Contribuições ministeriais para edifícios privados restritos

O Estado pode 'contribuir para o custo do trabalho de restauração, estipulando acordos que podem prever a abertura da propriedade ao público com base em seu valor cultural.

Contribuições ministeriais para edifícios privados restritos

Edifícios colados: trulli

Vocês são proprietários de imóveis declarados interesse cultural?
o Decreto Legislativo 22 de janeiro de 2004 n.42também chamado Código do património cultural e paisagem, já previu a possibilidade de acesso a contribuições ministeriais no caso de restauração ou intervenções conservadoras.
Na verdade, o Ministério tem o direito de contribuir para as despesas incorridas pelo proprietário por um quantidade não mais do que a metade. No caso de as intervenções serem de particular importância ou se referirem a edifícios de uso público, a subvenção pode até atingir o valor total.
O proprietário de um edifício encadernado é obrigado a apresentar à Soprintendenzainstância autorização preventiva para trabalhar. Durante esta fase, o Superintendente, a pedido do interessado, decide sobre a admissibilidade de contribuições do Estado e certifica o caráter necessário da intervenção para obter a contribuição.

Edifícios designados: Siena

Para determinar o taxa de participação do estadoobviamente outras contribuições públicas e privadas já aprovadas serão levadas em consideração, bem como quaisquer benefícios fiscais que o proprietário possa usufruir, a fim de evitar sobreposições.
No entanto, é bom lembrar que a contribuição é emitida apenas trabalhos concluídos e testados, calculado em despesas reais suportado pelo proprietário. Em alguns casos, os pagamentos antecipados podem ser feitos com base no andamento dos trabalhos certificados, considerando, porém, que o proprietário é obrigado a devolvê-los no caso de algumas intervenções serem realizadas apenas parcialmente ou não serem realizadas.
Você pode até conseguir bonificação de juros Sobre empréstimos concedidos por instituições de crédito a proprietários de bens culturais imóveis. Neste caso, a contribuição será paga pelo Ministério diretamente à instituição de crédito, de acordo com os procedimentos a serem estabelecidos com os acordos. Este tipo de contribuição também pode ser concedido para intervenções em obras de arquitetura contemporânea, das quais o Superintendente reconheceu o valor artístico particular.

Edifícios colados: Veneza

No ato de assumir o ônus das despesas, elas também aparecerão acordos ou convenções entre Ministério e proprietário, em que oaberto ao público dos edifícios, uma vez concluídos os trabalhos de restauro. Os acordos e convenções são avaliados caso a caso, de acordo com o tipo de intervenção, o valor artístico e histórico dos edifícios e prazos horário de funcionamento obrigatório.
O Superintendente transmitirá então esta informação ao município ou à cidade metropolitana competente no território, de modo a poder comunicar adequadamente com o público.



Vídeo: