A nota fiscal eletrônica também está se aproximando para o condomínio

Condomínio: tudo o que você precisa saber para se adaptar, a partir de 1º de janeiro, aos novos regulamentos introduzidos no campo da fatura eletrônica.

A nota fiscal eletrônica também está se aproximando para o condomínio

De janeiro obrigação de fatura eletrônica

O vencimento do1 de janeiro de 2019. A partir dessa data, com exceção de quaisquer extensões decididas no último, mas de momento a serem excluídas, todas as faturas emitidas, após a venda de bens e serviços prestados entre sujeitos residentes ou estabelecidos em Itália, só podem ser faturas eletrônicas.
Durante meses houve debates e foram levantadas questões sobre as muitas dúvidas que os novos recursos despertaram entre os insiders.

Fatura eletrônica em coldomínio: cálculos


No horizonte existe a possibilidade de suspender, por um período limitado, a aplicação das sanções previstas em caso de incumprimento.
Também o condomínio, representado por seu administrador, será chamado a respeitar a nova disciplina. Vamos ver em que termos e com quais modalidades.

Também o condomínio terá que respeitar a disciplina referente à nota fiscal eletrônica

A obrigação da nota fiscal eletrônica, introduzida por Lei Orçamental de 2018, aplica-se tanto no caso em que a cessão de bens ou a prestação de serviços é realizada entre dois operadores de IVA (operações B2B, ou seja, Business to Business), e no caso de a venda / desempenho ser realizada por um operador de IVA a um consumidor final (transacções B2C, isto é Business to Consumer).
As regras para preparar, transmitir, receber e reter faturas eletrônicas são definidas na provisão n. 89.757 de 30 de abril de 2018, publicado no site da Revenue Agency.

Contagem de faturas eletrônicas


Para apoiar os operadores de IVA, a Revenue Agency fornece vários serviços gratuitos para preparar facilmente faturas eletrônicas, para transmiti-las e recebê-las, para mantê-las seguras e inalteráveis ​​ao longo do tempo e para consultar e adquirir a cópia original das faturas eletrônicas corretamente. emitido e recebido.
Destes serviços, naturalmente, também irá aproveitar o administrador do condomínio.

Diferenças entre fatura eletrônica e fatura em papel

A fatura eletrônica difere de uma fatura papelem geral, apenas por dois aspectos: em primeiro lugar, deve necessariamente ser compilado usando um PC, um tablet ou um smartphone, e também deve ser transmitido eletronicamente para o cliente por meio do c.d. Sistema de Intercâmbio (SDI).
O ES é um tipo de carteiro que executa as tarefas de verificação se a fatura contiver pelo menos os dados obrigatórios para fins fiscais, bem como o endereço telemático (o chamado código do destinatário ou endereço PEC) para o qual o cliente deseja receber a fatura. o número de IVA do fornecedor (o chamado vendedor / credor) e o número do IVA ou o Código Tributário do cliente (o designado cessionário / cliente) estão presentes.

Pilhas de notas de papel


Em caso de resultado positivo das verificações prévias, o Sistema de Troca entrega a fatura com segurança ao destinatário se comunicando, com um recibo de entrega, para quem transmitiu a fatura a data e hora da entrega do documento.
Portanto, os dados obrigatórios a serem incluídos na fatura eletrônica são os mesmos que os informados nas faturas em papel, bem como o endereço eletrônico no qual o cliente deseja que a fatura seja entregue. As regras que permitem a preparação do c.d. fatura (eletrônica) diferida até o 15º dia do mês seguinte ao mês em que a operação foi realizada.

Lembrete para o administrador do condomínio: os assuntos isentos da nota fiscal eletrônica

Apenas os operadores (empresas e trabalhadores independentes) abrangidos pelo denominado "regime" estão isentos da fatura eletrónica benefício e aqueles que se enquadram no chamado regime plano.
Os operadores de um sistema vantajoso ou de montante fixo podem, em qualquer caso, emitir faturas eletrónicas em conformidade com as disposições da disposição de 30 de abril de 2018.
A estas categorias de operadores, podemos acrescentar os pequenos produtores agrícolas, que foram isentos por lei da emissão de faturas, mesmo antes da introdução da obrigação de facturação electrónica.

Condomínio: as vantagens da nota fiscal eletrônica

Em primeiro lugar, o faturamento eletrônico elimina o consumo de papel, economizando custos de impressão, remessa e armazenamento.
Este último pode ser realizado gratuitamente, aderindo ao serviço especial disponibilizado pela Revenue Agency. Além disso, você pode adquirir a fatura como um arquivo XML (eXtensible Markup Language), é possível agilizar o processo de contabilização dos dados contidos nas próprias faturas, reduzindo tanto os custos de gerenciamento deste processo como os erros que podem ser gerados pela aquisição manual dos dados.

Software para gerenciar faturas eletrônicas


Finalmente, como a data de emissão e entrega da fatura é certa, a eficiência nas relações comerciais entre clientes e fornecedores é aumentada.
A fatura eletrônica, então, determina outras vantagens de um ponto de vista estritamente fiscal.
Com efeito, para os operadores do IVA no sistema contabilístico simplificado, que apenas emitem facturas e recorrem aos dados que lhes são fornecidos pelo Inland Revenue, com base nas regras estabelecidas pela própria Agência, a obrigação de mantenha o Registros de IVA enquanto para todos os operadores de IVA que emitem e recebem apenas faturas, recebendo e efetuando pagamentos de forma superior ao valor de 500 euros, os termos da avaliação fiscal são reduzidos em 2 anos.
Por último, qualquer operador, bem como os consumidores finais, pode consultar e adquirir uma cópia das suas faturas eletrónicas emitidas e recebidas através de um serviço online simples e seguro disponibilizado pela Inland Revenue.

O que o condomínio precisa para emitir uma fatura eletrônica

Para preencher uma fatura eletrónica é necessário dispor de um PC ou de um tablet ou de um smartphone e de um software que permita a compilação do ficheiro da fatura no formato XML exigido pela prestação da Revenue Agency de 30 de abril de 2018.
A receita interna fornece 3 tipos de livre programas para preparar faturas eletrônicas: um procedimento web, que pode ser usado acessando o portal Faturas e Taxas do site da Agência (para usar este procedimento você precisa de uma conexão de rede), um software para download no PC (este procedimento pode ser também usado sem estar conectado na rede), um aplicativo para tablets e smartphones, chamado Fatturae, disponível para download nas lojas Android ou Apple (para usar este procedimento, você precisa ter uma conexão de rede).
Estes procedimentos destinam-se principalmente a operadores que emitem um número limitado de faturas e normalmente os configuram com os programas habituais de processamento de texto ou modelos de papel pré-impressos. Alternativamente, softwares privados que podem ser encontrados na internet podem ser usados.
Para acessar o portal Faturas e Taxas é necessário ter as credenciais SPID (Sistema Público de Identidade Digital) ou Fisconline / Entratel ou CNS (National Service Card).
O operador do IVA pode transmitir diretamente a fatura eletrónica ou pode transmiti-la, em seu nome, por um terceiro, geralmente um intermediário ou um prestador que oferece serviços específicos para a transmissão e receção de faturas eletrónicas.
Uma vez que o arquivo de nota fiscal eletrônica tenha sido transmitido para o ES, este último realiza algumas verificações e, se essas verificações forem passadas, transmite o arquivo para o endereço eletrônico na fatura. Os tempos em que o ES está realizando o controle e a entrega da fatura podem variar de alguns minutos a um máximo de cinco dias, no caso de o número de faturas que chegarem ao ES nesse momento for muito alto.
Se uma ou mais das verificações descritas acima não forem bem-sucedidas, o ES descartará a fatura eletrônica e enviará para a pessoa que transmitiu o arquivo um recibo de sucata que também indicará o código e uma breve descrição do motivo da recusa. resíduos.
Se as verificações descritas acima forem bem-sucedidas, o ES envia a fatura eletrônica para o endereço eletrônico que lê o arquivo da fatura (campos Código do Destinatário e PEC do Destinatário) e envia uma confirmação de entrega ao assunto que transmitiu o arquivo. que indicam a data e hora exatas em que a entrega ocorreu.

Retenção de faturas pelo condomínio

Por lei, tanto aqueles que emitem como aqueles que recebem uma fatura eletrônica são obrigados a mantê-la eletronicamente. o conservação eletrônico, no entanto, não é a simples memorização no PC do arquivo de fatura, mas um processo tecnicamente regulado por lei (CAD - Código de Administração Digital).
Com o processo de preservação eletrônica de acordo com a lei, de fato, você terá a garantia, ao longo dos anos, de nunca perder as contas, sempre poderá lê-las e, acima de tudo, poder recuperar a fatura original a qualquer momento.
O processo de retenção eletrônica padrão é normalmente fornecido por operadores privados certificados que são facilmente identificáveis ​​na Internet; entretanto, a Inland Revenue fornece um serviço de retenção eletrônica gratuito para todas as faturas emitidas e recebidas eletronicamente através do Sistema de Intercâmbio.
Este serviço é acessível pelo usuário a partir de sua área reservada do portal Faturas e Taxas.

As dúvidas do Privacy Garante na fatura eletrônica

O fiador da proteção de dados pessoais alertou a Receita Federal que a nova obrigação de faturamento eletrônico, como foi regulamentada, apresenta problemas críticos significativos em relação à compatibilidade com a legislação sobre a proteção de dados pessoais.
De acordo com a nova obrigação de faturamento eletrônico fiador, um elevado risco para os direitos e liberdades dos titulares de dados, envolvendo um processamento sistemático, generalizado e detalhado de dados pessoais em grande escala, potencialmente relacionado com todos os aspectos da vida quotidiana de toda a população, desproporcionado em relação ao objetivo de interesse público, legítimo, perseguido.
Em primeiro lugar, a Agência, depois de entregar as facturas como carteiro através do sistema de intercâmbio (SDI) entre os operadores económicos e os contribuintes, armazenará e utilizará os dados para fins de controlo.
No entanto, apenas os dados obrigatórios para fins fiscais não serão arquivados, mas a fatura real, que contém detalhes adicionais sobre os bens e serviços adquiridos.
Outras questões críticas surgem da escolha da Receita para disponibilizar em seu portal, sem solicitação do consumidor, todas as faturas em formato digital, mesmo para quem preferir continuar a receber o papel ou a fatura digital diretamente do fornecedor, como garantido pelo legislador.
Outros problemas colocam o papel assumido pela intermediários delegada pelo contribuinte para a transmissão, recebimento e armazenamento de faturas, algumas das quais também operam contra uma multidão de empresas, centralizando grandes massas de dados pessoais com riscos aumentados, não apenas para a segurança da informação, mas também relativa a outras utilizações indevidas, graças a possíveis ligações e comparações entre facturas de milhares de operadores económicos.



Vídeo: Aplicativo “São Bernardo na Palma da Mão” conecta aos principais serviços municipais