Documentos a serem produzidos e prática ENEA para dedução 65%

Qualquer intervenção que possa se beneficiar da dedução de 65% requer a preparação de documentação específica. Aqui estão as regras gerais e várias exceções.

Documentos a serem produzidos e prática ENEA para dedução 65%

Intervenções que podem se beneficiar da dedução de 65%

Dedução de 65%

A dedução fiscal sobre economia de energia, também chamada Dedução de 65%, prevê a possibilidade de deduzir do IRPEF (Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Físicas) ou IRES (Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas) 65% das despesas incorridas para acções de redução do consumo de energia dos edifícios existentes.
quatro categorias de intervenção admitidos à dedução fiscal: vamos analisá-los juntos.

Redesenvolvimento energético global de edifícios existentes

Eles incluem qualquer intervenção ou conjunto sistemático de intervenções que reduzam o consumo geral do prédio em relação a certos limites. Para esta categoria, olhamos para o resultado final. Não afeta o que é feito, mas sim o consumo final de energia alcançado por todo o edifício.

Intervenções no envelope do edifício

Eles incluem intervenções em telhados, pisos, paredes, janelas e portas que delimitam o volume aquecido do edifício.
Para ter acesso ao benefício, é necessário que, após a intervenção, a porção do invólucro em que se interveio atinja limites de transmitância térmica definida pelo Decreto do Ministro do Desenvolvimento Económico de 11 de Março de 2008, emendado pelo Decreto de 26 de Janeiro de 2010.
A partir de 1 de janeiro de 2015, os custos incorridos com a compra e instalação de protetores solares (como toldos para exteriores, venezianas, etc.) conforme o Anexo M do Decreto Legislativo de 29 de dezembro de 2006 n.311.

Instalação de painéis solares térmicos

Inclui a instalação de painéis solares para a produção de água quente para usos domésticos, produtivos e recreativos. Os sistemas termodinâmicos de concentração solar utilizados para a produção de água quente são considerados semelhantes aos painéis solares.

Sistemas de ar condicionado de inverno e controle remoto

As intervenções estão incluídas substituição de plantas de aquecimento existente com planta equipada com caldeira de condensação configuração contextual do sistema de distribuição, ou com sistemas de aquecimento com bombas de calor o plantas entéricas de baixa energia geotérmica. A substituição de um aquecedor de água tradicional por uma bomba de calor para a produção de água quente sanitária também está incluída.
A partir de 1 de janeiro de 2015, esta categoria inclui plantas alimentadas com geradores de calor de biomassa combustíveis.
Além disso, a partir de 1 de janeiro de 2016, o mecanismo foi alargado a dispositivos multimídia para controle remoto de sistemas de aquecimento ou produção de água quente ou ar condicionado de unidades residenciais.

Requisitos para acessar a dedução de 65%

Para acessar a dedução da economia de energia, o regra geral exige que o contribuinte esteja de posse dos seguintes documentos, além das faturas e recibos das transferências eletrônicas:

Documentos ENEA

- jurado assinado por um técnico qualificado (arquiteto, engenheiro, agrimensor), que certifica a correspondência das obras com os requisitos técnicos exigidos pela dedução;
- Certificado de Desempenho Energético, que relata os dados sobre a eficiência energética do edifício objeto de intervenção;
- Ficha de informação da ENEA, com os dados de quem irá beneficiar da dedução, os dados de construção, o tipo de intervenção realizada e as despesas incorridas.
Dentro de 90 dias do fim dos trabalhos é necessário transmitir para a ENEA eletronicamente o Certificado de Desempenho Energético e a ficha informativa, mantendo o recibo de envio. Apenas para casos complexos é possível enviar o pedido por correio.
Os outros documentos serão mantidos e exibidos apenas no caso de verificações pela Revenue Agency.
É importante saber que o indicado é a regra geral, mas há exceções. De fato, algumas das intervenções facilitadas não exigem a preparação de todos os documentos indicados ou, em alguns casos, são permitidas simplificações.
o exceções preocupação:
- a substituição de portas e janelas e portas de entrada;
- instalação de sombreamento solar;
- instalação de painéis solares;
- substituição do gerador por caldeira de condensação, bomba de calor ou sistema geotérmico de baixa entalpia;
- instalação de geradores de biomassa.
Depois, há um caso que ainda não foi oficialmente esclarecido, nomeadamente a instalação de dispositivos multimídia para controle remoto dos sistemas.
No momento, não é possível enviar arquivos da ENEA relacionados a esta intervenção específica e ainda não sabemos quais documentos serão necessários. Estamos, portanto, aguardando informações oficiais.
Vamos agora analisar os documentos e requisitos necessários para as exceções acima mencionadas.

Dedução de 65% para portas e janelas e portas

dedução de documentos 65% caixilhos

Na ocasião de substituir janelas e portas para unidades individuais, a afirmação pode ser substituída por uma certificação do fabricante que certifica a transmissão de equipamentos previamente instalados e novos.
Além disso, para portas e janelas de entrada de unidades imobiliáriasO Certificado de Desempenho Energético não deve ser elaborado.
Portanto, os documentos a serem produzidos e armazenados serão os seguintes:
- faturas;
- recibos de transferências bancárias;
- asseveração assinada por técnico habilitado ou, alternativamente, certificação pelo fabricante;
- compilação da ficha de informações da ENEA (anexo F-modelo para janelas incluindo caixilhos de janelas) e envio da mesma no prazo de 90 dias a contar do final dos trabalhos.

Dedução de 65% para instalação de sombreamento solar

É importante distinguir dois casos.
Quando você substituir i ao mesmo tempo caixilharias e relacionados estruturas acessórias que têm um efeito sobre a dispersão do calor, como as cortinas, venezianas e persianas, ou que são estruturalmente fundidos ao edifício, como as caixas de persianas incorporadas na moldura da estrutura, é possível seguir um procedimento único, ou seja, o anteriormente indicado para janelas e portas e as portas de entrada.
Se, em vez disso, as preocupações de intervenção apenas sombreamento solar (neste caso aplica-se tanto a nova instalação como a substituição), incluindo escuros, persianas, toldos para uso externo, persianas internas, venezianas etc., o procedimento é um pouco diferente, especialmente para os requisitos exigidos.
No último caso, a partir de documentos oficiais, não está claro se odeclaração é necessário ou se as fichas técnicas e as certificações dos produtos instalados são suficientes.
Em caso de dúvida, aconselho sempre a fornecê-lo.
No entanto, é claro que oCertificado de Desempenho Energético não é requerido.
Aqui estão os documentos necessários para instalar ou substituir o sombreamento solar:
- faturas;
- recibos de transferências bancárias;
- asseveração assinada por técnico habilitado e / ou certificações do fabricante que indicam a presença da marca CE e o valor do fator solar g da blindagem;
- preencha a ficha de informações da ENEA (Anexo F-modelo para protecção solar) e envie-a no prazo de 90 dias a contar do final dos trabalhos.

Dedução de 65% para instalação de painéis solares

Para a instalação de painéis solares, odeclaração Não é necessário quando os painéis são feitos de autocostruzione.
Neste caso, deve ser apresentado o certificado de participação em um curso de treinamento específico pelo beneficiário.

Dedução de 65% dos painéis solares

Se eu painéis não eles são feito em auto-construção, a assertiva se torna obrigatória e deve certificar os seguintes requisitos:
- que os painéis solares e as chaleiras utilizadas são garantidos por pelo menos 5 anos;
- que os acessórios e componentes elétricos e eletrônicos são garantidos por pelo menos 2 anos;
- que os painéis solares têm certificação especial de conformidade com as normas UNI EN 12975 ou UNI EN 12976, certificadas por um órgão da União Europeia e da Suíça;
- que a instalação dos sistemas foi realizada em conformidade com os manuais de instalação dos componentes principais.
L 'Certificado de Desempenho Energético não é requerido no caso de instalação de painéis solares.
Documentos a serem produzidos:
- faturas;
- recibos de transferências bancárias;
- asseveração assinada por técnico habilitado, atestando os requisitos acima;
- preencha a ficha de informações da ENEA (Anexo F-modelo para painéis solares) e envie-a no prazo de 90 dias a contar do final dos trabalhos.

Dedução de 65% para geradores de calor

Também para geradores de calor (caldeiras de condensação, bombas de calor, usinas geotérmicas de baixa entalpia, geradores de biomassa) a dedução fiscal sobre economia de energia não requer a elaboração deCertificado de Desempenho Energético.

Dedução de documentos 65% caldeira

L 'declaração por outro lado, deve ser feito para geradores de biomassa de qualquer potência e para todos os outros sistemas (com caldeira de condensação, bomba de calor, usinas geotérmicas de baixa entalpia) com uma potência nominal de mais de 100 kW.
Dependendo do tipo de gerador, diferentes requisitos técnicos devem ser atendidos.
Para caldeiras de condensação, bombas de calor e usinas geotérmicas de baixa entalpia com potência de 100 kW ou menos, a assertiva pode ser substituída por certificação de produtores.
Portanto, no caso de caldeiras de condensação, bombas de calor e plantas geotérmicas de baixa entalpia com Potência nominal igual ou inferior a 100 kW, os documentos a serem produzidos são:
- faturas;
- recibos de transferências bancárias;
- Asseveração assinada por técnico habilitado ou, alternativamente, certificações pelos produtores;
- preencha a ficha de informação da ENEA (Anexo E) e envie-a no prazo de 90 dias a contar do final dos trabalhos.
Em vez disso, no caso de caldeiras de condensação, bombas de calor e instalações geotérmicas de baixa Potência nominal superior a 100 kW e para geradores de biomassa, os documentos a serem produzidos serão:
- faturas;
- recibos de transferências bancárias;
- asseveração assinada por técnico habilitado;
- preencha a ficha de informação da ENEA (Anexo E) e envie-a no prazo de 90 dias a contar do final dos trabalhos.



Vídeo: