Guia para o CIS, o certificado de elegibilidade de imóveis

O Certificado de Elegibilidade Estática é uma ferramenta para a proteção dos cidadãos e do patrimônio edificado existente: para a cidade de Milão, já é obrigatório.

Guia para o CIS, o certificado de elegibilidade de imóveis

Qual é o certificado ou declaração de adequação estática?

O certificado de aptidão estática de um edifício, também chamado CIS, certifica as condições de segurança das estruturas de suporte de carga de um edifício, de acordo com as regras em vigor no momento da construção.
É preparado de acordo com o DD.MM. 15/05/1985 e 20/09/1985 e está incluído na documentação necessária para os fins da liberação da agência, quando um edifício não existe ou não pode ser encontrado certificado de teste estático nos termos da Lei 1086/71 ou quando um pedido de anistia é feito.
No caso de uma solicitação de anistia, é possível usar o declaração de adequação estática em vez do certificado de teste estático, se o volume a ser aceito for menos de 450 metros cúbicos ou no caso em que o abuso é anterior à entrada em vigor dos regulamentos sísmicos.

Diferença entre certificação de aptidão estática e certificado de teste

A diferença entre testes e certificação de aptidão estática consiste no fato de que o teste deve necessariamente ser elaborado e arquivado em Engenheiros Civis de um profissional registrado pelo menos dez anos a sua ordem profissional, enquanto a certificação pode ser escrita por um arquiteto ou engenheiro, mesmo se recentemente matriculados na associação profissional.

Quais são as verificações que o técnico deve realizar?

O trabalho do técnico é dividido em duas fases: uma documentário, em que ele realiza uma coleta e verificação de todas as informações necessárias para reconstruir a história do edifício; o outro de pesquisa direta conhecer e estudar o fundamento da fundação, os materiais e suas condições reais, quaisquer rachaduras presentes.

Verificações técnicas do CIS


Se o técnico durante a análise encontrar a presença de craqueamento ou a ocorrência de um abaixamento, indicará o reforço necessário ou ajustes anti-sísmicos.

Esclarecimentos do MIT

o crônica nos últimos anos, infelizmente, cada vez mais relata histórias de colapsos e vidas desfeitas, ligadas a edifícios, talvez já em condições precárias, nas quais intervimos de forma imprudente, sem respeitar as exigências das regras, o estado do edifício, suas estruturas e do contexto.
Em resposta a uma pergunta parlamentar que perguntou quais iniciativas MIT ele pretendia se comprometer a fazer obrigatório o certificado estátuas de edifícios, a Subsecretaria de Estado para Infra-estruturas e Transportes, Umberto Del Basso De Caro ele afirmou que o certificado de estabilidade do edifício será introduzido inicialmente em forma voluntário, a fim de garantir àqueles que compram o estado real do edifícioe, em seguida, de forma obrigatória, a fim de criar um instrumento de lei que visa salvaguardar a segurança de cidadãos e do herança como já foi feito para o certificado de desempenho energético.

Recolher e colapsar


Já existem medidas, como a bônus do terremoto, que incentivam as intervenções de verificação e melhoria estático do setor imobiliário e graças ao qual é possível deduzir as despesas incorridas, o governo agora tem a tarefa de introduzir ações específicas para elevar o nível de proteção dos cidadãos e do parque imobiliário existente.

Certificado de adequação estática em Milão

O Município de Milão está entre os primeiros a ter previsto no novo regulamento de construção da cidade, em vigor desde 26 de novembro de 2014, que todos os edifícios feito ou testado por pelo menos 50 anos estão sujeitos aobrigação de verificação de adequação estática obter o Certificado relativo de Elegibilidade Estática, o CIS, por um técnico qualificado.
Nos Regulamentos de Construção de Milão, está estabelecido que:
até 26 de novembro de 2019ou seja, no prazo de 5 anos a contar da entrada em vigor do regulamento, todos os edifícios existentes com mais de 50 anos ou que cheguem a 50 anos neste período, se não estiverem em posse de um certificado de teste, devem ser submetidos a esta verificação e certificação ;
até 26 de novembro de 2024ou seja, no prazo de 10 anos a contar da entrada em vigor do regulamento, todos os edifícios existentes com data de ensaio das estruturas com mais de 50 anos ou que atingirão 50 anos neste período terão de passar por essa verificação e certificação.
Estima-se que na cidade haja mais de 26.000 prédios a serem submetidos a verificações estáticas de elegibilidade.
o verificação, certificado por um técnico qualificado, deve ser realizado em todas as partes estruturais, de acordo com os regulamentos em vigor à data do teste, ou na ausência deste, na data de conclusão do edifício.

