Centro Pompidou em Metz

O novo museu acaba de ser inaugurado, ampliando os espaços e as possibilidades de exposição do lendário edifício Piano and Rogers.

Centro Pompidou em Metz

o Centro Pompidou por Renzo Piano e Richard Rogers nos anos setenta, marcou uma margem de tempo precisa e estabeleceu novas estratégias de planejamento para a inserção de novas arquiteturas em um contexto historicizado;
o clamor despertado para a construção ocorreu foi determinado por ser um objeto alienígena em um centro histórico, algo a meio caminho entre uma nave espacial e uma planta industrial, tecnologicamente avançado e cheio de cores, que com o tempo superou a desconfiança natural dos parisienses para se tornar um elemento de qualidade e um forte apelo turístico e cultural da capital francesa.

Centro Pompidou em Metz (imagem de jdg-architectes.com)

O que muitas pessoas n√£o sabem √© que o Centro Pompidou n√£o √© apenas um edif√≠cio, mas uminstitui√ß√£o cultural, que continua a miss√£o original do seu criador, o Presidente Georges Pompidou, de criar locais onde oarte moderna poderia expressar-se em todas as suas formas e facetas e integrar-se ao cinema, literatura, m√ļsica e teatro, apoiando o sentido da arte moderna como um princ√≠pio da vida social e n√£o apenas uma oportunidade elitista de apreciar a vis√£o de obras art√≠sticas.
Com o objetivo de fortalecer a missão cultural popular e torná-la disponível para mais e mais pessoas, em 2003 foi decidido lançar um competição internacional de arquitetura escolher um projeto inovador a ser implementado em Metz, a capital da região de Lorraine, no nordeste do país, que permitiria a expansão das possibilidades e espaços de exposição dentro de um edifício que poderia expressar o sentido dos tempos em que vivemos.
em novembro no mesmo ano, o grupo liderado pelo arquiteto japonês foi selecionado como o projeto vencedor Shigeru Ban e composto pelo arquiteto francês Jean de Gastines com a colaboração de Philippe Gumuchdjian.

Interior do Centro Pompidou em Metz (imagem de jdg-architectes.com)

depois cerca de tr√™s anos de trabalho o edif√≠cio foi conclu√≠do e oficialmente aberto ao p√ļblico com um grande inaugura√ß√£o em maio passado e se apresenta como uma parte ambiciosa de um projeto maior para recuperar a √°rea sobre a qual se ergue e relan√ßar a economia local por meio do turismo cultural.
O aspecto arquitet√īnico que imediatamente chama a aten√ß√£o √© o grande lidartoldo, uma esp√©cie de chap√©u gigantesco (nas inten√ß√Ķes dos designers) composto por um tecido em PTFE (POLY Tetra Fluoroetileno) montado em um estrutura de madeira que virtuamente reagrupa um conceito de malha hexagonal semelhante √† de alguns tipos de chap√©us de palha chineses.
A estrutura do telhado, semi-transparente, permite a passagem de luz e filtra o brilho excessivo nas áreas comuns e ao mesmo tempo unifica visualmente o edifício, cuja planta é desenvolvida de forma não estereométrica, mas de acordo com um critério de organização de museu em que existem espaços de exposição de vários tamanhos e destinos, dominados pela essencialidade dos acabamentos e a cor branca constante.
No geral, as casas de constru√ß√£o tre grandes galerias de exposi√ß√Ķes de 1150 metros quadrados cada, um corredor de 1200 metros quadrados, um audit√≥rio de 144 lugares, um caf√©, um restaurante, um centro de pesquisa e uma livraria.
Um m√©rito do projeto, como uma fun√ß√£o de exposi√ß√£o, √© a ductilidade das √°reas de exposi√ß√£o, nunca delineado rigidamente e que pode ser modulado com base nos crit√©rios de exposi√ß√£o e nas pe√ßas expostas, para n√£o mencionar que as possibilidades de usar o espa√ßo para a fun√ß√£o de museu s√£o estendidas pela presen√ßa de um jardim de esculturas, um f√≥rum, bem como o pr√≥prio terra√ßo do restaurante e √°reas de cobertura das principais salas de exposi√ß√Ķes.
centrepompidou-metz.fr
shgerubanarchitects.com
jdg-architectes.com



Vídeo: Centre Pompidou Metz