Empréstimos: ajuda da igreja

Uma forma particular de empréstimo é o Empréstimo da Esperança. Nascido em 2019, é hoje objeto de um acordo entre a Igreja Católica e a Intesa San Paolo SpA.

Empréstimos: ajuda da igreja

Qual é o empréstimo da esperança?

empréstimo

Entre as iniciativas de solidariedade nascidas com a crise, temos a Empréstimo de esperança.
Em suma, é uma forma de empréstimo direto para determinadas categorias desfavorecidos para facilitar o acesso ao crédito, «Apoiar as necessidades económicas transitórias das famílias e promover novas iniciativas empresariais».
Nascido em 2009 com um convênio firmado entre a CEI e a ABI, o projeto passou a ser objeto de um convênio entre a CEI e a Intesa San Paolo.
O acordo assinado em 2009 expirou e em 2015 foi substituído por um novo acordo: os empréstimos futuros serão, portanto, regulados pelo novo, enquanto para aqueles existentes a essa data serão aplicadas as regras anteriores.
Em particular, oacordo original, estipulado em 6 de maio de 2009 pela CEI e pela ABI (Associação Italiana de Bancos), expirou em 31 de março de 2014.
Foi chamado «Acordo-quadro para um programa nacional de microcrédito dirigido a famílias em dificuldade após a crise econômica». De acordo com este acordo, o fundo de garantia foi fornecido para famílias com mais de três filhos ou doentes dependentes que se encontram em dificuldades devido à perda de trabalho, com subsídios mensais de 500 euros para pagar a dívida.aluguel ou o empréstimo.
o 26 de fevereiro de 2015 um foi estipulado novo acordo, do nome «Convenção para a implementação do projeto« Empréstimo de esperança »promovido pela Conferência Episcopal Italiana» para o «Empréstimo de esperança 3.0».
Ele expirou em 31 de março de 2016, mas, na ausência de comunicação por escrito, foi tacitamente prorrogado. As partes podem, no entanto, desistir a qualquer momento com um aviso que deve chegar aos outros sessenta dias antes.
Vamos nos referir brevemente ao conteúdo do novo contrato.
Como sempre, recomendamos uma leitura completa dos textos aos quais nos referimos e recomendar o conselho de especialistas, nos casos mais complexos.

Compromissos das partes, resumindo

Em particular, as partes do novo acordo são: la CEI (Conferência Episcopal Italiana), banco Intesa San Paolo SpA e Banco Próximo, com a colaboração de Caritas Italiano e a Associação VO.B.I.S (Banco Voluntários para a Iniciativa Social).
Em poucas palavras: o CEI coloca os recursos, o próximo Banco os administra (em nome de um mandato com representação) e disponibiliza uma plataforma para a convenção.
Banco Próximoem virtude do mandato, gere o Fundo de Garantia; admite os empréstimos concedidos pelo Banco; atende aos pedidos de execução da garantia mediante pagamento ao Banco do valor solicitado por ela, tudo em conformidade com as condições estabelecidas no contrato.
o bancoPor sua vez, compromete-se a disponibilizar um teto de pelo menos 100 milhões para os empréstimos admitidos na convenção, para cumprir os compromissos do acordo, de iniciar ações de recuperação, se solicitado pela CEI.
o Caritas, com sua rede territorial, «Garantir os objectivos de natureza eclesial, solidária e subsidiária do Empréstimo da Esperança 3.0»; eles se encontram com os potenciais beneficiários, verificando a existência dos requisitos; aprovam a admissão ao empréstimo e, uma vez concedido o empréstimo, cuidam do acompanhamento, acompanhamento e acompanhamento dos empréstimos concedidos.
A Caritas também realiza atividades destinadas a prover as Redes Fiduciárias com as ferramentas necessárias para «Avaliação correta da possibilidade de superar o estado de vulnerabilidade econômica pelas partes solicitantes e validar sua admissão ao empréstimo».
A Caritas colabora com o VO.B.I.S. coordenar as atividades tanto para os beneficiários quanto para os bancos.
a associação VO.B.I.S. realiza avaliação, acompanhamento, tutoria e acompanhamento das matérias solicitantes, vinculando-se à Caritas e ao Redes fiduciárias; também realiza atividades de capacitação nas agências dos Bancos para avaliar a possibilidade de superação do status de vulnerabilidade econômica pelos sujeitos financiados.
Em geral, a associação fornece a expertise de seus voluntários para a implementação do projeto.

Destinatários do Project 3.0

dificuldades econômicas

o destinatários o Empréstimo de esperança 3.0 eles são o micromimprese, conforme definido pelo Código do Consumidor, bem como pessoas e o famílias que se encontram em dificuldade; dentro do acordo, dependendo do destinatário, o empréstimo leva o nome de crédito comercial ou crédito social.
o microempresa é definido pelo Código do Consumidor como «Entidades, sociedades ou associações que, independentemente da sua forma jurídica, exercem uma atividade económica, ainda a título individual ou familiar, empregando menos de dez pessoas e realizando um volume de negócios anual ou um balanço anual não superior a dois milhões de euros; nos termos do nº 3 do artigo 2º do anexo da Recomendação nº 2003/361 / CE da Comissão, de 6 de Maio de 2003 » (art. 18, co. 1, lett. d-bis, Decreto Legislativo n. 206/2005).
Destinatários devem possuir i requisitos previsto porAnexo a) Acordo.
Em suma, deve ser pessoas ou famílias que estão em «Situação do vulnerabilidade aspectos econômicos e sociais, tais como:
a) pessoas em dificuldades econômico-financeiras, desempregados e desempregados devido à crise econômica, jovens em busca de seu primeiro emprego, trabalhadores precários, jovens casais no início de sua família legalmente reconhecida ou em vias de se estabelecer, que precisam de bens e serviços primeira necessidade, excluindo o apoio a despesas voluptuosas e supérfluas
b) categorias de pessoas desfavorecidas capazes de empreender um novo projeto de trabalho ».
Quanto ao micromprese, devem estar dentro da definição acima mencionada, referida noart. 18, Cod.e deve ser constituído «Sob a forma de: empresas individuais, parcerias, S.R.L. ex simplificado art. 2463bis c.c.bem como empresas cooperativas » que: «- deparar-se com dificuldades no acesso ao crédito para obter investimentos sustentáveis ​​no crescimento e desenvolvimento; - estão na fase de arranque ».

Documentação da existência dos requisitos

o candidatos, se pessoas físicas, devem ter os seguintes documentos:
«A) Certificação ISEE emitida por um organismo oficial autorizado;
b) em caso de desconforto, doença ou deficiência: cópia da documentação atestando a circunstância, emitida pelo INPS ou outro organismo competente (órgão público, ASL...)
c) em caso de desemprego: carta de demissão e prazo de pré-aviso ou termo do contrato ou inscrição nas listas de desemprego ».
se Microempresas já em atividade ou novas atividades deve ter:
«1) Registo na Câmara de Comércio e número de IVA;
2) Saldo dos últimos três anos ou período mais curto equivalente a todo o período de atividade,
3) Plano de negócios do projeto de revitalização;
4) Plano de negócios de start up de novos negócios;
5) Regularidade de Posições Fiscais e Previdenciárias (DURC) ».

empréstimos

o financiamento elegíveis devem ter as seguintes características.
Quanto ao crédito social (que diz respeito a indivíduos e famílias), deve ser «Empréstimos de valor não superior a 7.500 euros, TAN não superior a 2,50%, pagos de uma só vez ou em várias parcelas periódicas, de acordo com outros métodos acordados entre o Banco e o cliente. Um período de pré-amortização de 12 meses está previsto; O empréstimo tem uma duração máxima de 6 anos, incluindo o período de pré-amortização. As penalidades de reembolso antecipado não se aplicam ao financiamento » (V. all.b, convenção).
Quanto ao crédito para a empresa (que diz respeito às microempresas) deve ser «Empréstimos não superiores a € 25.000 pagos em uma única parcela para o lançamento ou desenvolvimento de uma iniciativa empreendedora ou de auto-emprego, TAN não superior a 4,50%.
Um período de pré-amortização de 12 meses está previsto; O empréstimo tem uma duração máxima de 6 anos, incluindo o período de pré-amortização. As penalidades de reembolso antecipado não se aplicam ao financiamento » (V. all.b, convenção).
No âmbito do projecto, o CEI e o Banco podem acordar, por escrito, as especificações Iniciativas Experimentais, isto é, eles poderão fornecer critérios de implementação diferentes daqueles previstos no acordo.

