Dedução de 65% para medidas anti-sísmicas

Até 31 de dezembro de 2019, é necessária uma dedução de 65% para a adoção de medidas resistentes a terremotos em edifícios que se enquadram em áreas sísmicas de alto risco.

Dedução de 65% para medidas anti-sísmicas

Dedução de 65% para despesas incorridas com a adoção de medidas anti-sísmicas

Entre as intervenções de construção que poderão aproveitar as deduções de 50% de Irpef, também estão as que visam a adoção de medidas anti-sísmicas e medidas de segurança estática, realizada nas partes estruturais dos edifícios existentes.

Immobili in zone ad alta pericolosità sismica

Com a entrada em vigor do decreto n. 63 de 6 junho de 2013, em seguida, convertido em lei n. 90 de 4 de agosto de 2013, a dedução fiscal para tais intervenções, realizada em edifícios localizados em áreas de alto risco, foi aumentada para 65% para intervenções realizadas de 4 de agosto a 31 de dezembro de 2013.
Com a entrada em vigor da Lei de Estabilidade de 2015, o aumento da taxa para este tipo de intervenção foi prorrogado até 31 de dezembro de 2015.
O teto máximo de despesa para calcular essa dedução é fixado em 96.000 euros para cada unidade imobiliária.
Será dividido em 10 parcelas do mesmo valor, dos quais o primeiro se refere ao ano em que as despesas são sustentadas e os outros para os anos seguintes.

Requisitos da propriedade para acessar a dedução de 65% para intervenções anti-sísmicas

As restrições relacionadas às propriedades para as quais você pode se beneficiar da facilitação são essencialmente de um caractere territorial e relacionado autilização edifício. Não há referências ou limites para a categoria cadastral, de fato, edifícios não residenciais também são permitidos.
Em primeiro lugar, as intervenções, para poder aproveitar a facilitação, devem ser realizadas, como mencionado, em edifícios que caiam em áreas alto perigo do ponto de vista sísmico.
Estas áreas são identificadas pelos códigos 1 e 2 emanexo A do despacho do Presidente do Conselho de Ministros n. 3274 de 20 de março de 2013, intitulado Primeiros elementos relativos a critérios gerais para a classificação sísmica do território nacional e regulamentos técnicos para edifícios na área sísmica.
A dedução é também aplicada às propriedades localizadas nas áreas identificadas com os códigos 3 e 4 do anexo, mas, neste caso, à taxa padrão de 50%.
Os edifícios devem ser usados ​​como casa principal ou destinado a atividades produtivas e esse é um requisito importante que distingue essa facilitação da dedução comum de 50%. Este último, de fato, se aplica a todos os edifícios residenciais, sem necessariamente ter os requisitos da primeira casa, mas não aqueles destinados a atividades produtivas.
Esta distinção foi introduzida para privilegiar os edifícios em que a família e a vida profissional do contribuinte devem acontecer principalmente.
Lembre-se que, para efeitos fiscais Irpef, queremos dizer a propriedade usada pelo contribuinte como residência principal habitação principal para si e sua família.
Por outro lado, construções usadas para atividades produtivas significam aquelas propriedades usadas para executar actividades agrícolas, produção de bens, comercial e profissional.
Em alguns casos, um edifício que requer intervenção pode incluir mais unidades imobiliárias, um dos quais é destinado à residência principal e os demais para outros lares ou atividades produtivas.
A receita do interior esclareceu, com o circular n. 28 de 18 de setembro de 2013, que neste caso o benefício de 65% só pode ser aplicado à casa principal e às unidades destinadas a atividades produtivas, enquanto que para os outros edifícios a dedução ordinária de 50% pode ser aplicada, novamente até 31 de dezembro de 2015.

Despesas sujeitas a dedução de 65% para intervenções anti-sísmicas

detrazione per interventi antisismici

As despesas para as quais a dedução de 65% pode ser acessada são, acima de tudo, aquelas necessárias para realizar o trabalho partes estruturais de edifícios para torná-los seguros de um ponto de vista estático.
As ações realizadas também estão incluídas em mais edifícios estruturalmente ligados uns aos outros enquanto, se tais intervenções forem realizadas no centros históricos, os regulamentos determinam que eles devem ser realizados com base em projetos unitários e não concluídos na unidade habitacional única.
Também estão incluídos os custos necessários para a preparação do documentação comprovação da segurança estática do edifício, como certificados de teste, certificados de aptidão estática, folga do corpo de bombeiros, etc., e para a realização das intervenções necessárias para sua liberação.

Quem pode aproveitar a dedução de 65% para intervenções anti-sísmicas

Eles podem tirar proveito dessa dedução fiscal Irpef ou Ires sujeitos que apoiaram as despesas e que possuem um direito real na propriedade.
Portanto, não só os proprietários estão autorizados, mas também aqueles que detêm a propriedade com outro título, como o arrendamento.

Como solicitar a dedução de 65% para intervenções anti-sísmicas

Uma vez que no texto da lei não há formas explicitamente específicas de poder aproveitar a facilitação, a Receita Federal considerou que elas devem ser entendidas como aquelas normalmente exigidas para a facilitação. Dedução de 50%.



Vídeo: