoDepois de se formar em Viena na Academia de Belas Artes, Martino Gamper mudou-se para Londres em 1998, onde ainda vive e trabalha. Suas obras s√£o decididamente ecl√©ticas: uma reutiliza√ß√£o de materiais, combinada com uma retrabalho dos formul√°riosencontrar solu√ß√Ķes fora do comum, que muitas vezes v√£o al√©m do pr√≥prio design para se tornar obras de arte, com uma hist√≥ria. Por exemplo, o projeto 100 cadeiras em 100 dias e suas 100 maneirasiniciado em 2005, trouxe uma reputa√ß√£o internacional: 100 cadeiras jogadas foradesmonte remontado em diferentes combina√ß√Ķes. Uma aplica√ß√£o interessante de Up-Cycling, ou reciclagem com refunctionalization, onde o designer mostrou sua fraqueza por objetos cheios de hist√≥ria, mas descartados. Ou o projeto condom√≠nio, que em setembro do ano passado foi feito nos espa√ßos de Fatia de Polenta, o curioso pr√©dio de Turim com arquitetura bizarra, lar da Galeria Franco Noero.

Vigna, per Magis

Encontramos a paixão das cadeiras por Martino Gamper também no primeiro projeto industrial do designer, ou o Cadeira Vigna, criado para o Magis ao ar livre, apenas em 2011. Realizado na haste, lembra uma videira, também para o curl processamento, que além de ser um elemento decorativo, também se torna uma característica estrutural, pois dá maior valor resistência e estabilidade para a cadeira em si.

Juntamente com a haste, o assento √Č feito em pl√°stico, com a t√©cnica de bi-inje√ß√£o, que permite que a sess√£o seja realizada em numerosas combina√ß√Ķes e com cores duplas. Da mesma linha tamb√©m um mesa redonda com uma tran√ßa na haste que serve como uma coluna central e duas mesasum quadrado e um retangular, com quatro pernas, sempre com vara tran√ßada.

Para mais informa√ß√Ķes:

gampermartino

ltgdc

magisdesign



Vídeo: total trattoria