Fundo de Garantia

O projeto prevê o estabelecimento de um fundo de garantia com depósito pelo CEI na Banca Prossima.
O banco, subsídios financiamento, comprometendo-se a conceder um montante até ao máximo de 4 vezes os activos do Fundo de Garantia. Banco Próximo fornece o plataforma software para gerenciamento de garantia e lida comadmissão aos benefícios do Fundo de Garantia.
«A garantia do Fundo de Garantia é a única garantia que ajuda os empréstimos desembolsados ​​pelo Banco nos termos da Convenção» (V. art. 5, convenção).
Os métodos de acesso ao Fundo de Garantia e a ativação da garantia dos mesmos são definidos no Anexos C) e D) acordo, que resumimos brevemente.

Operações de fundos

o interessado Posso entrar em contato com as filiais locais da Cartitas e do Redes fiduciárias, que realizam um primeira avaliação do pedido.
a associação VO.B.I.S fazer um «julgamento sobre a sustentabilidade do financiamento e acompanha » candidatos nas filiais do banco de São Paulo selecionado.
o banco, realizado a seu critério avaliação de crédito, se o empréstimo for aceito, entre em contato com a Banca Prossima para o ativação da garantia.
Banco Próximo dá ao pedido um número de posição progressiva, de acordo com o ano, mês, dia, hora e minuto de chegada, e verifica a capacidade do Fundo.
Se a disponibilidade do Fundo de Garantia for totalmente completa contratado, nega a admissão à garantia, comunicando-a ao CEI, ao Banco, Caritas e Vo.B.I.S.
o banco, com a Plataforma, comunica ao Banca Prossima o perfeição da operação de financiamento no prazo máximo de 15 dias úteis, ou qualquer não pagamento deste empréstimo no prazo máximo de 10 dias úteis, a partir da aquisição do pedido de empréstimo.
Em caso de conclusão, após o pagamento, o Banca Prossima - em nome do CEI - emite a declaração de admissão à garantia do Fundo através da Plataforma.
«O Banco notifica o gestor da rescisão antecipada do empréstimo com base nos métodos identificados pelo próprio gestor» (V. all.c).

Gestão e execução da garantia


financiamento

Banco Próximo, recebeu do Banco o pedido de ativação da garantia, verificação o capacidade do Fundo de Garantia e admite o financiamento da garantia, dando-lhe informações no prazo de três dias úteis para o Banco, para Caritas, para as Redes Fiduciaries e Vo.B.I.S...
Se o Fundo de Garantia estiver globalmente ligado a um valor igual a 90% do seu orçamento, a Banca Prossima informará o CEI.
Quando o percentual de 95% for atingido, o Fundo de Garantia está vinculado, o Gestor interromperá a admissão dos empréstimos de garantia referindo-se ao CEI a avaliação de possíveis acréscimos.
Se o beneficiário não cumpre para o financiamento, o Banco, após trinta dias da data de vencimento da primeira parcela permaneceu, mesmo parcialmente sem solução, envia para a Caritas e para Vo.B.I.S um primeiro aviso, de modo que diretamente solicitar beneficiário, possivelmente também através das Redes Fiduciarias.
Se, após mais sessenta dias, não houver vencimento, o Banco enviará «Ao beneficiário o aviso de pagamento do valor da exposição por parcelas não pagas, capital residual, juros contratuais e de inadimplência e todos os acessórios», por carta registada a.r. contendo o aviso para pagar a quantia devida.
Faleceu em vão mais 75 dias a contar da data de recepção pelo beneficiário do aviso, «O Banco pode executar a garantia do Fundo de Garantia..., por carta registada com aviso de recepção enviado ao Banca Prossima dentro dos próximos noventa dias, e pode iniciar, a expensas próprias, o procedimento para a recuperação de qualquer parte do crédito e acessórios não garantidos pelo Fundo de Garantia.... no prazo de quinze dias a contar da data da recepção do pedido, o Banca Prossima, de acordo com a ordem cronológica de recepção dos pedidos, prevê o pagamento do montante solicitado ao Banco Garantido ».
Se, após a execução da garantia do Fundo, o beneficiário do empréstimo pagartotal ou parcialmente da dívida, o Banco deve pagar a CEI, com crédito para a conta corrente, as quantias «Na medida proporcional correspondente à parcela garantida pelo Fundo de Garantia».
Com a mesma convenção, o CEI instrui o Banco «Para a recuperação dos montantes pagos pelo Fundo de Garantia. Quaisquer quantias recuperadas são reconhecidas à CEI... proporcionalmente ao montante garantido pelo Fundo de Garantia.».
O Banco identificará, a seu exclusivo critério, os métodos para implementar ações de recuperação, possivelmente iniciando ações judiciais.



Vídeo: Como o banco avalia um empréstimo- emprestar ou não? (entenda). Thiago Martins Avila.