Extensão para deduções de reestruturação

A dedução fiscal de 50% dos custos incorridos com reformas de prédios foi ampliada pela Lei Orçamentária de 2019. Vamos avaliar a situação.

Extensão para deduções de reestruturação

Deduções de imposto para reestruturação e lei de orçamento 2017, as notícias

A lei orçamentária para 2017 (Lei nº 232/2016) foi ampliada - com exceção do sismabonus - até 31 de dezembro de 2017 o deduções imposto para o renovações na medida de 50% (até um montante de despesas de 96.000 euro).

intervenção de construção

Para intervenções relacionadas à adoção de medidas anti-sísmicas (conforme letra i do artigo 1, co.1 do dito decreto) as condições são diferentes, ou seja: a prorrogação é até 31 de dezembro de 2021 e a porcentagem de dedução começa a partir de 50%, mas sob certas condições pode atingir 70% e 80% e para 75% e 80% de operações de peças comuns.
Para todas as novas condições e exigências relacionadas à adoção de medidas anti-sísmicas mencionadas acima (também conhecidas como sismabonus) nos referimos aoartigo dedicado.
Lembramos também que outras novidades dizem respeito dedução para compras de móveis e eletrodomésticos - relacionado com as deduções de reestruturação - para as quais nos referimos também ao artigo.
Para além das regras relativas ao sismabonus e bónus móveis, a extensão da lei do orçamento de 2017 não contém nenhuma novidade; portanto, o que se espera para 2016 está confirmado.

Deduções fiscais para reformas, a extensão

Reestruturação de deduções

Lembre-se que falamos sobre extensão porque a regra contida no art. 16-bis, Decreto Presidencial n. 917/1986 (Lei do Imposto sobre o Rendimento Consolidado, também conhecida por TUIR), prevê uma dedução fiscal, mas em diferentes medidas, nomeadamente: uma percentagem de 36% com um limite de gastos de 48.000 euro.
Estas condições são dispensadas, com intervenções regulatórias, por alguns anos agora através da alteração do art. 16 DL 63 de 2013.
Para todo o resto, as condições prescritas pelo art. 16-bis do TUIR; Vamos recapitular, então, quais são os principais requisitos em relação a: dedução, beneficiários, intervenções admitido, e fulfillments a ser realizado.
Não sendo exaustivo, remetemos à leitura integral dos textos normativos, documentos da Agência, assessoria de profissionais do setor e, em caso de dúvida, consulta à mesma Agência, por meio de acesso a agências ou proposição de interpolação.

Dedução para reformas

o benefício fiscal em particular, com exceção das exceções mencionadas, permite deduzir 50% das despesas incorridas para a realização de determinadas operações, indicadas no art. 16-bis TUIR.
Até à data, as despesas devem ser suportadas pelo 26 de junho de 2012 um 31 de dezembro de 2017.
O montante total das despesas não pode exceder 96.000 para unidades imobiliárias.
A dedução deve ser dividida em dez prestações anuais do mesmo montante no ano em que as despesas são incorridas e nos anos seguintes.

Dedução da reestruturação, beneficiários

Quem pode se beneficiar do benefício fiscal? Quais são os requisitos subjetivos prescritos pela lei?
Primeiro de tudo, deve ser tratado assuntos que apoiaram na realidade as despesas a serem deduzidas.
Esses assuntos também devem ter posse ou o detenção sobre o bom objeto de intervenção "Com base em um título apropriado".
Se os sujeitos forem mais de um, a dedução deve ser dividida de acordo com o número daqueles que incorreram nas despesas e possuem os requisitos.
Para intervenções em condomínio os condomínios individuais gozam da dedução com base em sua cota e se pagaram o custo preenchendo a declaração de imposto.

propriedade para uso residencial


Eles são, portanto, permitido: proprietários ou proprietários nus, titulares de um direito real de usufruto (ou seja, usufruto, uso, habitação ou superfície); inquilinos ou mutuários; membros de cooperativas divididas e indivisíveis; empresários individuais, se a propriedade não fizer parte dos bens ou bens de capital; assuntos indicados no artigo 5 da Tuir, que produzem rendimentos de forma associada (empresas simples, em nome coletivo, sociedade limitada, sujeitas a esses equivalentes e empresas familiares), nas mesmas condições que para empreendedores individuais; familiares coabitantes dos proprietários ou proprietários da propriedade (precisamente, o cônjuge e, a novidade, a componente da união civil, parentes de terceiro grau e parentes de segundo grau); o coabitar de fato, não o dono da propriedade e mesmo que não seja um mutuário.
O comprador promissor em virtude de também é admitido preliminar registrado, se entrou em posse da propriedade e, obviamente, se as intervenções são de sua responsabilidade.

manutenção


A dedução (apenas para restauração e restauração conservadora e renovação de edifícios) em edifícios inteiros e realizada por empresas de construção ou reformas imobiliárias e cooperativas de construção, se dentro de dezoito meses a partir da data de conclusão das obras, houver a alienação ou a atribuição da propriedade.
A dedução é devida ao comprador ou cessionário das unidades imobiliárias individuais, até o limite de 36% do valor das intervenções ("que se supõe que seja igual a 25% do preço da unidade imobiliária resultando na escritura de venda pública". ou alocação e, em qualquer caso, no valor máximo de € 48.000 ").
Em caso de venda, ocomprador pode beneficiar de qualquer dedução não utilizada, salvo acordo em contrário das partes.

Dedução para reformas, tais como edifícios

As propriedades elegíveis para o benefício devem ser uso residencial (exceto para aqueles sujeitos a medidas anti-sísmicas); se o uso for promíscuo (ou seja, meia casa e meio trabalho), a dedução é admitida pela metade.

Dedução para reformas, tais como intervenções

renovação

Eles estão autorizados a deduzir intervenções de: manutenção ordinária, somente se tratarem de áreas comuns do condomínio; intervenções de manutenção extraordinária, restauração e reabilitação conservadora e renovação de edifícios, tanto em partes comuns como em unidades habitacionais individuais; reconstrução ou restauração do edifício danificado como resultado de eventos desastrosos; construção de garagens e vagas de estacionamento; eliminação de barreiras arquitetônicas; medidas para a prevenção de atos ilegais de terceiros; para a cablagem de edifícios e a contenção da poluição sonora; para economia de energia; medidas anti-sísmicas; recuperação de amianto e obras para evitar acidentes domésticos.

Dedução para reformas, tais como obrigações

o que fulfillments fazer e quais papers manter?
Em resumo, devemos indicar «Na declaração de imposto os dados de identificação da propriedade da propriedade e se as obras são realizadas pelo titular, os detalhes de registro da escritura do título e os outros dados necessários para fins de verificação da dedução» (ver art.1, ci.1, letra A, DM 41/1998).

Deduções para renovações, obrigações


Então, de acordo com a disposição da Receita de 2 de novembro de 2011, manter, quando devida: o pedido de registro, o recibo de pagamento de 'imu -ici, para trabalho em condomínio de partes comuns, a resolução do condomínio aprovação da execução das obras e da tabela milésima da distribuição das despesas; se as obras forem realizadas pelo proprietário do edifício, e este não for um membro da família que coabita, a declaração atestando o consentimento do proprietário para a execução das obras; comunicação com a ASL, se exigido pela lei relativa à segurança nos locais de construção; faturas e recibos para pagamento de despesas incorridas; recibos de transferências bancárias; as aprovações administrativas exigidas pelo regulamento do edifício e, se a intervenção não as exigir, a declaração substitutiva do título de notoriedade (nos termos do Decreto Presidencial 445/2000) que indica a data de início dos trabalhos e que a intervenção se enquadra aqueles autorizados a deduzir.

Dedução de juros para reformas

Em relação às deduções fiscais relacionadas a medidas de reestruturação, lembramos que, de acordoart. 15 do TUIR, (também, mas não só) se sim reestruturações a casa a ser usada como casa principale pergunta empréstimo, você pode deduzir o valor igual a 19% de interesses pago.
Para conhecer todas as condições e aplicá-las ao caso concreto, consulte a leitura do padrão indicado e a consultoria especializada.



Vídeo: