Retrofit de energia para edifícios existentes

Não apenas edifícios novos com alto desempenho energético: até mesmo os edifícios existentes podem ser melhorados, graças ao retrofit de energia.

Retrofit de energia para edifícios existentes

Interven√ß√Ķes sobre o existente

retrofit de energia

Nós falamos muito sobre economia de energia e design inteligente. Mas na maioria das vezes tudo isso está relacionado a processos de construção nova. Construir a partir do novo é mais simples. Se bem concebido, o edifício já nasceu com a base certa para ser ecologicamente correto e com alto desempenho energético.
Diferente do discurso quando se fala renova√ß√£o. Restri√ß√Ķes de forma, lugar e instala√ß√Ķes eles est√£o freq√ľentemente na agenda quando √© decidido remediar a obsolesc√™ncia funcional e f√≠sica de certos edif√≠cios.
No entanto, a melhoria do desempenho dos edifícios existentes está cada vez mais se consolidando e é interpretada com uma operação específica chamada retrofit de energia.
Decaimentos estruturais e de desempenho geralmente n√£o s√£o inevit√°veis ajustes tamb√©m instala√ß√Ķes e funcionais das estruturas e os trabalhos presentes em um determinado edif√≠cio. Da√≠ a import√Ęncia de realizar melhorias tamb√©m em termos de energia, salvaguardando assim o patrim√≥nio hist√≥rico, atrav√©s da conserva√ß√£o, mas tamb√©m melhorando a sua funcionalidade e desempenho, respeitando o necessidades atuais de habita√ß√£o, mudou bastante ao longo do tempo.

Melhoria do desempenho energético

retrofit de energia edifícios existentes

O retrofit de energia √© visto como um processo de atualiza√ß√£o e adapta√ß√£o, utilizando tecnologias atuais e sistemas inovadores, para tornar mais eficiente o sistema de usinas de um determinado pr√©dio. Opera√ß√Ķes destinadas a economia de energia, para melhorar o uso da pr√≥pria energia e, quando poss√≠vel, o uso de ar condicionado passivo e produ√ß√£o de energia renov√°vel, pelo menos para uso dom√©stico.
Um dos maiores problemas enfrentados pelas moderniza√ß√Ķes energ√©ticas √© a dispers√£o t√©rmica atrav√©s do envelope e seus elementos t√©cnicos. Design ruim, falta de orienta√ß√£o apropriada pontes t√©rmicas iniciais ou excessivas no sistema de janela. Esses s√£o os principais fatores que determinam o baixo e muitas vezes negativo desempenho energ√©tico.
Se você for mais fundo, poderá identificar outras causas, muitas vezes relacionadas a escolhas iniciais e difíceis, dada a existência do prédio, a serem erradicadas. Entre estes podemos facilmente identificar o isolamento, muitas vezes dimensionados e posicionados de maneira inadequada, bem como a escolha de caixilhos de janelas, cujas performances são facilmente degeneradas ao longo do tempo.

Interven√ß√Ķes no inv√≥lucro e sistemas

edifício histórico

Portanto, é fácil entender como as melhorias no desempenho energético de um edifício não podem ser separadas, na maioria dos casos, deintervir também no invólucro e eficiência do elementos técnicos horizontais e verticais.
Se o edif√≠cio aparece em uma primeira an√°lise, projetada de forma discreta e as dispers√Ķes n√£o s√£o t√£o altas, voc√™ pode prosseguir com uma primeira opera√ß√£o de retrofit, indo intervir somente na parte da plantaent√£o reduzir o consumo e ter uma melhoria de energia, sem ter que alterar a morfologia do edif√≠cio, com o gasto de dinheiro e locais de constru√ß√£o abertos.
Claramente, por√©m, lidar com permanentemente o problema da dispers√£o t√©rmica e energ√©tica, a melhor solu√ß√£o √© intervir diretamente nas dispers√Ķes, talvez adicionando tamb√©m uma s√©rie de fatores capazes de atingir n√≠veis mais altos de desempenho, at√© mesmo para um edif√≠cio existente. As solu√ß√Ķes mais comuns neste tipo de retrofit de energia s√£o as substitui√ß√£o dos equipamentos, com mais elementos de performance, a escolha de um isolamento mais eficiente, talvez at√© trabalhando de dentro do pr√≥prio edif√≠cio e apresentar solu√ß√Ķes que possam ser controladas e uma explora√ß√£o solar positiva.

Canteiros de obras de diferentes tipos

Nem sempre isso causa grandes transtornos, especialmente se o pr√©dio est√° localizado em contextos hist√≥rico ou de outra forma ligado, mesmo de uma posi√ß√£o e um bairro, onde essas interven√ß√Ķes ainda s√£o muito limitado.
Na maior parte dos casos, no entanto, o retrofit de energia real envolve interven√ß√Ķes mais pesadas, que tamb√©m v√™em o uso de demoli√ß√Ķes parciais, interno e externo, ou, quando poss√≠vel, tamb√©m de integra√ß√Ķes externas aos recintos envolvidos.

fachada do edifício histórico

√Äs vezes, nos casos afortunados, a mudan√ßa no layout interno dos ambientes j√° facilita a melhoria do desempenho. Alterar o uso pretendido alguns quartoscomo, por exemplo, √°reas de estar e de dormir, muitas vezes j√° √© ben√©fico, tanto em termos de bem-estar ambiental, ambos econ√īmicos, na conta.
Nos edifícios existentes, é impossível pensar em melhorias energéticas, não relacionadas com o bem-estar físico e ambiental. O conforto ambiental deve ser avaliado seguindo fatores particulares, ligados, por exemplo, contexto, recursos locais, ou novamente para fluxos de energia e ambientais.
Nem sempre a modernidade e a mudan√ßa s√£o as principais solu√ß√Ķes. As interven√ß√Ķes de retrofit de energia nas existentes precisam ser calibradas e ainda mais apoiadas por pesquisa espec√≠fica, contextual, ent√£o voc√™ encontra o solu√ß√£o mais adequada e menos invasivo, sem que seja √† custa da melhoria da energia em si ou do baixo impacto ambiental.



V√≠deo: ReabilitacŐßaŐÉo de edif√≠cios