Casa de férias: guia curto para o proprietário e inquilinos

Tendo em conta as f√©rias de ver√£o, aqui est√° um breve guia para os v√°rios aspectos fiscais e regulamentares de uma casa de f√©rias, √ļtil tanto para o propriet√°rio e para o inquilino.

Casa de férias: guia curto para o proprietário e inquilinos

Casa de férias: guia para inquilinos e proprietários

Uma alternativa válida para os hotéis e hotéis clássicos onde você pode passar suas férias de verão também em termos de economia e maior conforto é alugar uma casa de férias.
Uma solução que também é vantajosa para o proprietário que, alugando uma segunda casa por curtos períodos de tempo, pode obter renda para os custos de manutenção do edifício.
Mas quais s√£o as obriga√ß√Ķes a serem respeitadas do ponto de vista fiscal?
Como tornar sua propriedade conhecida para clientes em potencial?
Que tipos de contrato você estipula?
Vamos pegar o ponto abaixo.

Como alugar e encontrar uma casa de férias

Contrato de casa de férias

Para usar sua casa casa de férias nenhuma autorização ou comunicação é necessária.
Apenas se o n√ļmero de unidades habitacionais alugadas for superior a tr√™s, dever√° ser apresentado o Scia adequado, o Relat√≥rio de In√≠cio de Atividade Certificado para o Munic√≠pio.
Qualquer propriedade pode ser alugada por aluguel turístico mas, é claro, somente aqueles que estão em um resort de férias, junto ao mar ou nas montanhas, serão presas maiores do que qualquer cliente.
Para que as pessoas conhe√ßam e promovam sua casa de f√©rias, hoje elas acessam a Internet para ajud√°-lo a encontrar sites especializados onde voc√™ pode colocar seu an√ļncio imobili√°rio. As coisas importantes para marcar no an√ļncio, al√©m das fotos da casa, os servi√ßos que est√£o pr√≥ximos, a dist√Ęncia do mar e, claro, o pre√ßo que varia dependendo se √© √©poca alta ou baixa e o n√ļmero de h√≥spedes que podem acomodar.
Para quem tem pouco tempo disponível, a alternativa para a internet é contar com profissionais, ou agências imobiliárias que lidam com o gerenciamento de contatos com clientes, em troca de uma comissão previamente acordada.

Casa de férias: o arrendamento para fins turísticos

Casa de férias

Para alugar um casa de f√©rias √Č feita refer√™ncia ao contrato de loca√ß√£o para fins tur√≠sticos, ou seja, aquele elaborado exclusivamente para fins de interesse tur√≠stico, subtra√≠do do regulamento geral sobre loca√ß√Ķes identificadas pela Lei n. 431 de 1998.
No arrendamento de uma casa de férias é obrigatório indicar as finalidades turísticas, ou seja, os requisitos que levaram as partes a estipular este tipo de arrendamento, como uma estadia para lazer, férias, cuidados, educação, juros religioso ou por qualquer outra causa não utilitária.
o casa de férias ser alugado por curtos períodos deve ser totalmente mobiliado e nenhuma roupa deve ser fornecida para o inquilino não cair na disciplina dos proprietários. Dependendo da duração da concessão, existem três tipos de modelos de contrato de casas de férias que podem ser escritos:
‚ÄĘ o an√ļncio de loca√ß√£o uso de f√©rias (tamb√©m √ļtil para umas f√©rias de mais de 30 dias): √© o utilizado para regular as rendas das casas de f√©rias que duram no m√°ximo 2 ou 3 meses.
O contrato contém cláusulas sobre os métodos de pagamento da taxa, sobre sua reavaliação sob contrato e sobre o depósito de segurança. Nenhuma renovação tácita está prevista.
‚ÄĘ o aluguel de casas para curtos feriados: este modelo diz respeito √† loca√ß√£o de 10/15 dias ou no m√°ximo um m√™s. O contrato cont√©m cl√°usulas espec√≠ficas relativas √† rescis√£o do contrato, ao montante dos custos acess√≥rios e √† utiliza√ß√£o de espa√ßos acess√≥rios, como a cave ou o lugar de estacionamento.
‚ÄĘ o contrato com o f√≥rmula fim de semana: este modelo de contrato pode ser usado ao alugar uma propriedade para um fim de semana ou por alguns dias e prev√™ a soma total do consumo de luz, √°gua, g√°s, etc.
Em particular, o contrato deve incluir:
‚ÄĘa generalidade do propriet√°rio e do inquilino
‚ÄĘ o endere√ßo e localiza√ß√£o da casa
‚ÄĘ as caracter√≠sticas da propriedade, a descri√ß√£o e o n√ļmero de camas
‚ÄĘ dura√ß√£o da estadia, com indica√ß√£o da hora de chegada e partida
‚ÄĘ o n√ļmero de pessoas que ocupar√£o a casa e a presen√ßa de quaisquer animais
‚ÄĘ o montante acordado
‚ÄĘ qualquer dep√≥sito
‚ÄĘcomo cancelar a reserva.

Casa de férias: o depósito ou o depósito?

O primeiro passo para reservar um casa de férias é quando você paga um depósito ou um depósito, uma garantia para quem aluga. Recomendamos um depósito de 250 euros ou pelo menos 30% do aluguel acordado. Cada depósito de segurança deve ser devolvido, após a inspeção do apartamento. Apenas no caso de ter havido danos, é possível não devolvê-lo.
√Č bom que o propriet√°rio emita um recibo por escrito tamb√©m para o pagamento desta quantia.
Se o contrato for estipulado com bastante antecedência, o proprietário também pode solicitar um depósito, geralmente estimado em cerca de 20 a 30% do valor total acordado, que será então deduzido do preço total da locação.

Registro e den√ļncia de venda do pr√©dio

Localização turística

Normalmente, quando oaluguel da casa de férias não exceda 30 dias, o arrendamento não é para ser registrado, mas é suficiente uma escrita privada que deve ser assinada por ambas as partes, ou seja, proprietário e inquilino.
Se o contrato durar mais de 30 dias em vez disso, o contrato deve ser registrado com encargos suportados pelas partes. Existe a obrigação de se registrar mesmo quando vários contratos são estipulados por mais de um período que, após serem adicionados um ao outro, excedam 30 dias.
em arrendamento o selo de receita de 16 euros é aplicado a cada 4 lados ou a cada 100 linhas. O imposto de selo e o imposto de selo não são devidos se o cupom seco sobre os aluguéis for aplicado, o regime fiscal opcional ao qual o proprietário pode subscrever e que prevê o pagamento de um imposto substituído pelo IRPEF e os complementos municipais e regionais relativos.
Se o contrato durar mais de 30 dias, o propriet√°rio √© obrigado a denunci√°-lo no prazo de 48 horas ap√≥s a entrega da propriedade √† autoridade local de Seguran√ßa p√ļblica ou faltar ao prefeito, utilizando os modelos de venda do im√≥vel que podem ser entregues pessoalmente ou enviados por correio registrado com aviso de recebimento.
Se a loca√ß√£o for feita em favor de um cidad√£o de um pa√≠s n√£o pertencente √† Uni√£o Europeia, a comunica√ß√£o √† Autoridade de Seguran√ßa P√ļblica - independentemente da dura√ß√£o acordada - deve ser realizada nos mesmos termos, mas em formul√°rios diferentes n√£o dispon√≠veis na Internet. e ser solicitado √† autoridade de seguran√ßa p√ļblica local.

Obriga√ß√Ķes do inquilino

No momento da entrega da propriedade, o inquilino deve examinar a casa com o proprietário, para verificar se tudo está no lugar e está funcionando, especialmente eletrodomésticos, para evitar queixas.
Além disso, é aconselhável prever um relatório de entrega. O inquilino, de fato, é responsável por qualquer dano à propriedade.
No contrato, é bom escrever que o inquilino, caso a propriedade esteja em um condomínio, deve respeitar o Regulamento do Inquilino e o Regulamento do condomínio, se houver.
A casa deve ser disponibilizada totalmente mobilada e equipada com louça, toalha de mesa e pelo menos uma muda de roupa, mas não há prestação de serviços centralizados, como a limpeza diária. No contrato, é sempre bom especificar se os animais são permitidos ou não.

Regime fiscal da casa de férias

Em relação ao regime tributário aplicável à casa de férias é sempre o proprietário dos bens sujeitos ao pagamento da IMU, o imposto municipal e TASI, o imposto municipal sobre serviços indivisíveis. Assim também o TARI, o imposto sobre resíduos é pago pelo proprietário.
A renda derivada do aluguel de uma casa de férias deve ser tributada para o proprietário como receita dos edifícios que devem ser informados dentro da RB do modelo Unico, que aceita os cds. renda da terra.



Vídeo: Princes of the Yen: Central Bank Truth Documentary