Quanto tempo dura e como é renovado o escritório do administrador do condomínio?

Após a reforma do condomínio, a nomeação do diretor tem a duração de um ano e, no final do ano, destina-se a ser renovado pela mesma duração.

Quanto tempo dura e como é renovado o escritório do administrador do condomínio?

Duração do cargo do administrador do condomínio

condomínio

Que do duração da consulta do administrador é uma questão de consideráveis ​​implicações práticas, especialmente quando a relação entre o administrador e os condomínios é exacerbada e amadurece no segundo a idéia de mudança administrador.
Quanto tempo dura a tarefa? Deve ou pode ser renovado? Em caso afirmativo, pode ser renovado indefinidamente? A assembléia deve ser convocada para qualquer extensão? o reforma do condomínio trazido pelo L. n. 220/2012 gerou alguma notícia? O que pode competição o condomino?

Duração da nomeação do administrador: como era antes

De fato o reforma de 2012 fez algumas mudanças no assunto.
Então, para ter uma visão mais completa e clara do problema, vamos começar dando uma dica para o anterior legislação.
Bem, oart. 1129, co. 2c.c. providenciou que a tarefa durasse um ano e sempre pudesse ser revogada pela assembléia (em todos os tempos).
Além das questões controversas que esta regra trouxe, não havia dúvida de que no final do ano a tarefa tinha que ser realocada ou não, salvo a possibilidade de revogação a qualquer momento.
Em suma, al expirar do ano a assembléia sim ele tinha expressar de alguma forma.
Até que isso acontecesse, o administrador continuava a administrar sob o regime de prorogatio com a possibilidade, no entanto, para cada condomínio solicitar a nomeação judicial em caso de inércia da assembléia, convocada para se expressar sobre o trabalho.

Duração da nomeação do diretor: como é hoje

Seguindo o reforma de 2012 o mesmo artigo, al parágrafo 10, hoje textualmente diz que o cargo de diretor dura um ano e nós queremos dizer renovada pela mesma duração.
A assembléia de acionistas pediu a revogação ou a renúncia da resolução sobre a nomeação do novo diretor.
A nova versão da norma substancialmente parece prolongar a possibilidade da duração da cessão até dois anos.
Não está claro qual a utilidade da lei se não for dar estabilidade às relações e gestão do condomínio, mas deixando a possibilidade para condòmini de bloco tudo no primeiro ano, expressando desacordo com a renovação.
Para ser preciso não é exatamente o duração que muda, mas o que pode ser feito em expirar ano.
a correção assim as ambiguidades criadas pela solução da administração em prorogatio (por exemplo, dúvidas sobre quais poderes o administrador poderia exercer sob o regime de prorrogação).
Claro, sempre salva a possibilidade de revogação a qualquer momento (v. art. 1129, co. 11, código comercial.).
Em suma, no final do ano deve ser convocada uma assembleia e é necessário indicar na ordem do dia a renovação da nomeação, ou não?

Duração da nomeação e revogação de irregularidades graves

Montagem de condomínio

Existe uma relação entre as regras sobre a duração da nomeação e as relacionadas com a revogação da irregularidades graves?
Portanto, o descumprimento das regras sobre a duração do trabalho poderia integrar uma hipótese de irregularidade grave (com consequente possibilidade de revogação)?
A regra referidaart. 1129 c.c., co. 11, ao prever que a revogação da autoridade judicial pode ser organizada (também) se houver irregularidades graves, mas não especificou (exceto a título de exemplo para o próximo co.12) o que devemos entender para irregularidades graves, deixando espaço para decisões jurisprudenciais.

Renovação da atribuição e não necessidade da agenda

Sobre este ponto, foi recentemente estabelecido que a falta de indicação deagenda na convocação da reunião no final do primeiro ano.
De acordo com os juízes milaneses, não è necessário indicar qualquer coisa na ordem do dia, alegando que a reforma prevê a duração de um ano da atribuição, tacitamente prorrogável por mais um ano salvar decisão de revogação tomada pela própria reunião (Trib. Milão, decr. de 7 de outubro de 2015).
A decisão reúne uma perspectiva ampla entre os intérpretes, segundo a qual não é obrigatório prever a discussão da revogação, senão a pedido expresso dos condomínios; isso, exatamente como antes (oart. 1135 c.c., de fato, indicando os argumentos a serem questionados na assembléia ordinária anual não se refere à revogação), mas com a diferença de que, em vez do regime de prorogatio, agora os atributos do código poderes completos para o administrador até que a montagem se expresse.

Reforma, duração da nomeação do diretor e diretrizes opostas

Para outros resultados, um orientação oposta, de acordo com o que, em vez disso, omontagem não pode limitar-se a tomar nota da vontade do administrador de querer permanecer no cargo.
E isso basicamente com base no princípio para o qual unicamente órgão decisório é a assembléia do condomínio, que não pode simplesmente ser submetida às comunicações e decisões do administrador.
Nem o todo pode ser superado pela possibilidade de revogação, que, embora livremente exercível, é bom que seja sempre motivado, desde que a revogação sem justa causa autorize o administrador a exigir indenização pelo dano.
Essas regras sempre permanecem obrigatório pelo regulamento, continuando a proibição expressa de derrogação (também) deart. 1129 c.c. referido no penúltimo parágrafo do n. oart. 1138 c.c. (na versão anterior, último parágrafo).
A provisão do Tribunal de Milão indicada é a primeira provisão conhecida emitida sobre o assunto.
Certamente haverá outras decisões de aviso contrário, dadas as interpretações controversas atualmente presentes no ponto e às quais foi mencionado.



Vídeo: SALÁRIO NOS ESTADOS UNIDOS