Álvaro Joaquim de Melo Siza Vieira: consistência de formas e funções

Criatividade e disciplina são os princípios fundadores da filosofia de Álvaro Siza Vieira. Um cuidadoso analista da realidade, Alvaro Siza é um defensor da consistência.

Álvaro Joaquim de Melo Siza Vieira: consistência de formas e funções

Álvaro Joaquim de Melo Siza Vieira

Álvaro Joaquim de Melo Siza Vieira nascido em 1933 no claro Porto, jóia empoleirada nas alturas de Portugal.
E é aqui que, apesar do sucesso e das ordens internacionais, ele decide ficar e lecionar na faculdade de arquitetura.
O edifício de que é uma de suas obras-primas.

Álvaro Joaquim de Melo Siza Vieira


criatividade
e disciplina eles são os princípios fundadores da filosofia de Álvaro Siza Vieira.
Que mostra e demonstra facetas, versatilidade, ductilidade típica do artista.
O ponto focal do pensamento de Álvaro Siza é oatenção ao passado.
Ela parte das raízes e daí cria, molda, inventa, assim como uma árvore se desenvolve a partir de uma pequena semente.
A relação com o passado é estabelecida através da memória: toda experiência, como uma colagem de informação e cultura, se acumula no nível consciente e subconsciente, e se torna parte do próximo projeto.
As idéias de Michelangelo ressurgem na importância que Álvaro Siza dá ao Não-acabado.
De acordo com Alvaro Siza, na verdade, o trabalho nunca está completamente concluído, a busca pela forma perfeita não é tão importante quanto a construção de um projeto capaz de dialogar com as arquiteturas que o ladeiam.

O arquiteto português Álvaro Joaquim de Melo Siza Vieira

Atento escrutinador da realidade, Alvaro Siza é um defensor da consistência.
Em grande estilo, na personalidade de suas intervenções, na técnica formal elaborada, refinada, mas capaz de entrar em sintonia com o ambiente, na ponta dos pés.
Amante também do projeto, Alvaro Siza projetou uma obra-prima, Mesa de Escrita de Poesia, escrivaninha que resume em si mesma denotação e intuição.
O arquiteto lusitano pensa na função "um suporte para escrever"mas também ao protagonista"o escritor"e se diverte jogando com as proporções, levemente distorcidas, como em um desenho didático, que sempre tem algo a ensinar.
Álvaro Siza vive e trabalha no Porto.

As obras mais importantes de Álvaro Joaquim de Melo Siza Vieira

Alvaro Siza: Quinta da Malagueira

Estes são seus obras mais importantes:
- Museu de Serralves (1996, Porto);
- Pavilhão de Portugal na Expo de Lisboa (1998);
- Faculdade de Ciências da Informação em Santiago de Compostela (Espanha);
- Igreja de Santa Maria (Marcode Canavezes);
- Museu do Ibere ​​Camargo em Porto Alegre (Brasil);
- Pavilhão de Portugal na Expo em Hannover (2000) em conjunto com o arquiteto português Eduardo Soutode Moura;
- Museu MADRE em Nápoles (2005).
Em 1992, ele foi premiado com o prestigioso Prémio de Arquitetura Pritzker (considerado o Nobel da arquitetura) e em 2002 de Leão Dourado em Veneza, e também recebeu o Metal Real Dourado do Instituto Real dos Arquitetos Britânicos.
Há cerca de trinta na exposição esboços, desenhos e projetos a lápis ou caneta, que expressam todo o mundo interior de um arquiteto visionário, em cujo trabalho a luz e a matéria se misturam e tomam forma.
Localização: Londres, 2005.
A Serpentine Gallery, uma das mais elegantes galerias de arte moderna e contemporânea da cidade, abriga uma estrutura cinética, suave e energética.
É o pavilhão temporário projetado por Álvaro Siza, que o Financial Times descreveu como "um dos melhores arquitetos da cena internacional".

Álvaro Joaquim de Melo Siza Vieira, Serpentina

Com o Pavilhão da Galeria Serpentina 2005Alvaro Siza queria e conseguiu estabelecer um diálogo entre seu pavilhão e o prédio neoclássico nas proximidades, imerso no oásis verde dos jardins de Kensington, além de apresentar uma arquitetura inovadora.
A estrutura é construída com base em uma grade simples, distorcida para criar uma forma curvilínea dinâmica.
A estreita relação entre o pavilhão e o parque circundante é ainda mais fiel graças à utilização de vigas de madeira entrelaçadas.
Localização: Berlim, 1980-1984.
Um graffiti metropolitano consagra a função existencial de um prédio residencial de seis andares: Bonjour Tristesse, onde o sentimentalismo em ruínas da jovem ecoa Cécile no romance de mesmo nome, é um tributo ao poder do movimento, ao dinamismo perpetrado em todos os seus aspectos.

Álvaro Joaquim de Melo Siza Vieira, Bonjour Tristesse


Respeitando a estética contida e rigorosa que o rodeia, o projeto de Álvaro Siza contém um canto, como uma concha com a sua pérola, no distrito de Kreuzberg, outrora delimitado pela Muralha em três lados.
O edifício explode no espaço, capturando sua opacidade cinza, símbolo de décadas indeléveis da história.
Para Alvaro Siza, a expressão do movimento interior se traduz em um forma curvilínea decidiu, que cai dentro dos lados do edifício e deixa o espectador com o poder de decidir a interpretação.



Vídeo: