Região de Abruzzo: renovação de habitações existentes sótãos

Região de Abruzzo: aprovou a lei que permite a recuperação de sótãos existentes para fins residenciais.

Região de Abruzzo: renovação de habitações existentes sótãos

Sótão de recuperação.

Com disposição n. 71/3 de 08/03/2011, a lei que permite, na presença de determinadas condições, recuperar os sótãos dos edifícios para fins de habitação, desde que já existissem quando a lei entrou em vigor.
O objetivo declarado explicitamente pela lei é (...) racionalizar e conter o consumo do território (...). As condições referidas são obviamente aquelas relativas à conformidade do edifício com os regulamentos municipais e regionais em vigor ou, (...) no caso de construção total ou parcialmente abusiva, o processo de anistia previsto na Lei nº 47 de 28 de fevereiro de 1985 deve ser sanado (...).
Outra condição diz respeito especificamente as medições do quarto do sótão para ser recuperado, isto é: a altura média do peso não deve ser inferior a 2,40 m., (...) calculado em relação ao volume em geral e a área do sótão utilizada para fins residenciais (...)eu

Sótão de recuperação.

n laltura da parede mínimo não deve ser inferior a 1,40 m
Vários parâmetros no caso de edifícios localizados em altitudes acima de 1.000 metros acima do nível do mar, para o qual a altura média é reduzida para 2,10 m e a altura da parede mínima a 1,20 m. Todas as normas sísmicas e higiênico-sanitárias devem ser respeitadas, e as premissas subjacentes devem ser total ou parcialmente destinadas ao uso residencial.
Quaisquer espaços abaixo dos parâmetros definidos antes terão que (...) estar fechado médiotrabalhos de alvenaria de ante ou móveis fixos e pode ser usado como um espaço de serviço para um guarda-roupa ou armário. (...) Tais trabalhos de fechamento não são prescritivos nas aberturas, mesmo que na presença de altura menor que as restrições previamente estabelecidas.
A permissão é permitidaadaptação a alturas pré-estabelecido por (...) o rebaixamento do último andar abaixo do sótão (...), desde que não ocorram mudanças nas elevações, nem os regulamentos relativos a terremotos e saneamento, nem os requisitos mínimos de habitabilidade ou praticabilidade sejam violados.
Eles também são permitidos criações de novas unidades habitacionais nos sótãos, desde que sejam encontrados espaços de estacionamento adequados, de acordo com os regulamentos locais. Permitir também trabalhos de ajuste para fins sanitáriosPor conseguinte, as aberturas de portas, janelas e clarabóias, desde que tal não implique distorções das características arquitectónicas e estruturais de todo o edifício, resultantes das restrições e regulamentos segundo os quais foi construído.

Sótão de recuperação.

Obras de arte também são planejadas isolamento térmico (...) com a finalidade de conter o consumo de energia de todo o edifício (...), de acordo com o (...) disposições atuais sobre desempenho energético em edifícios. (...)
Entende-se que o Câmara Municipal pode, (...) com deliberação adequada e justificada, identificar partes do território municipal ou edifícios individuais excluídos do âmbito de aplicação do disposto neste artigo. (...). Em relação ao encargos de urbanização e eu custos de construção, estes serão pagos de acordo com a legislação regional.
Resta neste ponto entender o verdadeiro espírito desta lei, entendida por muitos como uma tentativa, nem mesmo velada, de remediar obras de construção ainda que ainda não existentes, dado que o tempo para a entrada em vigor da lei permitirá que muitos adaptar-se às condições para poder usá-los.
De acordo com os apoiantes, no entanto, esta disposição será uma oportunidade para combater a imigração ilegal, evitar mais desperdício de terra, recuperar fundos a serem alocados a pacientes com câncer.
Para o texto do Regulamento sobre a atividade de construção na região de Abruzzo:


download.acca.it/Download/BibLus-net/OpereEdili/LR_Abruzzo.pdf



Vídeo: