O contrato de administração e a casa

A gestão de uma casa envolve a assinatura de contratos de fornecimento (por exemplo, para água, gás, eletricidade, telefonia). Vamos ver as principais características desses contratos.

O contrato de administração e a casa

O elemento da duração na administração

Administração de água

o administração é esse contrato no qual uma parte se compromete a executar a outra serviços periódicos ou contínuos das coisas, mediante o pagamento de um preço (v. Artigos. 1560 e ss. código comercial.).
o duração é um elemento essencial do contrato: os serviços, de fato, devem ser periódicos ou contínuos e, portanto, duram ao longo do tempo.
A duração distingue a administração de outro contrato similar, que é a venda para entregas distribuídas: enquanto na venda para entregas divididas o contrato consiste em um único serviço e vários executivos (entrega) atuam por uma simples questão de conveniência de cumprimento, na administração a periodicidade é o elemento essencial e corresponde às necessidades da peça (necessidade de água, eletricidade, etc.) que se repetem com o tempo.

Administração e provisão de coisas

Administração também é confundida comcontrato e a distinção nem sempre é fácil.
Muitas vezes nos referimos ao critério da prevalência do trabalho (contrato) ou serviço (se serviços ou obras é um serviço) etc.
Mas a distinção não é relevante para o caso dos usuários, para quem não há dúvida de que esta é uma questão de administração.
De fato, os contratos de fornecimento de água, eletricidade, gás e linha telefônica enquadram-se na lei e na jurisprudência do conceito de administração.
A administração pode atender às necessidades de consumo, ou necessidades deuso.

Quantidade de administração

Administração de eletricidade

O código fornece alguns critérios para o caso da não determinação de certas condições contratuais: por exemplo, se aentidade de administração, isso deve ser identificado em normal requisitos da parte... teve em conta o momento da celebração do contrato (V. art. 1560 c.c.).
Além disso, se as partes estabelecerem apenas o limite máximo e mínimo para toda a administração ou para os serviços individuais, caberá ao direito de administrar, dentro dos limites acima mencionados, a quantidade devida.
O código também especifica que o conceito de necessidades não coincide com o de quantidade mínimaDe fato, se o montante da administração deve ser identificado com referência às necessidades e uma quantidade mínima é estabelecida, o beneficiário é comprometido pelo contrato para a quantidade correspondente ao requisito, se o requisito exceder o mínimo (v. art. 1560 c.c.).

Preço da administração

Se o preço não é fixado nem pelas partes nem por uma autoridade pública presume-se que as partes pretendiam referir-se ao preço normalmente aplicado pelo vendedor (V. Artigos. 1561 e 1474 c.c.); neste caso tem-se que fazer com o tempo da expiração dos serviços individuais e o lugar onde eles devem ser executados (V. art. 1561 c.c.).
O preço deve ser pago, se os serviços forem periódicos, no momento dos serviços individuais e na proporção de cada um deles, se ao invés disso eles são contínuos, de acordo com os prazos de uso (V. art. 1562 c.c.).

Expiração de desempenho

o prazo de entrega É claro que os benefícios devem ser estabelecidos no interesse de cada parte e, como tal, presume-se.
Quando se prevê que o titular da administração tem o direito de estabelecer o prazo de validade, este deve notificar o outro por meio de notificação apropriada (v. art. 1563 c.c.).

Administração e padrão

Na administração, o resolução (a dissolução do contrato) para falha é permitido na ocorrência de duas condições: o padrão deve ter importância considerável e, dada a relevância do elemento de duração, deve ser tal como prejudicar a confiança na precisão das obrigações subsequentes (V. art. 1564 c.c.).
o suspensão de fornecimento para falha por outro lado, especialmente se for um incumprimento das suas obrigações pequena entidade, deve ser precedido por aviso razoável (V. art. 1565 c.c.).

Preferência e exclusividade

Administração de água

De acordo com oart. 1566 c.c. o acordo com o qual o administrado se compromete a preferir o administrador no contrato subseqüente não pode exceder a duração de cinco anos.
L 'art. 1566 c.c. em seguida, prevê que a pessoa habilitada a receber o medicamento deve informar ao fornecedor as condições propostas por terceiros e a parte administradora deve declarar, sob pena de caducidade, dentro do prazo estabelecido ou, nas circunstâncias ou usos, se pretender utilizar o direito de preferência.
As partes podem então celebrar acordos direito exclusivo em favor de uma ou outra parte.
Assim, se isso for acordado em favor do administrador, a outra parte não pode receber benefícios da mesma natureza de terceiros, ou, salvo acordo em contrário, pode fornecer com seus próprios meios para a produção das coisas que são objeto do contrato (V. art. 1567 c.c.).
Por outro lado, se a cláusula de exclusividade é acordada em favor da pessoa com direito à administração (mas o caso não é certamente o de usuários domésticos), o destinatário não pode exercer na área para a qual a exclusividade é concedida e para a duração do contrato, direta ou indiretamente, serviços da mesma natureza daqueles que são objeto do contrato.
Além disso, o titular da administração, que assume a obrigação de promover, na área cedida, a venda das coisas de que tem exclusividade, será responsável pelos danos em caso de descumprimento dessa obrigação, mesmo que tenha executado o contrato com relação à quantidade mínimo que foi definido. (V. art. 1568 c.c.).

retirada

No caso de a duração do contrato não ser fixa, o recesso é sempre possível, se feito com a devida antecedência (que é fixada para contratar, ou dos usos, ou, na ausência de prescrição, congruente) (v. art. 1569 c.c.).

Lei aplicável

Os contratos individuais são também regidos pelas regras relativas aos serviços individuais (ver art. 1570 c.c.).
Por exemplo, na administração de consumo As regras sobre o aplicativo também se aplicam venda e o contratoenquanto na deuso As regras sobre o aplicativo também se aplicam arrendamento e o empréstimo.
É, portanto, um caso de dificultar a tarefa de identificar qual norma se aplica ao caso específico.
A legislação que foi mencionada deve ser integrada de acordo com a disposição da legislação do setor extracode.
Por exemplo, para telefonia, ele deve ser integrado com o L. n. 249/1997 (Estabelecimento da Autoridade para Garantias de Comunicações e regras sobre telecomunicações e sistemas de rádio e televisão).
Em geral, os setores também são regulados pelos diversos atos assumidos pelo Fiadores (nomeadamente a Autoridade do Sistema Eléctrico, do Gás e da Água e da Autoridade das Garantias das Telecomunicações) e, evidentemente, das disposições do Código do Consumidor (D. L. N. 206/2005).
É evidente, finalmente, como alguns regras de administração - como aqueles sobre o pacto exclusivo em favor do administrado, ou o direito do administrado para definir o prazo - não pode ser aplicado ao caso de usuários domésticos, onde normalmente é o provedor para estabelecer condições contratuais padrão (e entre outras coisas, obviamente, não há um acordo exclusivo em favor do administrado).



Vídeo: CONTRATOS POR EMPREITADA OU ADMINISTRAÇÃO