Repartição das despesas do condomínio e escolha do critério errado

O que acontece se a montagem decidir erroneamente aplicar um critério errado de alocação de custos e as tabelas também estiverem incorretas?

Repartição das despesas do condomínio e escolha do critério errado

Ripartizione spese

o Supremo Tribunal, com o enviado. 18 de janeiro de 2010 n. 657, retorna para lidar com o tema sempre atual da distribuição de despesas condominiais e fá-lo em relação à escolha do critério e às consequências no caso de esta escolha se revelar errada.
De acordo com o Colégio Supremo a seleção de um critério de distribuição, em vez de outro, se feita por uma maioria e sem a vontade de introduzir uma exceção aos critérios canônicos de alocação, envolve anulabilidade e não a nulidade da resolução.

Tome isso, por exemplo, o caso em que o conjunto por engano, decidir compartilhar a despesa para o seguro do edifício (para o qual a tabela de propriedade millesimal é usada) com a tabela relativa à manutenção e reconstrução das escadas.
Nestes casos, o condomínio dissidente e o ausente, se quiserem afirmar o seu desacordo com esta deliberação e ver a invalidez declarada, terão que contestar a resolução no Tribunal de Justiça competente, ou seja, a do local onde o imóvel está localizado, por 30 dias.
o início do prazo para o co-proprietário presente na reunião, mas contrário, começará a partir da data da deliberação, enquanto que para oausente a data de comunicação da decisão deve ser levada em consideração.
É duvidoso se eu absteve eles também podem desafiar porque nem na doutrina nem na jurisprudência há uniformidade de pontos de vista sobre sua igualdade com aqueles que se opõem.
Em vez disso, pode acontecer que a assembleia decide deliberadamente e por maioria derrogar a um critério legal (ou convencional) alocação de despesas.
Por exemplo, a reunião dos condomínios poderia ser decidida dividir o custo da apólice de seguro em partes iguais e não com base nos milésimos de propriedade.

Ripartizione spese

Nesses casos, a menos que haja um acordo entre todos os participantes do condomínio, a decisão terá que ser considerada nula porque foi adotada em violação dos critérios de distribuição previamente escolhidos (legais ou convencionais).
O que acontece se a montagem decidir erroneamente, aplicar um critério de repartição de despesas errado e as mesas também estavam erradas? pergunta foi a base da decisão que foi o assunto deste comentário.
Na opinião do juízes de legitimidade, as tabelas erradas não afetam a nulidade da resolução. as mesas, escolhido por engano para subdividir um custo de gestão, pode estar correto ou errado, mas isso não tem influência sobre a deliberação que permanecerá sempre anulável.

O que o condomínio terá que fazer
que, além de discordar da escolha feita em relação aos gastos individuais, também percebe que as tabelas milésimas devem ser revistas, uma vez que não estão em conformidade com o valor real das unidades imobiliárias?
De acordo com o Supremo Tribunal, que na sentença não. 657/10 adere às conclusões alcançadas por ambos os juízes de mérito, a deliberação, no caso de erros semelhantes ao descrito, deve ser contestada por (...) dentro do prazo de prescrição indicado no art. 1137 do Código Civil, uma vez que não é inválido como mera implementação de um critério para alocação de despesas condominiais ordenadas e impostas (ainda que de modo abstrato incorreto) pelo regulamento do condomínio e não contendo um critério novo ou diferente para a alocação de tais despesas (Bem Cass. 18 de janeiro de 2010 n. 657).
Para isso, a parte interessada, que queria ver redefiniu-os tabelas milésimas, deve acompanhar a ação de revisão das tabelas previstasart. 69 avail. att. cc



Vídeo: