Administrador de condomínio, treinamento inicial e cursos de atualização

Os cursos de forma√ß√£o inicial e peri√≥dica para administradores de condom√≠nios permitem a tomada de tarefas de gest√£o: requisitos do curso e conseq√ľ√™ncias.

Administrador de condomínio, treinamento inicial e cursos de atualização

Obriga√ß√Ķes educacionais do administrador do condom√≠nio

L 'art. 71-bis das disposi√ß√Ķes de implementa√ß√£o do c√≥digo civil indica uma s√©rie de requisitos que devem necessariamente ser possu√≠dos - a menos que exce√ß√Ķes claramente identificadas - se voc√™ deseja assumir posi√ß√Ķes de administra√ß√£o de condom√≠nios.
Estes são requisitos de integridade (por exemplo, não sendo protestado), escola (obrigação de ter obtido o diploma do ensino secundário de segundo grau) e de treinamento.
No que diz respeito a este √ļltimo, a letra g) do primeiro par√°grafo do presente regulamento especifica que, para assumir tarefas, √© necess√°rio ter curso de forma√ß√£o inicial e realizar atividades de treinamento peri√≥dico em rela√ß√£o √† administra√ß√£o do condom√≠nio.

Treinamento Administrativo


eles exceção às exigências escolares e de treinamento:
a) os diretores escolhidos dentre os condomínios (i administradores internos);
b) aqueles que por pelo menos um ano nos √ļltimos tr√™s anos anteriores √† entrada em vigor do art. Benef√≠cio de 71 bis. att. cc exerceu a atividade de administrador do condom√≠nio.
Para esta √ļltima categoria de sujeitos, a obriga√ß√£o do treinamento peri√≥dico.
Como se pode dizer que a obrigação de treinamento foi cumprida? inicial?
E o de treinamento periódicos?
Qual deve ser duração mínimo destes cursos?
Quem pode mantê-los?
Perguntas que não são respondidas no art. 71-bis disp. att. cc Em um país, a Itália, que vive por regras - às vezes redundantes - uma falta, desta vez, francamente incompreensível.
A lacuna foi preenchida gra√ßas ao Decreto It√°lia de destino (Decreto Legislativo n.¬ļ 145/2013), com base no qual foi ent√£o adoptada a decreto ministerial n. 140 de 13 agosto 2014, ent√£o publicado no Di√°rio Oficial do dia 24 de setembro seguinte.
O t√≠tulo do ato ministerial √© indicativo de seu conte√ļdo:

Regulamentos que estabelecem os critérios e modalidades para a formação de administradores de condomínios e cursos de capacitação para administradores de condomínios.

Em suma, é a esta regra que você tem que olhar se você quiser saber quais os requisitos dos cursos para administradores do condomínio.
muitos disposi√ß√Ķesisto √©, aquelas referentes √† disciplina organizadora, as modalidades de atua√ß√£o, o corpo docente e as disciplinas dos cursos s√£o comuns, de forma que, uma vez explicitadas para o curso inicial, devem ser consideradas v√°lidas tamb√©m para treinamentos peri√≥dicos.
o decretoVoc√™ o entender√° lendo-o, n√£o estar√° livre de cr√≠ticas e interpreta√ß√Ķes cr√≠ticas, mas para o m√°ximo representou um bom ponto de partida para come√ßar a colocar a ordem de um setor - o de treinar o administradores do condom√≠nio - muitas vezes √† merc√™ da improvisa√ß√£o.

Obrigação de treinamento inicial

Qualquer um pode organizar um curso inicial (e peri√≥dico) de treinamento para o administrador do condom√≠nio. Institui√ß√Ķes universit√°rias, associa√ß√Ķes, escolas, at√© mesmo escrit√≥rios de um √ļnico profissional (onde n√£o √© impedido por disposi√ß√Ķes espec√≠ficas da lei sobre eles) podem organizar atividades de treinamento no condom√≠nio. A determina√ß√£o de custo √© devolvido ao mercado livre.
Cursos (de treinamento inicial e periódico) também pode ser realizado em modo telemático, mas o exame final especifica D.M. n. 140/2014, deve ocorrer em um local identificado pelo chefe da ciência (que é essa figura que você verá em breve).

