Deduções para intervenções em garagens

Quais são as intervenções realizadas com mais frequência em garagens que podem se beneficiar de deduções de reestruturação ou economia de energia?

Deduções para intervenções em garagens

autorimesse

Muitas vezes acontece de receber esclarecimentos sobre a possibilidade de acessar isenção de impostos sobre economia de energia (65%) ou em reformas de edifícios (50%) para obras criadas em garagens.
Neste artigo vou recolher as perguntas mais frequentes, tentando assim esclarecer as dúvidas relacionadas a elas.

Intervenções em garagens e dedução para economizar energia (65%)

autorimessa attigua all'abitazione

Mais de uma vez me perguntaram se é possível ter acesso ao benefício fiscal para economia de energia, como resultado da substituição do portão da garagem por um janela mais isolada. Normalmente, esta intervenção é feita por proprietários que têm a casa diretamente ligada à garagem, com a intenção de obter menos dispersão de calor e, portanto, também se beneficiar do apartamento.

Dedução de 65%: somente se houver aquecimento

Neste caso, a dedução fiscal para economia de energia só é possível se o sistema estiver instalado na garagem aquecimento. Na verdade, essa dedução só é permitida se a intervenção for realizada no invólucro que delimita o volume aquecido.
Se, em vez disso, não houver aquecimento na garagem, podemos avaliar se essa intervenção pode ser incluída na dedução fiscal para reformas de prédios, o que veremos nos parágrafos a seguir.

Construção de novas garagens e dedução para reformas de edifícios (50%)

Ao contrário da dedução fiscal para poupança de energia, que é permitida para intervenções realizadas em edifícios existentes de qualquer categoria cadastral, a dedução para renovações de edifícios é apenas para obras realizadas em edifícios com destino residencial.
Portanto, quando se trata de dedução em relação a intervenções em garagens, esse tempo deve provar pertencente de imóveis residenciais.
Nós começamos a partir da construção de um nova garagem.
A isenção fiscal para reformas de edifícios é permitida para intervenções relacionadas à construção de garagens ou estacionamentos adjacentes, também de propriedade conjunta.
Assim, podemos acessá-lo se, por exemplo, construirmos uma nova garagem para ampliar a casa ou se construirmos vagas de estacionamento descobertas dentro do pátio do condomínio.
Esta é uma das exceções da dedução fiscal para reformas de edifícios, pois é o único caso em que é permitida a construção de novos edifícios.

Intervenções em garagens e dedução para reformas de edifícios (50%)

saracinesche di autorimesse

Outra questão recorrente é a possibilidade de acesso à isenção fiscal para a reestruturação em caso de substituição do portão da garagem.
Se o elemento for substituído por outro com le mesmas características, a intervenção é configurada como manutenção ordinária e, portanto, é dedutível somente se ocorrer partes comuns.
Isso acontece por exemplo, se você substituir o portão de uma garagem do condomínio coletivo.
Se, em vez disso, a substituição diz respeito a um garagem privada, a dedução não é possível substituindo o elemento por outro com as mesmas características.
A Inland Revenue Agency especifica que as intervenções de substituição das válvulas de gaveta só são permitidas se forem feitas inovações.
As inovações podem ser de vários tipos, por exemplo, a instalação de um portão com material diferente (talvez mais robusto) ou uma válvula de gaveta eletrificada.
Este grupo de intervenções também pode incluir o que nos referimos no início do artigo, ou seja, a instalação de uma válvula de gaveta isolada.
Portanto, se, por um lado, o último trabalho não pode se beneficiar da dedução fiscal para economia de energia, ele pode, em vez disso, acessá-lo para reformas em prédios.

porte elettrificate per autorimesse

Quanto ao válvulas de porta eletrificadas, Gostaria de especificar que, neste caso, a dedução é permitida apenas para a substituição da existente com uma porta eletrificada.
A única adição de eletrificação é excluída, deixando a válvula de gaveta pré-existente.
A única exceção na qual esse tipo de intervenção pode ser dedutível ocorre quando favorece a mobilidade de pessoas com deficiências graves, conforme o artigo 3º, parágrafo 3º da Lei 104/1992.
Uma última questão a ser esclarecida é quando a garagem não está equipada com um portão e você decide instalar um novo.
Esta intervenção é admitida à dedução por uma razão dupla. Em primeiro lugar, a Revenue Agency especifica que entre as intervenções facilitadas está a nova instalação de válvulas de comporta de qualquer tipo.
Em segundo lugar, também é permitido porque a intervenção faz parte daquelas classificadas como a adoção de medidas destinadas a impedir o risco do cumprimento de atos ilícitos por parte de terceiros, que também são facilitadas.
Nesse sentido, gostaria de lembrar que sempre por este último motivo (prevenção de atos ilegais) também pode incluir a fixação ou substituição de fechaduras, cadeados, parafusos ou orifícios em uma válvula de gaveta existente e também a instalação na garagem de detectores de abertura, dispositivos anti-roubo e unidades de controle relativas.

Compra de garagem e dedução para reformas de edifícios (50%)

Para compras contemporâneas da casa e garagem (ou lugar de estacionamento) com uma única escritura notarial, indicando o constrangimento relativo à garagem com a casa, o comprador pode usufruir da dedução nos custos de construção da garagem.
No entanto, estes devem ser documentados por uma pessoa especial atestação emitido pelo vendedor.
Para escrituras de compra concluídas após o pagamento de qualquer adiantamento, a Administração Tributária especificou que a dedução fiscal é devida somente se um compromisso de venda foi registrado regularmente indicando a existência do restrição pertinente entre casa e garagem (ou espaço de estacionamento).
Se a preliminar estiver faltando de compra registrada, quaisquer pagamentos feitos por transferência bancária antes da escritura pública não podem ser deduzidos.
De fato, neste caso, a existência da restrição pertinente exigida pela lei no momento do pagamento não seria encontrada ainda.
Também pela mesma razão, o caso particular da transferência bancária feito no mesmo dia da estipulação da escritura antes da assinatura da escritura, como especificado no Resolução da Agência de Receitas n.7 / E de 13 de janeiro de 2011.



Vídeo: