Diretor: nomeação, revogação, tarefas e funções

Em cada condomínio com mais de oito participantes, um diretor deve ser indicado (artigo 1129 do Código Civil), ou seja, uma pessoa cuja lei dita certas atividades.

Diretor: nomeação, revogação, tarefas e funções

Administrador e reforma do condomínio

Amministratore

O administrador, sua relação com o condomínio e os requisitos para a tomada de posse estavam entre os tópicos em que o reforma interveio com maior incisividade.
Em cada condomínio com mais de oito participantes um administrador deve ser nomeado (art. 1129 c.c.).
É sobre um sujeito a quem a lei atribui uma série de tarefas que pode ser resumido da seguinte forma: o administrador é um agente do condomínio que opera com a finalidade de gestão e conservação das partes comuns no interesse dos condomínios.
Até hoje, existem aproximadamente 40.000 administradores profissionais, ou seja, pessoas que organizam as atividades de administração do condomínio de forma organizada e contínua.
É um mercado com fortes margens de crescimento se pensarmos que apenas 1/3 dos ativos imobiliários condominiais são administrados por profissionais, enquanto os 2/3 restantes dos imóveis são administrados pelos cds. administradores internos, ou seja, aqueles que vivem em condomínio estão interessados ​​na gestão do edifício, muitas vezes em turnazione, e quase sempre como cortesia (relatório de fonte CENSIS-ANACI de março de 2006).
Vamos ver mais em detalhes requisitos necessário para realizar a atividade de um administrador do condomínio, os métodos de nomeação, revogação e confirmação e suas principais funções.

Requisitos para consulta

Para ser nomeado como diretor, a menos que especificado de outra forma nos regulamentos do condomínio, é necessário cumprir os requisitosart. Benefício de 71 bis. att. código comercial.
Em suma, o administrador não deve ter trazido nenhuma condenação criminal específica, não deve ser protestado e, se não for um administrador interno, deve ter seguido um curso de formação inicial, bem como seguir cursos de formação regulares.
o reforma Ele esclareceu, com base na orientação expressa pelo Tribunal de Cassação, que as sociedades anônimas também podem assumir o papel de diretores de condomínios (ver Artigo 71-B, citado acima).
Embora se acreditasse amplamente que a regulação mínima do setor seria introduzida padrão qualitativo para garantir a seriedade e correção da atividade realizada, a nova regulação sintetizada não foi totalmente convencida.

quorum deliberações para a nomeação

Foi dito no começo que quando eu condomínios (ou seja, os proprietários das unidades de propriedade) são mais de nove, a assembléia deve prever a nomeação de um administrador; para este ato (como para muitas outras decisões da assembléia do condomínio) é necessária uma maioria dupla.
De acordo comart. 1136 c.c., a decisão de nomeação será válida se adotada pela maioria dos presentes na reunião que representem pelo menos 500 milésimos. esta quorum deve ser alcançado tanto na primeira quanto na segunda convocação.
Se a montagem não indicar o administrador, cada condomínio pode agir judicialmente para obter a nomeação do diretor do Tribunal competente (ou seja, do local onde o imóvel está localizado). Este é o c.d. nomeação judicial que é subordinada à tentativa, não conseguiu nomear pela assembléia.
Então, quando se trata da nomeação por meio da assembléia, então quando recorremos aoAutoridades Judiciais, é indiscutível que a resolução (assembléia) ou o decreto (judicial) de nomeação significa que, entre o condomínio e o administrador, é estabelecida uma relação jurídica; deve ser rastreada até o contrato de mandato (cf. art. 1129 c.c. e na jurisprudência em todos ver Cass. SS.UU 8 de abril de 2008 n. 9148).
Presume-se que este mandato é oneroso e a taxa deve ser analiticamente indicada pelo administrador após a aceitação da nomeação.
Então, a menos que decidido de outra forma pela assembléia, o administrador que aceitar a tarefa terá direito de ser pago.
o medida de compensação será decidido com base no acordo das partes; falhando de acordo com os usos ou pelo juiz.
Uma vez nomeado, o administrador dura um ano e, sujeito a revogação, a nomeação destina-se a ser renovada por um período de igual duração (ver artigo 1129 do Código Civil): durante este período de tempo ele deve colocar em prática todas as ações úteis para o cumprimento da sua tarefa.

Atribuições do administrador

Amministratore condominiale

o padrão de referência quanto às atribuições do administrador é representado pelaart. 1130 c.c.
Tendo em mente esta disposição, oadministrador, entre as várias coisas deve:
a) realizar as resoluções da assembléia do condomínio e a observância dos regulamentos do condomínio;
b) disciplinar o uso de coisas comuns e a prestação de serviços de interesse comum, de modo a garantir o melhor desfrute de todos os condomínios;
c) coletar As contribuições e as despesas necessárias para a manutenção ordinária das partes comuns do edifício e para o funcionamento dos serviços comuns;
d) fazer os documentos conservando os direitos inerentes às partes comuns do edifício;
e) manter o registro de escritório de registro de condomínio;
f) faça a conta da sua gestão no prazo de 180 dias a contar do final do ano de gestão.
A lista que acabamos de ver não é exaustiva.
São atividades que, como dissemos no início, visam à gestão e conservação das partes comuns do edifício. Então, para odesembolso de despesas para os serviços comuns, se os condomínios estiverem mortos, eles podem atuar em juízo para a recuperação do crédito; poderá estipular contratos de seguro para realizar ações de conservação do edifício, etc.
Além deaprovação das contas de gestão, a assembleia geral ordinária deve prever a confirmação ou revogação e, consequentemente, a nomeação de um novo diretor.
Para a revogação do administrador as mesmas maiorias necessárias para a nomeação são necessárias. É duvidoso se a confirmação deve ser equiparada à consulta ou se constitui um ato autônomo e independente. No primeiro caso, a ser confirmado no cargo, o diretor deve obter os votos da maioria dos presentes na reunião, que representam 500 milésimos. No segundo caso, será suficiente, na segunda convocação, 1/3 dos milésimos representando 1/3 do valor do edifício.
Se você não alcançar le maiorias solicitadas, o administrador de saída continuará provisoriamente em seu escritório; isto até a confirmação ou nomeação do novo diretor. É o CHAMADO caso do prorogatio imperii que se baseia na presunção de conformidade com a vontade dos condomínios e na necessidade de dar continuidade administrativa ao condomínio (neste ponto ver Cass. 23 de janeiro de 2007 n. 1405).

Revogação do administrador

o revogação da assembleia geral bem como no final do mandato ele pode intervir a qualquer momento (artigo 1129 do Código Civil).
Além da vontade da assembléia, a remoção do administrador pode ser decretada peloAutoridades Judiciais em recurso proposto por cada condomino quando:
a) o administrador ele não apresentou a conta de sua gestão;
b) quando houver graves irregularidades na gestão (O artigo 1129, décimo segundo parágrafo, c.c. contém um exemplo do mesmo);
c) se seguindo o notificação de uma intimação em tribunal ou uma disposição administrativa exorbitante pelas suas funções não notificou a Autoridade Judicial.
Estes são os c.d. hipótese de revogação judicial, que será adotada por decreto pelo juiz competente, ou seja, o Tribunal do lugar onde o imóvel está localizado.



Vídeo: O juiz é obrigado a aceitar o resultado do laudo pericial?