Atualização do administrador


O que importa para o legislador não é quem organiza, mas como.
Quanto ao cursos de formação inicialo art. 5, primeiro parágrafo, do dm. em questão especifica que o mesmo:
a) tem lugar com base num programa preparado pelo gerente científico;
b) ter uma duração de pelo menos 72 horas;
c) um terço da duração real do curso deve ser realizado com base em módulos que prevejam exercícios práticos.
Quem √© o gerente cient√≠fico? √Č uma figura escolhida pelo organizador do curso entre:
- professores em mat√©rias jur√≠dicas, t√©cnicas ou econ√īmicas (pesquisador universit√°rio tempor√°rio ou contratado permanente, professores de primeiro ou segundo n√≠vel, professor de segundo grau do ensino m√©dio);
- advogados;
- magistrados;
- profissionais da área técnica.
Todos esses assuntos, que tamb√©m podem ser aposentados, devem ter requisitos de integridade precisos (Artigo 3 do Decreto Legislativo n¬ļ 140 de 2014) e profissionalismo (ou seja, ter experi√™ncia comprovada em quest√Ķes de lei do condom√≠nio ou seguran√ßa em edif√≠cios).
atualmente não há lista ministerial dos gestores científicos (como acontece, por exemplo, para os mediadores), para que a avaliação do perfil profissional seja considerada remetida ao organizador do curso.

Exame administrativo


O gerente científico, por sua vez, certifica a competência dos treinadores, que devem ter os mesmos requisitos de integridade e profissionalismo, e podem ser escolhidos de:
- graduados também para o curso de três anos;
- habilitado à profissão livre;
- professores em quest√Ķes legais, t√©cnicas e econ√īmicas em universidades, institutos e escolas p√ļblicas ou privadas reconhecidas;
- professores que trabalharam pelo menos dois publica√ß√Ķes sobre direito do condom√≠nio o seguran√ßa do edif√≠cio, com c√≥digo de identifica√ß√£o internacional (ISBN);
- aqueles que já realizaram atividades de treinamento no campo de lei do condomínio ou a segurança dos edifícios em cursos com duração mínima de 40 horas cada, durante pelo menos seis anos consecutivos antes da data de entrada em vigor do d. n. 140/2014.
Dado que a figura do gerente cient√≠fico quase nunca coincide com a do organizador do curso, na opini√£o do escritor, deve-se considerar poss√≠vel, em vez disso, a coincid√™ncia do papel do gestor cient√≠fico com o do treinador, dadas as principais qualifica√ß√Ķes exigidas para o primeiro.
Os cursos devem focar assuntos de interesse para o administrador do condomínio.
Uma lista destes assuntos é fornecida pelo art. 5, terceiro parágrafo, do dm. n. 140 de 2014.
No final do curso há um exame na forma escrita ou oral ou combinada; a avaliação é encaminhada aos organizadores e o overshoot é certificado pelo gerente científico.
Assim, as primeiras condi√ß√Ķes relativas ao cumprimento das obriga√ß√Ķes de forma√ß√£o necess√°rias para assumir as fun√ß√Ķes de administra√ß√£o de condom√≠nios.
Não tendo frequentado e passado um curso de formação inicial implica a nulidade da resolução de nomeação. Tampouco pode ser descartada a possibilidade de agir por revogação judicial, mesmo que não se encontre jurisprudência anterior sobre este ponto.

Obrigação de treinamento periódico

Outro requisito necess√°rio para continuar com a atividade em quest√£o √© o freq√ľ√™ncia, anualmente, dos cursos de treinamento peri√≥dico.
o cursos de treinamento peri√≥dicos deve ter uma dura√ß√£o m√≠nima de quinze horas nas mesmas mat√©rias que as da forma√ß√£o inicial, tendo no entanto em conta a evolu√ß√£o da legisla√ß√£o, jurisprud√™ncia e resolu√ß√£o de casos te√≥rico-pr√°ticos (Artigo 5¬ļ, segundo par√°grafo, d. /. n¬ļ 140/2014).
Quanto à cadência deobrigação de treinamento segue a anuidade calculada a partir da entrada em vigor do decreto ministerial, ou seja, 9 de outubro de 2014 - 9 de outubro de 2015 e seguintes, não o ano civil.
Quanto a i cursos de forma√ß√£o inicial mesmo n√£o ter participado e passado um curso de forma√ß√£o peri√≥dica implica a nulidade da resolu√ß√£o de nomea√ß√£o (Tribunal de P√°dua 24 de mar√ßo de 2017 n ¬ļ 818). Tampouco a possibilidade de atuar por revoga√ß√£o judicial pode ser exclu√≠da, mesmo que nenhum precedente seja encontrado jurisprudencial no ponto.



V√≠deo: Curso de FORMA√á√ÉO DE S√ćNDICO PROFISSIONAL - Prof. Vander Ferreira de Andrade