Manutenção extraordinária fabricada


eles são encadernado para a verificação também o edifícios interessado por pelo menos 50% de sua superfície a partir de:
• mudança de uso pretendido;
• intervenções de manutenção extraordinária;
restauração e restauração conservador e renovação se não houver limites legais para um novo teste estático.
O certificado de aptidão estática também deve incluir:
- o prazo de entrega além do qual a verificação subseqüente é necessária;
- eu elementos estruturais que pode não ser adequado para os regulamentos em vigor no momento da escrita do certificado em si, mesmo que isso não afete sua regularidade;
- um relacionamento que ilustra o estado de conservação dos elementos estruturais e não estruturais secundários do edifício, como parapeitos, fachadas, fachadas, etc.
A falha em emitir o certificado de elegibilidade estática no prazo também é menorusabilidade do edifício ou partes deste não auditadas.
O certificado de praticabilidade está entre os documentos obrigatórios, solicitado pelo notário, para ser anexado ao ato venda.

Diretrizes e verificações

O documento também fornece métodos de verificação segundo dois níveis de investigação, ou seja, dois níveis diferentes de análise e análise:
• verificação de primeiro nível;
• verificação de segundo nível.

Verificações de primeiro nível

Eles são baseados em análise do tipo qualitativo realizado durante inspeções interno e externo, ou seja, a análise crítica histórica do edifício e do contexto, a definição do organismo estrutural primário, a interação com fatores externos independentes do edifício.
O objetivo é detectar a presença de sinais de sofrimento, riscos externos, elementos acessórios em risco e quaisquer modificações no organismo estrutural.
A emissão do Certificado de Elegibilidade Estática só ocorre se o resultado da verificação for positivo e tiver um validade máxima de 15 anos.

Verificações de segundo nível

Eles são baseados em investigações experimentais e analíticas que visam avaliar e definir a soluções de intervenção na estrutura e são necessárias quando as verificações de primeiro nível não foram exaustivas ou realçaram situações críticas.
Caso o edifício responda positivamente à pesquisa de segundo nível, obtemos o CIS, que tem validade máximo de 15 anos.
Se, em vez disso, a verificação não for positiva, ela deve ser realizada avaliação de segurança para a estrutura de acordo com as provisões das Normas Técnicas para Construção NTC 2008, para determinar se:
• eles são intervenções necessárias o uso do edifício pode continuar sem intervenção;
• um é necessário mudar em uso através de um downgrade, mudança de destino e / ou imposição de limitações e / ou precauções;
• é necessário prosseguir para aumentar ou redefinir o capacidade de carga.
Será a tarefa do designer indicar em um relatório especial que eu níveis de segurança atual ou alcançado com a intervenção e se houver algum limitações em uso do edifício.

CIS e mercado imobiliário

Como toda mudança e toda regra nova, muitos ainda estão lá perplexidade sobre a aplicação do novo regulamento e o impacto negativo que isso poderia ter no mercado imobiliário.
Sem dúvida, a obrigação de anexar o CIS às escrituras de venda implicará em dificuldades operacionais, considerando que o certificado de aptidão estática, bem como o teste estático, está vinculado ao proprietário individual da propriedade individual, enquanto a verificação exigida pelo Regulamento deve ser realizada na maior parte do tempo por um conjunto de sujeitos, por exemplo conducmini por acordo mútuo.
Se este acordo não estivesse presente, as conseqüências seriam falha ao emitir o certificado e, portanto, um grande limite para o bem em si, porque não é comercializável, o que agravaria a saúde do nosso já sofrendo mercado imobiliário.



Vídeo: