Como será o novo registro de terras?

O novo cadastro terá as receitas calculadas com base nos metros quadrados e não mais nas salas e as antigas categorias cadastrais desaparecerão, substituídas por dois grupos.

Como será o novo registro de terras?

Reforma do cadastro

A partir de 2013, um processo progressivo está em andamento Reforma do Registo Predial, cuja partida podemos datar de novembro passado, quando o comissões de recenseamento isso terá que determinar a nova renda cadastral com diferentes critérios do passado.

novo cadastro

É um processo que terá sua conclusão final apenas em 2019, mas um primeiro momento importante estará contido no lei delegada que deve ser demitido pelo Conselho de Ministros em 20 de Fevereiro próximo.
O processo de reforma é muito importante porque afetará cerca de 63 milhões de propriedades na Itália, para as quais tentaremos definir rendas mais próximas dos valores reais de mercado.
Para isso, a Agência de Terras (agora absorvida pela Receita Federal) terá que contar com a contribuição dos municípios e dos profissionais do setor imobiliário para atualizar o banco de dados à sua disposição.
Eles serão responsáveis ​​por monitorar a tendência dos preços de mercado e fornecer dados estatísticos em bases territoriais, graças aos quais as novas anuidades serão calculadas.

Como a nova renda cadastral será calculada?

A renda cadastral é essencial para fins tributários, pois representam a base tributária de diferentes tributos no tijolo como Imu, Tasi e Tari. Mas no futuro será mais apropriado falar sobre valor do ativo de um edifício.
As autoridades fiscais, graças aos dados coletados conforme indicado acima, formularão uma série de funções estatísticas, tomando como parâmetro do propriedades de tipo.
Em cada função serão inseridos alguns parâmetros específicos de cada propriedade individual, como:
• estado de conservação
• visão principal
• planejar
• superfície
• presença do elevador.

cálculo de renda cadastral

O resultado da operação fornecerá um valor por metro quadrado que, multiplicado pela superfície do edifício, dará sua renda cadastral, substituindo a receita antiga calculada por cômodo.
O resultado obtido, no entanto, sofrerá um Redução de 30%, a fim de evitar a obtenção de um resultado superior ao valor de mercado da propriedade.
No caso de ser impossível para uma propriedade rastrear seus dados de métrica, será aplicada uma sistema de conversão de sala em metros quadrados.
A título de exemplo, no caso das habitações civis, as pertencentes à categoria cadastral A2, cada sala corresponderá a 21 metros quadrados.
O método descrito será usado para imóveis residenciais, enquanto que para aqueles de outro tipo, uma metodologia diferente será adotada.
Para armazéns industriais e clínicas, por exemplo, uma espécie de método de estimativa direta, cujo resultado será sempre reduzido, neste caso 20%, para evitar a derrubada dos valores de mercado.

Novas categorias de registro de terras

A reforma também prevê uma nova classificação de propriedades, com base no uso pretendido.
Não haverá mais as categorias A-B-C-D-E-F, mas apenas dois grupos:
• propriedades ordinárias (grupo O);
• propriedades especiais (grupo S).
As casas deixarão de ser distinguidas em várias categorias (A1, A2, A3, etc.), mas todas se enquadrarão na categoria O1.
As categorias de propriedades populares ou de luxo desaparecerão, mas elas reaparecerão de outra forma: na verdade, o Ministério da Fazenda definirá os critérios para avaliar as propriedades imponentes e artístico-históricas.
As igrejas permanecerão entre os edifícios isentos do pagamento de impostos, uma vez que são mantidos propriedades improdutivase, portanto, eles não são atribuídos uma renda e um valor imobiliário.

O resultado final do novo cadastro

o roteiro A receita da agência prevê a partida até o primeiro dia de julho deste ano, quando deverá iniciar a amostragem dos edifícios, enquanto as funções estatísticas para realizar os cálculos deverão ser finalizadas até meados de 2018.
Desta forma, a reforma deve ser concluída, como planejado, até 2019.
Objetivo principal A reforma ilustrada visa remediar as desigualdades óbvias presentes em muitas cidades italianas, como a das propriedades de luxo localizadas em alguns centros históricos, classificadas como habitações ultra-planas e, portanto, sujeitas a tributação irrisória.
Mas todas essas mudanças afetarão os bolsos dos contribuintes? o Governo fala de substancial invariância para dizer que, se por um lado haverá aqueles que pagarão mais, como os proprietários dos edifícios históricos mencionados acima, por outro lado também haverá aqueles que pagarão menos.
No entanto, esta declaração não garante a maioria dos cidadãos do pesadelo de ver a renda de suas casas aumentada e, consequentemente, o montante da tributação a que estão sujeitos e, de fato, foram expressas preocupações a este respeito também por Confedilizia.



Vídeo: Registro de agua DTools novo e defeituoso