Guia para deduções fiscais para substituição de caldeiras

A substituição de uma caldeira existente pode se beneficiar da dedução de reformas ou da economia de energia. Qual deles escolher?

Guia para deduções fiscais para substituição de caldeiras

Substituição de caldeiras: dedução de 50% ou 65%

o substituição de caldeiras Há muito que faz parte das intervenções que podem beneficiar de deduções fiscais para o lar.
Refiro-me em particular ao dedução na renovação de edifícios e para o dedução na economia de energia (ou Ecobonus).

Deduções de caldeira


Até o final de 2017 as regras eram muito simples e era fácil de se orientar.
Após a entrada em vigor do Lei Orçamental de 2018, melhor identificado como Lei 27 de dezembro n. - Orçamento do Estado para o exercício de 2018 e orçamento plurianual para o triénio 2018-2020, as regras mudaram em parte, às vezes se tornando mais complexas.
As inovações da Lei Orçamental de 2018 entraram em vigor em 1 de janeiro de 2018.

Substituir a caldeira realizada até 2017

Até 31 de dezembro de 2017, em caso de substituição da caldeira por caldeira de condensação, foi possível optar por se beneficiar da dedução de reformas de edifícios com porcentagem fixa al 50% ou da dedução no economia de energia com porcentagem fixa al 65%.
Para a dedução da economia de energia, era obrigatória, no caso de um sistema de radiadores, a instalação, além da nova caldeira de condensação, válvula termostática em cada corpo de aquecimento ou, de qualquer forma, um sistema de regulação de temperatura em todas as divisões da casa.
Em caso de substituição da caldeira por caldeira sem condensação, a única opção era se beneficiar da dedução de reformas de edifícios um 50%.

Substituir a caldeira a partir de 1 de janeiro de 2018

Considere as inúmeras inovações introduzidas com o Lei Orçamental de 2018Considero útil, em primeiro lugar, resumir esquematicamente as possibilidades de dedução que temos atualmente disponíveis em caso de substituição da caldeira existente, com regras e procedimentos relacionados.
Então, prosseguirei com uma análise crítica sobre como se mover entre as diferentes possibilidades.

Dedução em renovações para substituição de caldeiras (50%)

o dedução na renovação de edifícios só diz respeito propriedades para uso residencial e seus pertences. Portanto, todas as outras categorias de registro de imóveis estão excluídas, como escritórios, lojas, laboratórios, etc.
No caso de intervenções em caldeiras existentes, a dedução nas renovações é permitida tanto para a substituição do elemento da caldeira como para a sua reparação com inovações.
Nenhum recurso técnico específico é especificado para a nova caldeira. Como resultado, as caldeiras de condensação, as caldeiras de câmara selada sem condensação, as caldeiras de biomassa, as caldeiras integradas com bombas de calor, etc., são dedutíveis.
Obviamente, deve ser o trabalho declarado de acordo com o instalador técnico, que deve emitir declaração de conformidade da instalação carimbada e assinada.

Dedução de renovação para caldeira


A dedução em renovações é permitida em porcentagem fixa de 50%, a ser calculado em um despesas máximas de 96.000 euros e ser dividido em 10 parcelas anuais.
Para aproveitar a dedução, o procedimento é simples.
Trabalhos de substituição em sistemas que requerem melhorias, por exemplo a substituição de uma caldeira antiga por nova caldeira de condensação, e também intervenções voltadas à economia de energia, como a substituição de uma caldeira por outra caldeira de maior eficiência, são classificadas. como intervenções extraordinárias de manutenção, para o qual seria necessário apresentar um CILA (Comunicação do Início Assegurado das Obras) no Município antes de prosseguir com os trabalhos.
Falo para o condicional porque na prática diária alguns gabinetes técnicos municipais, se questionados sobre a substituição da caldeira, tentam simplificar a vida do cidadão permitindo avançar diretamente com a intervenção em esquema de construção livre, portanto, sem apresentar qualquer comunicação.
Antes de prosseguir com a intervenção, é aconselhável fazer um telefonema para o escritório técnico do município onde a propriedade está localizada para entender como se comportar.
Uma vez terminado o trabalho, é necessário indicar no declaração de imposto as despesas incorridas e os dados cadastrais do edifício em que a intervenção foi realizada.

Bônus de caldeira

É então necessário guarde alguns documentos, a ser mostrado no caso de verificações pela Revenue Agency:
- faturas;
- recibos de pagamento por meio de transferência especial para deduções fiscais;
- CILA apresentados no Município ou, quando não solicitados pelo Município, declaração substitutiva de documento conhecido em que se declara que a intervenção não está sujeita a autorização municipal, mas que está, de qualquer modo, entre as intervenções facilitadas;
- cópia Comunicação ASL quando a intervenção é confiada a mais de uma empresa;
- no caso de obras do condomínio, Resolução Assembléia aprovação de obras e tabela de alocação de custos;
- no caso de trabalho realizado por pessoas que não sejam o proprietário ou seus familiares que coabitam, tais como inquilinos e consentimento escrito à execução das obras emitidas pelo proprietário.

