Causas para a observância do regulamento do condomínio

Para cumprir os regulamentos do condomínio, o administrador pode tomar qualquer iniciativa útil, incluindo um caso precedido por uma tentativa de mediação.

Causas para a observância do regulamento do condomínio

Conformidade com os regulamentos do condomínio

Um dos condomínios não respeita o regulamento do condomínio; administrador, fique ocupado!

Regras do condomínio

Quem sabe quantas vezes pronunciamos ou ouvimos essa frase. Atenção, uma vez que seu representante legal esteja ciente das violações dos regulamentos do condomínio, ele pode decidir arrastar seu vizinho impróprio para o tribunal sem a necessidade de uma autorização dos acionistas mesmo que não seja possível sublinhar que a chamada mediação do condomínio complicou e nem um pouco o exercício desse poder.
L 'ação legal independente, que na opinião do escritor não pode ser posta em dúvida, no passado foi questionada em um litígio resolvido pelo Tribunal de Cassação (enviado n º 11841 de 12 de julho de 2012).
o stoats, naquela ocasião, eles confirmaram qual é a sua orientação consolidada: a atribuição do administrador quanto à observância do regulamento O condomínio (artigo 1130 do Código Civil) também é substanciado pela possibilidade de fazê-lo respeitar promovendo autonomamente um julgamento.
Tudo resultou de uma objeção do recorrente: o administrador não tem legitimidade para ser julgado porque ele não pediu permissão à assembléia para fazê-lo. Ele, o promotor do apelo continua, é um eventual órgão do condomínio e, como tal, não tem poderes para promover uma causa, nem mesmo no que diz respeito ao cumprimento dos regulamentos do condomínio.
Esta tese, para dizer de seu advogado, foi apoiado pela sentença não. 18331 das Seções Unidas proferidas em 6 de agosto de 2010. De maneira alguma, os juízes da Piazza Cavour responderam à controvérsia sobre a qual eles pronunciaram a palmadinha com a sentença n. 18331/10, estava fora daqueles em relação aos quais o administrador do condomínio é autonomamente legitimado nos termos do art. 1131, primeiro parágrafo do Código Civil italiano, por outro lado, abrangendo a categoria de casos relativos às partes comuns do edifício e a relativa responsabilidade pela guarda.

Causas condominiais

Neste sentido e dentro de tal quadro de referência deve ser lido o princípio da lei enunciado pela S.U., segundo o qual l'administrador do condomínio, podendo ser acertado nas sentenças relativas às partes comuns, mas sendo obrigado a dar sem demora notícias à assembléia da convocação e à disposição que exceda os seus poderes, nos termos do art. 1131, segundo e terceiro parágrafos do Código Civil italiano, pode interpor recurso e impugnar a sentença desfavorável sem a prévia autorização da assembleia geral, que é então obrigada a ratificar suas ações a fim de evitar a inadmissibilidade da escritura de incorporação ou recurso.
Como parte da execução das deliberações do condomínio, as atividades previstas no art. 1130, primeiro parágrafo, n. 1) c.c. se enquadra nos deveres normais do administrador, estes, no entanto, podem atuar judicialmente contra ambos os condomínios e terceiros, conforme previsto no parágrafo primeiro do art. 1131 c.c. (ver no tema, Cassação Nos. 27292/05, 14665/99, 4900/98, 2452/94 e 12125/92) (Cassation 12 de julho de 2012, n º 11841).
em resumo se você notificar o administrador de violações dos regulamentos do condomínio não reclame se estiver envolvido num caso e antes num processo de conciliação: está tudo bem!

Regras e procedimento para mediação

É bom lembrar que em questões de condomínio, nos termos do art. 71-quater disp. att. cc e pelo Decreto Legislativo n. 28/2010, as disputas relativas à observação do regulamento do condomínio estão sujeitas a tentativa de conciliação.
O que isso significa? Que o caso não pode começar (a chamada condição do procedimento) se antes que a parte interessada (o administrador ou um dos condomínios) não trouxe um órgão de mediação presente no distrito do escritório judicial responsável pela disputa.
Neste ponto, é útil lembrar que o administrador pode ativar este procedimento somente se autorizado pela assembléia, que deve decidir nesta direção com o voto favorável da maioria dos participantes e pelo menos 500 milésimos.
Em essência nos deparamos com uma situação contraditória: para iniciar o processo, o administrador não precisa ser autorizado pela assembléia de acionistas, isto é, ele pode agir ex officio, enquanto tenta conciliação, uma operação que é usada para iniciar o caso, sim. Por favor note: não estamos nos referindo à decisão sobre o acordo com a contraparte (nesse caso, a decisão de aceitar a decisão de adesão à conciliação é justificada), mas apenas o princípio do procedimento.
Sendo esse o casoDe fato, negar a autorização para apelar a um órgão de mediação não significa que - dada a natureza obrigatória de tais procedimentos - bloqueie a ação legal do administrador do condomínio pelo cumprimento do regulamento.



Vídeo: