O condomínio é responsável pelos graves defeitos da propriedade

O condomínio, destinado à equipe composta por todos os proprietários de unidades imobiliárias do prédio, é responsável por graves defeitos do prédio.

O condomínio é responsável pelos graves defeitos da propriedade

Condomínio responsável por defeitos de propriedade

O condomínio, ou seja, o grupo composto por todos os proprietários de unidades imobiliárias presentes no edifício, é responsável por defeitos graves do edifício.
Isto mesmo se tais defeitos forem atribuíveis a má execução das obras do fabricante.
Não, não é sobre esse fenômeno muito comum mais conhecido como pinote.

O fabricante, de fato, uma vez que o condomínio foi estabelecido ele não sai impune; a gama de assuntos responsáveis ​​por danos provenientes das partes comuns do edifício simplesmente se expande.
A razão para isso posição, o que pode parecer injusto, explica claramente o Supremo Tribunal de Cassação com uma decisão de 10 de outubro.
Ele lê no Pronúncia testé cited que o Tribunal de Recurso cuja decisão é contestada tem seguido corretamente o princípio consolidado declarado por este tribunal que se o fenómeno prejudicial reclamado pelo condomínio individual na propriedade exclusiva é originado pela construção defeituosa das partes comuns do edifício (na situação precária da parede do perímetro adjacente ao jardim do condomínio e dos poços), em relação a estes é responsável, de forma autônoma ex art. 2051 do Código Civil, o Condomínio, que é mantido, como custodiante, para eliminar as características prejudiciais inerentes ao próprio (vide Cassação de 12 de julho de 2011 No. 15291, Cassação 15 de abril de 1999 No. 3753, Cass. 21 de junho 1993 No. 6856, Cassation de 25 de março de 1991 No. 3209, Cassation de 9 de maio de 1988, no. 3505).
Esta não é uma responsabilidade derivada (o Condomínio, embora seja um sucessor particular do vendedor, não assume sua responsabilidade pessoal, vinculada à sua atividade específica e baseada no artigo 1669 do Código Civil), mas sim de forma autônoma fonte de responsabilidade nos termos do art. 2051 c.civ. (veja cassação 6856/93, cit.)
(Cass. 10 de outubro de 2012, n. 17268).
em resumo o elemento chave para entender a responsabilidade do condomínio é o chamado dano de coisas sob custódia.

Condomínio responsável por defeitos de propriedade

O padrão de referência é oart. 2051 c.c. que diz:
Cada um é responsável pelo dano causado pelas coisas que ele tem sob custódia, a menos que ele prove o evento fortuito.A jurisprudência, ao longo dos anos, chegou a afirmar que, de acordo com o artigo que acabamos de mencionar, é uma hipótese de responsabilidade objetiva.
Em essência o guardião do bem do qual o dano vem Ele é sempre responsável pelo evento prejudicial, a menos que seja capaz de mostrar que o mesmo vem de um acidente que também pode ser representado pelo fato de um terceiro, incluindo a parte lesada.
De qualquer maneira se o condomínio for responsável, se as condições forem atendidas, ele ainda poderá decidir agir contra o construtor, retaliando-o.



Vídeo: Barulho provocado por vizinhos pode gerar problemas que acabam na Justiça