Leis de condomínios em frente à Justiça da Paz

Em termos de condomínios em edifícios, muitas vezes, para resolver uma questão em um tribunal de justiça, é necessário entrar em contato com a Justiça da Paz. Quando isso é assim?

Leis de condomínios em frente à Justiça da Paz

Jurisdição exclusiva da justiça da paz

condomínio

Muitos dos causas condominiais, ou seja, as disputas entre condòmini ou entre condomínio e condomínios, são de responsabilidade da Justiça da Paz.
A competência, lemos no manuais de direito processual civil, é uma fração de jurisdição que identifica o juiz a quem endereçar seu pedido.
L 'art. 7 do código de processo civil especificar que eles são deixados à jurisdição da justiça da paz, seja qual for o valor das causas relacionadas com a medida e os métodos de uso dos serviços de condomínio das casas.
O que significa, seja o que for valor?
Com esta dicção, o legislador pretendia reservar um dos magistrados honorários competência exclusiva sobre esses litígios, de modo que o caso vale 1 euro, de modo que tem valor indeterminável.
Exceto para exceções, parece útil lembrar para aqueles que não estão empregados, o competência geral pelo valor da justiça da paz, ele pára em 5.000,00 euros.
Dito isso, é bom esclarecer, precisamente, quais são as disputas que têm como objeto a medida e a como usar serviços de condomínio.
o Supremo Tribunal de Cassação ele se expressou muitas vezes sobre o assunto e, a essa altura, tomou uma orientação clara e consolidada.

Condomínio em edifícios

De acordo com os juízes de legitimidade
em termos de litígios entre proprietários, devem ser entendidos, por razões relacionadas com o uso de serviços de condomínio, aqueles referentes a limites de qualidade para o exercício dos direitos contidos no direito de comunhão e, portanto, aqueles relacionados à maneira mais conveniente e adequada em que essas faculdades devem. a ser exercido; enquanto que por razões relacionadas com a medida de serviços de condomínio deve ser entendido aqueles relativos a uma redução ou limitação quantitativa do direito de condomínios individuais. Portanto, há a competência ordinária para valor, se o condomino não deriva uma limitação qualitativa do seu direito, mas a negação na raiz dele, como, por exemplo, para o pedido à declaração de inibição do estacionamento no pátio município (Despacho nº 15-4-2002 nº 5448, de 22 de Maio de 2000 nº 6642, de 13 de Outubro de 1997 nº 9946, de 28 de Setembro de 1994 nº 7888) (Bem Cass. 18 de fevereiro de 2008 n. 3937).
O que isso significa?
Pense na hipótese de uma sala comum; l 'montagem, para evitar sobreposição, prepara um tipo de reserva necessária para uso. Um dos condomínios acredita que o prazo fixo, sempre por exemplo um mês, é muito amplo para saber se a sala pode realmente servir para aquele dia, tornando-o inutilizável. Neste caso, se pretende contestar a decisão da assembléia, deve fazê-lo contatando a Justiça da Paz.
Ao contrário do caso em que um (ou mais de um) dos condomínios é proibido de usar. Neste último caso, a resolução não apenas regula as modalidades do direito de usar ativos comuns, mas também comprime o mesmo direito. A competência, portanto, deve ser identificada de acordo com as regras normais (neste caso, o Tribunal deve ser chamado).

Jurisdição do juiz de paz de acordo com o valor do caso

Além da competência exclusiva nos termos indicados acima, o primeiro parágrafo do art. 7 do código processual civil específico que o Justiça da Paz é responsável por casos relativos a bens móveis de valor não superior a 5.000,00 euros, quando por lei eles não são atribuídos à jurisdição de outro juiz.
Como dizer: desde que o objecto do litígio diga respeito a um bem móvel e o seu valor não exceda 5.000,00 euros, o requerente deve faça sua pergunta para a Justiça da Paz se a lei não especificar que deve recorrer a outro juiz.
exemplo jurisdição da Justiça da Paz: Tizio pretende contestar a ata da reunião com a qual a resolução foi aprovadaaprovação da declaração do condomínio. Se Tizio contestar apenas a extensão de sua taxa de contribuição e esta não for superior a € 5.000,00, ele deverá apresentar seu pedido de invalidação ao supracitado judiciário. Se, por outro lado, Tizio contesta a nulidade de toda a resolução, por exemplo, porque ele reclama da chamada omitida, e o valor da resolução é superior a € 5.000,00, então ele deve se referir à Corte (cf. Cass. 24 de julho de 2014 n. 16804).
O mesmo se aplica às ações para o recuperação de créditos pelo administrador: desde que os valores a serem recuperados não excedam € 5.000,00 o administrador deve sempre entrar em contato com o juiz de paz.
Para mim apelos para a nomeação e revogação do administrador do condomíniosendo a questão dos processos na Câmara dos Deputados, o Tribunal é sempre competente (ver artigos 737 e artigos subsequentes do Código Civil).
Quanto ao competência por territórioo art. 23 do código de processo civil específico que em casos entre condòmini (e para aqueles entre condòmini e condominio) é sempre um cargo judicial competente (Corte ou Justiça da Paz) do distrito no qual o prédio está localizado.



Vídeo: Desavença vizinhos rende indenização na Justiça