Dedução na economia de energia para substituição de caldeiras (50% e 65%)

o dedução na economia de energia, também chamado ecobonus, é permitido para edifícios existentes de qualquer categoria de registro de terra: casas, escritórios, lojas, laboratórios, etc.
Há, portanto, uma primeira grande diferença com a dedução na construção de reformas inerentes, no entanto, apenas habitação.
Outro elemento que distingue as duas deduções são os requisitos técnicos para caldeiras.
Vimos que a dedução nas reformas de edifícios não requer características particulares, além do fato de que a intervenção é realizada de acordo com a lei.

Caldeira Ecobonus


Pelo contrário, a dedução na poupança de energia 2018 admite a substituição do gerador com os seguintes tipos de gerador (com ou sem refazer do sistema):
a- caldeiras de condensação com eficiência pelo menos igual a classe A do produto previsto pelo Regulamento (UE) n.º 811/2013 da Comissão, de 18 de fevereiro de 2013;
b- Aparelhos híbridos que consistem em bomba de calor integrada com caldeira de condensação, montado na fábrica e expressamente projetado pelo fabricante para trabalhar em conjunto;
c- geradores de condensação de ar quente;
d- bombas de calor de alta eficiência;
e- plantas geotérmicas de baixa entalpia;
f- geradores de calor de biomassa combustíveis;
g- Micro-cogeração, o que leva a uma economia de energia primária de pelo menos 20%.
Eles são concedidos percentagens de dedução diferente:

Caldeira de condensação

- 65% para caldeiras de condensação com instalação simultânea de sistemas avançados de termorregulação pertencentes às classes V, VI ou VII da Comunicação da Comissão 2014 / C 207/02, para aparelhos híbridos, condensadores de geradores de ar quente, bombas de calor, sistemas geotérmicos e microssistemas -cogeneratori;
- 50% para caldeira de condensação sem sistemas avançados de termorregulação e, além disso, para geradores de calor de biomassa combustível.
o limite de dedução (não neste caso) para a substituição de sistemas de ar condicionado de inverno é igual a 30.000 euros.
A distribuição da dedução ocorre nas 10 parcelas anuais usuais.
o procedimento para usar a dedução é em parte semelhante àquela para renovações de edifícios.
Em primeiro lugar, o mesmo discurso feito no parágrafo anterior sobre o CILA ser apresentado no Município. Como resultado, eu sempre aconselho você a fazer uma ligação telefônica no município antes de prosseguir.
Independentemente do tipo de caldeira escolhida, há, então, os seguintes fulfillments:

Caldeira Enea

- salvar o faturasle recebido das transferências apropriadas para deduções fiscais e certificações sobre a intervenção;
- enviar, no prazo de 90 dias a contar do final dos trabalhos, a folha de informação da intervenção a ENEA, através do site apropriado (conselho a ser seguido por um técnico para esta etapa);
- salvar o recibo de envio feito para a ENEA (código CPID), que é uma garantia de transmissão de documentação;
- indicar no contexto de declaração de imposto as despesas incorridas e os dados cadastrais do edifício em que a intervenção foi realizada.

Bônus de Boiler 2018: intervenções com chance única

Se uma intervenção satisfaz os requisitos de uma única dedução (reestruturação ou economia de energia), claramente não temos escolha e seremos obrigatoriamente orientados para essa finalidade.única dedução possível.
Vamos analisar alguns exemplos:
1) Casa em que a caldeira existente é substituída por uma caldeira de condensação inferior à classe de produto A.
Para esta intervenção, é possível usar somente dedução na reestruturação edifício.

Condensação da caldeira durante


2) Substituindo a caldeira em um propriedade não residencial, como uma loja, um escritório, um laboratório, um restaurante, etc.
A dedução de obras de renovação é permitida apenas para intervenções realizadas em edifícios residenciais, pelo que a única opção neste caso é a dedução na economia de energia, que em vez disso admite todas as categorias cadastrais.
Obviamente, a dedução só será possível se a intervenção atender aos requisitos técnicos do ecobonus.
3) Instalação de uma caldeira com desapego de um sistema centralizado condomínio ou divisão de uma unidade habitacional em duas unidades distintas com separação simultânea da instalação e instalação de duas novas caldeiras.
Nestes casos, o ecobonus é permitido somente se um sistema centralizado com uma única caldeira é mantido.
Portanto, na ocasião da separação do condomínio aquecimento ou divisão, criando duas plantas separadas com a sua própria caldeira de uma única planta, a única opção possível continua a ser a dedução na construção de renovações, o que não estabelece limites neste sentido.

