Taxas de condutor e condomínio

O proprietário de uma unidade habitacional do condomínio tem sempre o direito de obter do inquilino o reembolso de determinadas despesas do condomínio. Como experimentá-los?

Taxas de condutor e condomínio

Arrendamento e relação de condomínio

A localização, para dizer que é oart. 1571 c.c., è o contrato pelo qual uma parte se compromete a fazer a outra desfrutar de algo móvel ou imóvel por um certo tempo, para uma consideração específica.

Spese condominiali

É um contrato com serviços correspondentes (pagamento de renda para bens imóveis), que constitui um direito pessoal de gozo na propriedade concedida.
Lei pessoal de gozo é algo diferente de um direito real de gozar em outra coisa: esta diferença é percebida acima de tudo por olhar para os conceitos de possessão e possessão.
A lei específica dois aspectos que sempre deve ser levado em consideração:
a) contratos de uso residencial devem ser sempre escrito por escrito;
b) os contratos em questão devem ser sempre gravado no final do pagamento dos impostos relativos.
para contratos de habitação nós significamos principalmente aqueles governados pela lei n. 431/98 e disposições de execução, isto é, contratos com renda livre (os chamados 4 + 4) e aqueles com renda fixa (ou seja, 3 + 2 e de natureza transitória).
Se a unidade imobiliária estiver localizada em um condomínio, nessa relação contratual, como normal, algumas também serão inseridas regras ditadas sobre o assunto de condomínios em edifícios.

Arrendamento e condomínio

o condutor de uma unidade imobiliária de condomínio deve:
a) ser assunto conhecido do administradorcomo o art. 1130 n. 6 c.c. (o que governa o assim chamado escritório de registro de condomínio) exige que o proprietário informe o condomínio do nome do inquilino;
b) respeitar o regulamento do condomínio;
c) pagar a despesas de condomínio.

Spese

No ponto, é sobre aqueles que, de acordo com o lei n. 392/78 (assim chamada a lei sobre a renda justa, ainda parcialmente em vigor) são custos acessórios definidos, vale a pena especificar um aspecto.
O inquilino é obrigado a pagar as taxas do condomínio mas esta obrigação não envolve o condomínio, mas apenas o proprietário.
Nesse sentido, o Supremo Tribunal, em várias ocasiões, especificou que a lei sobre a taxa justa rege a relação entre o senhorio e o inquilino, sem inovar os regulamentos gerais sobre condomínios em edifícios, de modo que o administrador tem o direito - em conformidade com as disposições combinadas de artigos 1123 bacalhau proc. civ. e 63 disp. att. mesmo código - recolher as contribuições e despesas para a manutenção de bens e serviços comuns no interesse comum direta e exclusivamente de cada edifício, excluindo uma ação direta contra os inquilinos das unidades de alojamento individuais (Cass., Seção II, 14 de julho de 1988, n.4606, Cassation, Sector III, 27 de Novembro de 1989, No. 5160) (Cass. 12 de janeiro de 1994 n. 246).

Medição e comprovação de despesas condominiais

L 'art. 9 lei n. 392/78 especifica que o inquilino deve pagar os custos de limpeza, operação e manutenção do elevador, abastecimento de água, eletricidade, aquecimento e ar condicionado, purga das fossas e latrinas, bem como a prestação de outros serviços comuns.
Quem paga (isto é, oinquilino) tem sempre o direito de solicitar documentação de despesas.
O que devemos entender para documentos de despesas e então como você pode provar a quantidade exata de despesas condominiais devidas pelo inquilino?
Ele nos lembra, referindo-se a uma decisão anterior do Supremo Tribunal Federal, o Tribunal de Roma que, em um caso resolvido em novembro de 2013, respondeu substancialmente à questão.
É lido na sentença que o senhorio que detém o senhorio para o pagamento das despesas do condomínio nos termos do art. 9 lei de 27 de julho de 1978 n. 392 cumpre o seu ônus da prova, produzindo os relatórios do administrador aprovados pelos condomínios, cabendo ao contratante pagar encargos específicos em relação aos diversos jogos contados. (Trib. Roma 15 de novembro de 2013 n. 23093).
Como se dissesse: o dono se instala produzindo o relatório enquanto cabe ao inquilino mostrar que uma das despesas que lhe são cobradas não é da sua competência (por exemplo, manutenção extraordinária do elevador).
Para fazer isso, o inquilino tem o direito de perguntar (e obter) o chamado administrador do condomínio documentos comprovativos (Cfr. art. 1130-bis, primeiro parágrafo, c.).
É bom lembrar que não estará cumprindo o pagamento das taxas nos termos do art. 9 l n. 392/78 poderá resultar em ação judicial para rescisão do contrato, nos termos do art. 1453 c.c. ou, em qualquer caso, sem afetar o contrato existente, a uma ação por medida cautelar para o pagamento das despesas do condomínio.



Vídeo: Condomínio faz assembléia pela internet em SP