Bônus de crédito da transferência de crédito


4) Outro ponto de partida interessante é a possibilidade de atribuição do créditoviável somente com o dedução na economia de energia.
Lembro-me de que, quando falamos de deduções, nos referimos a deduções do IRPEF ou do IRES e deduções fiscais. Quando um indivíduo (ou legal) está no sem área tributária e, portanto, não paga IRPEF (ou IRES) é dito insolvente estate e não pode se beneficiar de qualquer dedução.
O Estado, no entanto, concede, apenas para a dedução da poupança de energia, atribuir aos fornecedores dos bens e serviços relacionados à intervenção um crédito igual à dedução a pagar do IRPEF, como pagamento de uma parte da contraprestação.
Até 2017, esta possibilidade foi concedida apenas para medidas de economia de energia nas partes comuns do condomínio, a partir de 2018 também são permitidas intervenções em empresas privadas.
Para mim pessoas incapazes (como pessoas desempregadas ou pessoas com renda mínima), não é possível se beneficiar da dedução na construção de reformas e daecobonus com atribuição de crédito continua sendo a única chance.

Bônus de Boiler 2018: intervenções que podem se beneficiar tanto do bônus de reestruturação quanto do ecobonus

A dedução na renovação de edifícios e a dedução na economia de energia eles não podem ser combinadosisto é, pela mesma despesa, você não pode pedir os dois.
Por conseguinte, se uma intervenção cumprir os requisitos estabelecidos tanto pela dedução de obras de renovação como pela dedução de poupanças de energia, será necessário escolha entre os dois.
Como se orientar então?

50% e 65% de dedução de caldeiras


Considero importante considerar sempre a dedução de uma única intervenção no contexto das obras e as despesas totais que você deseja suportar para o prédio.
Em minha experiência como consultor, muitas vezes acontece que direcionamos nossos clientes para escolhas que nem sempre são as mesmas, precisamente porque precisamos considerar o quadro completo em que atuamos e as necessidades dos indivíduos.
Apesar da singularidade de cada caso, existem três avaliações que considero úteis para todos:
1) Identifique qual deles percentual de dedução é permitido para a intervenção em questão.
Nos casos em que o ecobonus permite deduzir a despesa de 65% e a dedução de reestruturação de 50%, é importante saber que não é óbvio considerar o ecobonus mais conveniente.
De fato, muitas vezes, a dedução da economia de energia exige a observação de requisitos mais restritivos do que os bônus de reestruturação, que geralmente também são mais caros.
Vamos pegar o exemplo da caldeira de condensação classe A.
Para se beneficiar do ecobonus de 65%, além da substituição da caldeira, é necessário instalar sistemas avançados de termorregulação, enquanto que para se beneficiar da dedução da reestruturação, não são necessários sistemas de controle de temperatura.
Portanto, antes de fazer a escolha entre as duas deduções, além do percentual de dedução, elas devem ser bem consideradas despesas relacionadas obrigatórias, que poderia ser maior com o ecobonus.
2) Se ao substituir a caldeira outros trabalhos também são realizados que podem se beneficiar das deduções, é bom lembrar que a reestruturação de bônus e o ecobonus, embora não cumulativos para as mesmas despesas, ainda podem coexistir dentro do mesmo local e que para cada um deles há limites máximos a serem observados.

Deduções fiscais


Por exemplo, na renovação de uma casa que inclui várias obras, pode-se beneficiar de uma parte da dedução de economia de energia (é claro, onde os requisitos são atendidos) e o restante da dedução da reestruturação.
As obras poderiam ser deduzidas com o bônus de renovação e a substituição da caldeira pela planta relativa poderia ser deduzida com o ecobonus.
As vantagens de tal quebra são facilmente entendidas, considerando que para cada dedução são estabelecidos os seguintes limites máximos:
- para o dedução na reestruturação há um limite máximo de despesa de 96.000 euros;
- para o dedução sobre a poupança de energia existe um limite máximo de dedução (atenção, para o ecobonus são limites máximos estabelecidos de dedução e não de despesa) para a categoria de sistemas de aquecimento de 30.000 euros.
Se os trabalhos de construção ascenderem a € 90.000 e a substituição do sistema de aquecimento por € 10.000, a atribuição de despesas nas duas deduções permitir-lhe-ia beneficiar das bonificações calculando a totalidade das despesas incorridas.
O mesmo não seria concedido na hipótese de optar apenas pelo bônus de reestruturação, o que permitiria considerar como um gasto máximo de € 96.000, enquanto os restantes € 4.000 de despesas no exemplo não poderiam se beneficiar de exceder o limite permitido.
3) É sempre útil avaliar antecipadamente se a casa onde você substitui a caldeira que você está planejando comprar também móveis ou eletrodomésticos.
De fato, ao escolher a dedução na construção de reformas para a caldeira, você também pode se beneficiar do bônus móveis para o resto das compras de móveis e eletrodomésticos (ver Resolução Revenue Agency No. 3 / E de 2 de março de 2016).
Em bônus móveis, no entanto, não é permitido quando a substituição da caldeira se beneficia da dedução na economia de energia.
Como você deve ter notado, você pode configurar várias situações. Aqueles expostos são apenas algum alimento para o pensamento. Para mais informações, consulte um aconselhamento personalizado específico.



Vídeo: